segunda, 27 de maio de 2024
Ações

Ambipar (AMBP3): como a Fitch avalia a emissão de títulos no exterior?

Recursos serão utilizados para pagamento de dívidas e para fins corporativos gerais

23 janeiro 2024 - 14h00Por Lucas de Andrade

Na última segunda-feira (22), a agência de classificação de risco Fitch Ratings atribuiu o rating de longo prazo ‘BB–’ à proposta de emissão de títulos verdes seniores sem garantias e com vencimento em 2031, a serem emitidos pela Ambipar Lux, da Ambipar (AMBP3), que garante incondicionalmente e irrevogavelmente os títulos, junto a suas subsidiárias Environmental ESG e Ambipar Emergency Response.

Os recursos da emissão serão utilizados para pagamento de dívidas e para fins corporativos gerais.

Atualmente, a Fitch classifica a Ambipar com os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de longo prazo em moedas estrangeira e local ‘BB–’.

Além disso, a agência classifica a Ambipar e suas subsidiárias (Emergência e Environmental) com o rating nacional de longo prazo ‘AA–(bra)’. Todos os ratings corporativos estão em perspectiva Estável.

De acordo com a Fitch, o perfil de crédito da Ambipar reflete sua posição de destaque no setor de serviços ambientais, com forte potencial de crescimento, e a diversificação de suas receitas em países economicamente mais estáveis que o Brasil.

Na avaliação dos analistas, a empresa também se beneficia de seu histórico favorável de renovação de contratos e na razoável proteção de suas margens adequadas, devido a mecanismos contratuais de repasse de custos, que são majoritariamente variáveis.

No relatório, consta que os ratings da Ambipar e de suas subsidiárias são limitados por sua alta alavancagem bruta consolidada, com importante consumo de fluxo de caixa por juros, bem como pela ausência de um histórico mais extenso de desempenho da empresa.

A perspectiva estável, por fim, reflete a capacidade de a Ambipar sustentar uma liquidez robusta e a redução gradual do endividamento a médio prazo, com diminuição de investimentos e ausência de aquisições significativas, o que deve fazer com que a alavancagem bruta e líquida se mantenha em patamares moderados.