segunda, 17 de junho de 2024
Ações

Ações da Minerva (BEEF3) derretem, após ter compra de ativos da Marfrig (MRFG3) negada no Uruguai

Para a XP Investimentos, esse momento pode representar um desafio para quem investe

22 maio 2024 - 13h31Por José Chacon
Fachada Minerva FoodsFachada Minerva Foods - Crédito: Reprodução

As ações da Minerva (BEEF3) operam em queda nesta quarta-feira (22), um dia após a companhia anunciar que a autoridade Comissão de Promoção e Defesa da Concorrência (CPDC) do Uruguai não aprovou a aquisição de três estabelecimentos industriais da Marfrig (MRFG3) pelo país. Por volta das 13:05, os papéis caiam em 5,19% a R$ 6,58.

Já as ações da Marfrig (MRFG3) recuam em 0,74% a R$ 12,00.

O fato é tão relevante, pois desde o anúncio do negócio ficou claro que o Uruguai representava cerca de 20% do contrato, tanto em volume quanto em valor, estimado em aproximadamente R$ 1,5 bilhão.

Este valor sugere uma avaliação total das plantas da Marfrig no Uruguai em torno de US$ 100 milhões, sem um múltiplo consensual.

No entanto, as empresas declararam que as plantas no Uruguai valem R$ 675 milhões (aproximadamente US$ 45 milhões por planta), o que indica um múltiplo implícito menor, apesar das margens historicamente mais altas no país, devido ao melhor acesso ao sistema sanitário e ao mercado.

Com a negação da CPDC, a Minerva agora aguarda a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para as plantas no Brasil.

A expectativa é de um desembolso maior do que o inicialmente previsto, totalizando R$ 5,375 bilhões em vez dos R$ 4,5 bilhões esperados. Este aumento sugere uma complexidade maior na negociação e um impacto financeiro significativo.

O processo de aprovação no Brasil enfrenta incertezas quanto ao tempo e às possíveis restrições que o CADE pode impor. 

A XP Investimentos destaca que, embora o tamanho seja crucial no mercado de commodities, a diversificação da Minerva poderia melhorar seus resultados de arbitragem. No entanto, o timing se mostra desfavorável.

"A estratégia ousada da Minerva, que não teve apoio dos investidores, pode levar mais tempo do que o previsto para dar frutos, um fator preocupante em um setor cíclico. Mesmo com a potencial aprovação no Brasil, a iminente mudança no ciclo do gado e um ritmo lento de desalavancagem apresentam desafios significativos para a tese de investimento", comenta a casa.