Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Levantamento

Pesquisa: impactos ambientais não são considerados em políticas organizacionais de mobilidade global

O estudo entrevistou cerca de 70 profissionais, que abordaram os princípios ESG

24 junho 2021 - 14h24Por Redação SpaceMoney

Impactos ambientais não são considerados por 84% dos profissionais de recursos humanos quando desenham suas políticas para mobilidade global. Isso significa que poucas empresas incluíam, por exemplo, cálculo de emissões de gases de efeito estufa ou compensações de emissões nos processos envolvendo mobilidade de colaboradores. Os resultados são do estudo "Considerações de ESG para os Programas de Mobilidade Global e Recompensas", realizado pela KPMG.

O conteúdo da pesquisa apresenta os resultados de entrevistas realizadas com cerca de 70 profissionais que abordaram os princípios ESG e como eles estão sendo avaliados na gestão contínua e nos programas de mobilidade global das organizações.

A maioria dos entrevistados ocupa posições de alta gerência e funções executivas. Para apenas 16% as organizações abordam os fatores de sustentabilidade nas políticas globais de mobilidade.

"As respostas dos entrevistados revelam como aspectos ambientais serão relevantes na mobilidade global. Os dados também evidenciam que há ainda uma longa jornada de melhorias nessa área que vamos ver acontecer nos próximos anos. Cada vez mais é possível perceber o quanto a área de mobilidade global de pessoas deve ser envolvida nas decisões estratégicas das empresas", afirma Janine Goulart, sócia-líder da área de Mobilidade Global da KPMG no Brasil.

A previsão é que a política de mobilidade global atenda aos critérios de sustentabilidade para alinhar ainda mais os programas a fatores corporativos e de ESG. As novas políticas podem incluir: questionar a necessidade de designações internacionais; calcular as emissões de viagens; questionar os benefícios e verbas da política de mobilidade em relação ao valor ecológico; incentivar mais o transporte público.

"Todas as organizações precisam demonstrar seu comprometimento com a proteção dos ecossistemas e a regeneração deles, para garantirmos que a sociedade continue se desenvolvendo. Os impactos das emissões nas mudanças climáticas são um fato. Emissões resultantes de transporte movido à combustíveis provenientes de fontes não-renováveis, especialmente aéreos, são bem conhecidos e devem ser reduzidos. As opções são: redução de viagens utilizando esses combustíveis e compensação. A reputação das empresas está conectada com sua coerência em relação aos seus compromissos e suas ações, em todas as áreas. Mobilidade não é diferente", afirma Nelmara Arbex, sócia-líder de ESG da KPMG no Brasil.

Daqui para a frente

Sobre viagens de negócios, quatro organizações disseram que vão monitorar as emissões de dióxido de carbono no futuro, enquanto 28 esperam implementar uma nova abordagem para viagens sustentáveis após a pandemia.

Como resposta às mudanças climáticas, 20 organizações esperam manter oportunidades de missões internacionais, mas devem avaliar cada ocasião e se tornarão mais seletivas. Contudo, cinco respondentes reportaram redução no total de missões internacionais, enquanto oito disseram que há intenções de buscarem mais talentos locais.

Para quase metade dos respondentes, na nova realidade futura, suas agendas de sustentabilidade afetarão o retorno às viagens de negócios e eles esperam implementar uma nova abordagem para viagens sustentáveis após a pandemia.

*Com informações de Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação

Tags: esg, kpmg

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: