quinta, 30 de junho de 2022
[IPE NECTON - SPACENOW DESKTOP]
O que influencia o dia

Medo de recessão nos EUA, Eletrobras (ELET3), petróleo e mais: as principais notícias de hoje (19)

Fique por dentro dos cinco principais assuntos que movimentarão os mercados em todo o mundo nesta quinta-feira

19 maio 2022 - 08h38Por Investing.com
IPE - NECTON - BILBOARD TOPO 2 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS E DEMAIS]

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo

Investing.com - O medo da recessão deve levar as ações dos EUA a novas perdas no mercado aberto, e os dados econômicos sobre pedidos de auxílio-desemprego, vendas de imóveis existentes e atividade manufatureira podem afetá-los ainda mais.

Os rendimentos dos títulos estão caindo à medida que o medo da recessão supera o medo da inflação, enquanto novos relatórios aumentam a especulação de que o ano terminará com taxas de juros positivas na zona do euro.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

O Sri Lanka se tornou o primeiro devedor soberano a entrar em default em 2022 – e é improvável que seja o último.

E o caminho livre para a privatização da Eletrobras (ELET3)(ELET6).

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 19 de maio.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

1. Caminho livre para a privatização da Eletrobras (SA:ELET3)

O plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou a privatização da Eletrobras nesta quarta-feira, 18, após cinco horas de discussão. Como esperado, apenas o ministro Vital do Rêgo não acompanhou o voto favorável do relator e sugeriu algumas modificações no projeto.

Se o processo for concluído, essa será a primeira privatização do mandato de Jair Bolsonaro. Assim, o governo planeja protocolar já na próxima semana a operação de aumento de capital da Eletrobras na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e na Securities and Exchange Commission (SEC), órgão equivalente à CVM nos Estados Unidos.

Enquanto isso, o BTG Pactual (SA:BPAC11) junto com os outros bancos responsáveis pela operação devem fazer um “road show” para divulgar o processo com investidores nacionais e estrangeiros.

[NECTON IPE -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

O governo também planeja criar uma plataforma na Caixa Econômica Federal para que os trabalhadores invistam uma parte do FGTS na Eletrobras, sendo que a expectativa é que esse fundo chegue a R$ 6 bilhões.

Depois, o processo de privatização da estatal seguirá os passos comuns do mercado, com o bookbuilding, a definição de preços e a oferta das ações. A ideia é que a participação do governo na Eletrobras caia de 72% para 45%.

Às 08h20, o ETF EWZ operava com queda de 2,40%, a US$ 31,37, no pré-mercado americano.

2. Mercado de ações americanas

As ações dos EUA parecem prontas para estender a derrota de quarta-feira na abertura, incapazes de abalar o medo de uma desaceleração e até mesmo uma possível recessão, gerada pelos fracos ganhos desta semana do setor de varejo.

“Nos últimos dois anos, são as margens de lucro que têm sido o principal impulsionador das taxas de inflação dos EUA e, à medida que os mercados consideram o que uma taxa de inflação mais baixa pode significar, isso pode exigir uma reavaliação”, segundo Paul Donovan, da Global Wealth Management do UBS, fala sobre o valuation das ações.

Às 08h10, os futuros da Nasdaq 100 caíam 1,01%, enquanto os da S&P 500 e da Dow Jones recuavam 0,95% e 0,92%, respectivamente.

3. Fed da Filadélfia, pedidos de seguro-desemprego e vendas de casas existentes para testar ainda mais os nervos

O calendário econômico é capaz de enviar novas ondas de choque pelos mercados mais tarde, com pedidos semanais de seguro-desemprego, vendas de casas existentes para abril e a pesquisa mensal de negócios do Federal Reserve da Filadélfia.

O índice de manufatura do Empire State do Fed de NY e uma queda na confiança dos construtores residenciais e no início da habitação em abril no início desta semana ambos são um mau presságio para os números de hoje.

O Fed de Filadélfia e os pedidos de seguro-desemprego serão divulgado às 09h30, enquanto os dados de vendas de casas, às 11h. Dada a relação tradicional entre margens de lucro e demissões, os avisos do setor de varejo podem significar que os pedidos iniciais de seguro-desemprego comecem a subir de sua tendência atual em torno de 200.000 relativamente em breve.

Até lá, muito mais varejistas terão tido a chance de acalmar os nervos dos investidores ou agitá-los novamente. Kohl's , BJ's Wholesale Club e Canada Goose devem se apresentar seus resultados trimestrais antecipadamente.

4. Os rendimentos dos títulos americanos caem à medida que os temores da recessão superam os da inflação

Se você quer uma prova de que os investidores estão subitamente com mais medo do crescimento do que da inflação, então dê uma olhada no mercado de títulos.

Os rendimentos caíram acentuadamente na quarta-feira em uma corrida de compras de refúgio, em um cenário de comentários de funcionários do Federal Reserve dizendo, de várias maneiras, que estão abertos a aumentar as taxas de juros acima da taxa neutra (de certa forma nebulosa) para para baixar a inflação.

Às 08h15, o rendimento da nota do Tesouro de 2 anos sensível à taxa de juros caíam para 2,6198%, enquanto o rendimento de 10 anos estava testando os 2,830%.

Os rendimentos dos títulos de longo prazo da zona do euro também caíram em meio a novos relatórios de que o BCE pode estar disposto a aumentar as taxas de juros três vezes antes do final do ano. O euro manteve-se estável logo acima de US$ 1,05.

De olho no cenário internacional, o Sri Lanka formalmente deu calote em sua dívida externa, cedendo sob uma sucessão de choques externos e má administração econômica que o deixaram com escassez generalizada de alimentos e energia, além de uma inflação desenfreada. A inflação deve atingir um pico em torno de 40%, disse o presidente do banco central, Nandalal Weerasinghe, em um briefing.

A nação insular do sul da Ásia é o primeiro país em dois anos a dar calote formalmente em sua dívida, mas é improvável que seja o último em 2022 a fazê-lo, dado o choque do aumento dos preços globais de alimentos e energia.

5. Petróleo despenca com medo das perspectivas de demanda

Os preços do petróleo bruto recuaram, em meio ao amplo temor sobre o crescimento global. As notícias de que a China está em negociações com a Rússia para comprar petróleo para suas reservas estratégicas também pesaram sobre os preços, na medida em que sugerem que a oferta da Rússia não será totalmente perdida para os mercados mundiais.

A opinião também está se solidificando em torno da ideia de que o pacote de sanções proposto pela UE não significará de forma alguma o fim total das exportações russas para a Europa, deixando os compradores europeus tendo que cobrir um déficit de oferta um pouco menos agudo.

Às 08h19, os futuros de petróleo dos EUA recuavam 1,55%, a US$ 105,38 o barril, enquanto os de Brent caíam 1,08%, a US$ 107,93.

 

 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content