terça, 05 de julho de 2022
[OGF - VIP - SPACENOW DESKTOP - TESTE A/B - 22-6-2-22]
Balanço 2T21

Lucro gerencial do Santander (SANB11) atinge maior nível histórico e soma R$ 4,1 bi no 2º tri

O valor demonstra um salto de 95,3% sobre os R$ 2,136 bilhões obtidos no mesmo período de 2020

28 julho 2021 - 09h14Por Redação SpaceMoney
IPE - NECTON - BILBOARD TOPO 2 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS E DEMAIS]

Antes da abertura de mercado nesta quarta-feira, 28 de julho, o Santander Brasil divulgou os números de seu balanço trimestral referentes ao período de abril a junho.

A subsidiária brasileira do banco espanhol apresentou lucro líquido gerencial, que exclui fatores extraordinários, de R$ 4,171 bilhões, no segundo trimestre deste ano - seu maior nível histórico. O valor demonstra um salto de 95,3% sobre os R$ 2,136 bilhões obtidos no mesmo período de 2020.

O Santander Brasil totalizava, ao fim primeiro semestre deste ano, R$ 940,912 bilhões em ativos totais - uma queda de 4,74% se comparado a um ano antes (R$ 987,679 bilhões), quando a crise deflagrada pela pandemia fez com que fosse perdido o patamar do trilhão, alcançado no trimestre imediatamente anterior.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

O patrimônio líquido, por sua vez, avançou 9,07% na comparação com os R$ 72,455 bilhões registrados um ano antes e alcançou R$ 79,024 bilhões, no segundo trimestre deste ano.

A margem financeira bruta totalizou R$ 13,424 bilhões no segundo trimestre deste ano, estável em relação aos três meses imediatamente anteriores. Em um ano, porém, houve retração de 1,5%.

A margem financeira com clientes, que reflete operações do banco que rendem juros, alcançou R$ 11,473 bilhões no segundo trimestre, alta de 1,6% ante o primeiro. Em um ano, cresceu 4,0%. Tal resultado, segundo o banco, foi possível graças a maiores volumes, venda de produtos mais rentáveis e um calendário favorável, com um maior número de dias corridos.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

Já a margem financeira com o mercado, o resultado da tesouraria do banco, foi a R$ 1,951 bilhão de abril a junho deste ano - um recuo de 8,4% no trimestre e de 25,0% em um ano.

Como consequência, o spread do Santander Brasil voltou a encolher no segundo trimestre e retornou ao patamar do terceiro trimestre do ano passado. Ao fim de junho, foi a 10,2% ante 10,6% em março e 10,9% em um ano.

A carteira de crédito ampliada  encerrou o segundo trimestre deste ano em R$ 510,314 bilhões, com avanço de 14,4% sobre o total registrado ao fim de junho do ano passado.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

Segundo o Santander, a carteira de grandes empresas recuou 0,8% em relação ao saldo verificado no fim de março e avançou apenas 4,2% na comparação com junho do ano passado. Em doze meses, os empréstimos concedidos a pessoas físicas cresceram 20,9% e, contra março, 6,4%.

A parcela da carteira voltada a PMEs saltou 29,8% em um ano e, no trimestre, aumentou em 6,5%.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês), ficou em 21,6%, acima dos 20,6% registrados no primeiro trimestre deste ano, e muito próximo à rentabilidade de 21,7% obtida um ano antes, quando excluídos os efeitos das provisões extraordinárias realizadas naquele período.

O Santander Brasil informou ainda, em relatório, que a publicação de suas demonstrações financeiras excluem ganhos da unidade de adquirência de cartões GetNet.

Com informações de Estadão Conteúdo e Reuters.

 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content