segunda, 08 de agosto de 2022
[E-BOOK - COMO INVESTIR 50K - SPACENOW DESKTOP - 200X74]
Investimentos alternativos

Mais lidas da semana: royalties musicais - investimento gera ganhos através da reprodução de músicas

Modalidade cresceu no Brasil em 2020 em meio à pandemia, com a falta de shows e apresentações dos artistas

13 fevereiro 2022 - 17h00Por Redação SpaceMoney
 - Crédito: Alphacolor/Unsplash

Você já imaginou ganhar dinheiro sempre que alguém der play na música de seu artista predileto? Isso pode até parecer um sonho, mas não é, e passou a ser possível no Brasil a partir do ano passado. Esse modelo de negócio atrai quem está em busca de investimentos alternativos – aqueles que estão foram do radar do mercado financeiro e não são oferecidos por bancos ou corretoras, como Private Equity, Fundos Hedge, Venture Capital, Ativos Reais e Colecionáveis – e, principalmente, para aqueles que buscam diversificar suas aplicações.

Além disso, esse investimento também se tornou uma alternativa para a classe artística garantir sua renda durante a pandemia de COVID-19, uma vez que os shows, gravações e apresentações foram cancelados. Com o surgimento dos serviços de streaming, como Netflix e Spotify, o consumo pela música teve um boom nos últimos anos. Diante disso, os royalties musicais se tornaram uma excelente opção de investimento.

“O investimento em royalties musicais é indicado para todas as pessoas, principalmente para os investidores que desejam ter um portfólio equilibrado. O valor do investimento depende do volume anual dos royalties e da depreciação/valorização encontrada no catálogo.  Se tiver um alto rendimento anual, com músicas que estão valorizando, o investimento é alto.  Se for um catálogo com baixo rendimento, que está em depreciação, o investimento é menor”, afirma João Luccas Caracas, CEO da gestora musical Adaggio, que já investiu R$ 30 milhões na aquisição parcial ou total das obras de 31 artistas.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

Essa modalidade de investimento começou a ganhar espaço no Brasil recentemente, após a criação das primeiras plataformas de crowdfunding e da regulação pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). A primeira empresa a disponibilizar o serviço foi a Hurts Capital – fintech fundada em 2017 por profissionais vindos do mercado financeiro. Desde então, a procura pelos royalties musicais só aumentou.

Até julho deste ano, a Hurts já havia captado cerca de R$ 10 milhões em 28 operações de música envolvendo artistas de diferentes ritmos musicais, como Paulo Ricardo com a música ‘Vida Real’ – clássico do RPM que é o tema de abertura do programa Big Brother Brasil (BBB) desde a primeira edição –, ‘Downtown’ da Anitta, ‘Parado no Bailão’ do MC Gury e MC L da Vinte e até canções interpretadas pela banda Calcinha Preta como ‘Manchete’, ‘Mágica’ e ‘Cobertor’.

O número reforça como as plataformas digitais mudaram a maneira de se fazer dinheiro através da música. Segundo uma previsão da Goldman Sachs – grupo financeiro multinacional –, a receita total de streaming pode chegar a mais de US$ 37 bilhões até 2030, com mais de 1,1 bilhão de usuários.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

Como funciona esse investimento?

Toda empresa que realiza esse tipo de operação possui um catálogo de canções. Ao escolher a música, o investidor paga um valor e em troca o artista cede o direito de receber os royalties toda vez que o som for reproduzido – seja em show, apresentações na TV, no rádio ou em plataformas de streaming. A transação é feita através da venda de Cédulas de Crédito Bancário (CCB) vinculadas aos investimentos alternativos.

“Quem vende são os detentores do direito.  Pode ser o compositor (autoral), o artista (conexo) ou produtor (conexo).  Pode também ser uma editora ou gravadora (direito patrimonial & masters)”, explica Caracas.

Após isso, o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD) repassa o valor para a companhia e aos investidores, que se tornam os verdadeiros proprietários intelectuais das obras durante até três anos (36 meses). Na Hurts, o valor mínimo necessário para começar a investir em royalties musicais é de R$ 10 mil. É cobrado 5% da taxa de originação e outros 2% de taxas legais.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

Caracas afirma que “o principal fator positivo de se investir em royalties musicais é o fato dele ser um investimento totalmente descorrelacionado à bolsa de valores e a taxas, como a Selic, fazendo total sentido dentro de um portfólio diversificado”.

“Na Adaggio, temos estratégias que impulsionam os rendimentos das músicas em todas as fontes de renda. A operação da aquisição é basicamente uma antecipação de recebíveis.  Trazemos uma liquidez imediata para o compositor/artista/produtor, e, após colocar essas músicas na Adaggio, nós trabalhamos o catálogo ativamente através de uma gestão contemporânea”, acrescenta.

Retornos

Nesse tipo de investimento, o retorno ocorre mensalmente e depende exclusivamente do número de reproduções da música durante o tempo em que o investidor detém os royalties. Basicamente, quanto mais for ouvida, maior será o valor. De acordo com a Hurts, a operação tem um retorno esperado de 15% ao ano, podendo ficar em 10,73% ao ano em um cenário pessimista.

No entanto, como todo tipo de investimento, também há riscos. As obras “adquiridas” podem parar de fazer sucesso e, consequentemente, serem menos procuradas e reproduzidas, desvalorizando esses royalties. Fora isso, a pirataria também é um fator que afeta a modalidade, uma vez que pode reduzir as receitas e trazer alterações nas taxas quando os royalties forem distribuídos.

Direitos autorais como investimento

Os direitos autorais passaram a ser alvos de investimentos no mundo musical, em especial no segmento do sertanejo. Sorocaba, da dupla Fernando e Sorocaba, liderou por três anos (2011, 2012 e 2015) a lista de arrecadação de direitos autorais em shows no Brasil, segundo dados do Ecad.

O sertanejo deixou para trás grandes nomes da música, como Roberto Carlos, Dave Grohl, Marcelo Camelo, Erasmo Carlos, Lulu Santos e Caetano Veloso.

Sorocaba compõe desde os 13 anos de idade e tem no currículo mais de 250 músicas. O músico também tem grandes hits na voz de outros artistas, como ‘Meteoro’ e ‘Um beijo’, de Luan Santana; ‘Pisa que Eu Gamo’ e ‘Livros e Barraco’, da dupla Thaeme e Thiago, além de ‘Do Tamanho do Nosso Amor’, de Chitãozinho e Xororó.

O cantor é considerado um dos pioneiros na exploração dos direitos autorais no universo da música brasileira. Segundo ele, é possível viver somente disso. “Tem compositores que vivem bem, só de direitos autorais. Uma música que emplaca, se ele fizer sozinho, é um golaço. Pode render 1 milhão de reais”, disse Sorocaba no programa ‘Conversa com Bial’, da Globo, em 2017.

Buscando rentabilidade na Bolsa de valores? Saiba como aumentar seus retornos com um assessor da Ipê Investimentos via WhatsApp.

 

 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: