Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Análise

Quais commodities estão correndo na frente?

A recuperação nos mercados de ações pode estar vacilando, mas parece que nada é capaz de impedir o rolo compressor das commodities em 2021

06 maio 2021 - 10h49Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - A recuperação nos mercados de ações pode estar vacilando, mas parece que nada é capaz de impedir o rolo compressor das commodities em 2021.

Desde o início do ano, o petróleo bruto subiu 32%. Os analistas do Goldman Sachs disseram na semana passada que esperam que atinja US$ 80 até o final do ano, já que a reabertura das economias dos EUA e da Europa, em particular, traz de volta a demanda global pela commodity industrial mais importante do mundo, mais rápido do que parecia possível apenas alguns meses atrás.

Os metais industriais também estão em festa neste ano, com o cobre crescendo 35% e sendo negociado a mais de US$ 10.000 a tonelada em Londres pela primeira vez desde 2011. O alumínio subiu 23% em uma máxima de oito anos, alcançando o níquel e o zinco, que também estão em máximas de oito anos.

Os investidores de grãos estão determinados a não perder. Os futuros do milho americano ultrapassaram US$ 7 o bushel pela primeira vez em anos na terça-feira, e agora estão em alta de mais de 42% neste ano, assim como a soja nos Estados Unidos. A gigante de commodities agrícolas Archer-Daniels-Midland NYSE:ADM) (SA:A1DM34) disse na semana passada que sua “perspectiva hoje é ainda mais otimista do que aquela que compartilhamos no início do ano”, graças a “tendências de demanda claras e favoráveis para muitos de nossos produtos”.

Mas a medalha de ouro, pelo menos no acumulado do ano, vai para a madeira serrada. A espinha dorsal do mercado imobiliário dos EUA cresceu 83% e mais do que triplicou nos últimos 12 meses, adicionando mais de US$ 36.000 ao preço de uma nova casa nos últimos meses, de acordo com a National Association of Home Builders.

“A alta nos últimos meses tornou-se visivelmente mais sincronizada em todos os três setores: energia, metais e agricultura”, Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank, disse em suas perspectivas para o segundo trimestre.

Dados os inúmeros fatores em ação na formação dos preços das commodities, uma alta sincronizada geralmente é um sintoma de algo grande em ação. Desta vez não é diferente. Todas essas altas estão sendo alimentadas por quantidades sem precedentes de liquidez e sustentadas por uma sensação de que o dinheiro - apesar de todas as garantias dos complacentes banqueiros centrais - está perdendo seu valor. Em outras palavras, parte da alta se deve ao medo da inflação. Não é por acaso que o dólar, medido em relação a uma cesta de moedas da economia avançada, perdeu mais de 4% desde o início do ano.

Hansen identifica um segundo fator por trás da alta: anos de subinvestimento estão levando a gargalos de fornecimento, que quando combinados com aumentos sustentados na demanda podem levar a "superciclos", como aquele que levou à quebra de 2008. Isso é especialmente verdadeiro para metais industriais, em que o alto custo do desenvolvimento de novos projetos empurra as mineradoras a adiá-los pelo maior tempo possível.

Há outras megatendências também em ação: a eletrificação da mobilidade aumentou a demanda estrutural por metais para bateria e fiação, como cobre e níquel. A pandemia parece ter aumentado, de forma irreversível, o potencial para trabalhar em casa, além de aumentar permanentemente a angústia de viver em áreas densamente povoadas. O resultado disso é uma explosão imobiliária feroz nos EUA, à medida que as pessoas buscam mais espaço para morar nos subúrbios. Isso criou uma escassez aguda de madeira.

No entanto, também existem boas razões para sugerir que o novo superciclo demorará um pouco. Muitos dos mercados de hoje estão sendo pressionados ainda mais por fatores que são temporários e amplificados pelo interesse especulativo que é historicamente instável.

Assim, os preços dos grãos são em grande parte o resultado de um raro golpe triplo de fatores climáticos que atingiram os EUA, a Rússia e o Brasil simultaneamente. O paládio, que ultrapassou US$ 3.000 a onça pela primeira vez na semana passada, pode ser fundamentalmente apoiado por novas regulamentações chinesas sobre emissões de caminhões neste ano, mas também está faltando abastecimento da russa Norilsk Nickel, maior produtora do mundo, devido à inundação em sua maior mina. Até aquele acidente, os especialistas em metais da Johnson Matthey (LON:JMAT) viam o mercado mundial de paládio amplamente em equilíbrio neste ano.

Mais notavelmente, o petróleo bruto ainda conta com o apoio maciço e artificial de um pacto entre a Opep e a Rússia que mantém 6 milhões de barris por dia fora do mercado. Embora haja todos os motivos para pensar que a demanda retornará aos níveis pré-pandêmicos no devido tempo, especialmente se os voos comerciais se recuperarem, trazer esta produção de volta online sem encorajar mais perfuração de shale nos EUA ainda é um processo que precisa de gerenciamento cuidadoso.

Por último - e o mais importante de tudo - embora possa parecer permanente hoje, a era do dinheiro grátis um dia certamente terminará. Até então, porém, é difícil ver algo parando as commodities.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: