Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
São João mais caro

Preços dos "produtos juninos" aumentam mais que o dobro da inflação nos últimos 12 meses

Levantamento foi feito a partir dos itens alimentícios que constam na cesta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fundação Getúlio Vargas (FGV)

28 junho 2021 - 13h02Por Redação SpaceMoney

O preço médio dos ingredientes e insumos para o preparo dos principais pratos e quitutes tradicionais das festas juninas aumentou em 16% nos últimos 12 meses, enquanto a inflação ao consumidor medida pelo IPC-DI ficou em 7,98% no mesmo período, segundo levantamento que considerou 32 itens alimentícios da cesta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O material mostrou que o arroz doce e o churrasco foram os principais vilões: o arroz subiu 52,45% nos últimos 12 meses e o leite condensado 25,62%, enquanto as carnes bovinas e a linguiça tiveram altas de 34,4% e 27,74%, respectivamente.

Outros produtos que subiram acima da inflação foram: açúcar cristal (24,02%), salsicha e salsichão (20,36%), farinha de trigo (18,08%), açúcar refinado (16,12%), queijo minas (13,95%), milho (13,79%), macarrão (11,72%), amendoim (11,13%), milho de pipoca (11,02%), doces e chocolates (10,5%), fubá de milho (9,19%), leite (8,92%) e vinho (8,24%).

Apenas 2 produtos dentre os 32 itens registraram recuo em seu preço no período: a maçã (-1,57%) e a batata-inglesa (-14,54%).

"O volume de exportações para a Ásia (principalmente para a China) contribuiu para a redução da oferta de carne e soja internamente, e isso provoca um aumento no preço", aponta Matheus Peçanha, economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre)

O especialista afirma que a crise hídrica também teve impacto nessa dinâmica de preços. "Com a estiagem nos principais pontos de plantio dos cereais e leguminosas, a produção de soja, milho, arroz e amendoim ficaram impactadas, o que refletiu no aumento de preços desses produtos in natura, bem como das carnes, que usam milho e soja como ração", explica.

"Muitos desses produtos não têm substituto, então a principal dica pra driblar o impacto no bolso é pesquisar preços, dar preferência a marcas menos conhecidas ou reunir um grupo maior e comprar em ‘atacarejos’, para conseguir descontos maiores", conclui.

Com informações de Insight Comunicação.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: