quarta, 26 de janeiro de 2022
[Square Banner - Mobile Topo 2] [300x250] [mobile] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
[SpaceNow Desktop] [200x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
[SpaceNow Mobile] [150x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
Indicador Econômico

Ipea revisa projeção para cima e prevê inflação perto de 10% ao fim de 2021

Instituto elevou estimativas em 1,5 p.p., de 8,3% para 9,8%, com aumentos dos preços das commodities, fragilidade fiscal e ambiente de instabilidade política

24 novembro 2021 - 10h46Por Redação SpaceMoney
[Billboard Topo 2] [970x250] [pagina-inicial] - Assessoria Ipê Investimentos 2022

Nesta quarta-feira (24), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) elevou suas projeções para a inflação no Brasil em 2021 e 2022 diante da forte pressão de preços no país e no mundo, com a estimativa para este ano perto de 10%.

A variação esperada do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revista de 8,3% para 9,8%., para 2021, e de 4,1% para 4,9%, em 2022 - fora do centro da meta, de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto.

"O recuo esperado da inflação em 2022 está balizado na estimativa de acomodação dos preços do petróleo, ainda que em patamar elevado, à baixa probabilidade de efeitos climáticos intensos e à projeção de um aumento de 7,8% da safra brasileira, que devem gerar uma pressão menor sobre combustíveis, energia elétrica e alimentos", explicou o instituto.

[04] [Square Detalhe Notícia] [300x250] [geral] Melhores investimentos 2022

O aumento das projeções do IPCA veio de uma revisão mais intensa dos bens livres e dos preços administrados, com previsões que passaram de 7,9% e 12,9% para 10,3% e 15,6%, respectivamente.

A inflação esperada para os alimentos e para os serviços livres também foram revisadas para cima, passando de 8,9% e 5,0% para 9,8% e 5,5%.

O aumento expressivo dos preços das commodities no mercado internacional tem contribuído para a inflação no Brasil e em outras economias no mundo, mas há alguns fatores domésticos que explicam esta aceleração mais forte da inflação no país.

Entre estes, está a estiagem verificada no país este ano, que gerou uma baixa histórica nos níveis dos reservatórios, levando a adoção da bandeira de escassez hídrica e de reajustes da bandeira vermelha para cobrir o custo mais elevado da energia produzida pelas termelétricas.

O texto do Ipea ainda aponta que os riscos inflacionários para o ano que vem seguem associados a novos aumentos dos preços internacionais das commodities e à percepção de alguma fragilidade fiscal, além da instabilidade política, oriunda do processo eleitoral, com efeitos que podem desencadear um novo ciclo de desvalorização cambial no contexto interno.
 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content