Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Taxação

Imposto sobre herança pode gerar R$ 14 bilhões aos cofres públicos, afirma Fenafisco

Esse tipo de medida também foi defendida pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

13 maio 2021 - 13h54Por Redação SpaceMoney

A Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital) disse hoje (13), por meio de nota, que os cofres públicos do Brasil podem arrecadar até R$ 14 bilhões anuais com o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação), um imposto de taxação sobre heranças e propriedade.

Esse tipo de medida também foi defendida pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Na terça-feira (11), a OCDE disse que os governos que buscam por recursos extras para ajudar na saída da crise do coronavírus deveriam revisitar seu imposto sobre herança e propriedade.

Segundo a Fenafisco, o ITCMD é parte do documento “Tributar os Super-ricos para Reconstruir o País”, que traz oito medidas tributárias que oneram apenas 0,3% dos mais ricos do país e com potencial de arrecadação de R$ 292 bilhões por ano. 

“Hoje, a alíquota máxima permitida no Brasil para o imposto sobre heranças é de 8%, distante da média aplicada nos países membros da OCDE, que gira em torno de 35%. Com um aumento da alíquota de 8% para 30%, haveria substancial incremento para os cofres públicos”, disse a federação na nota.

"Vivemos um momento em que os super-ricos precisam dar sua contribuição. O sistema tributário brasileiro sempre foi benéfico com os mais ricos e isso gerou uma disparidade e aumento da desigualdade", afirma Charles Alcantara, presidente da Fenafisco.

O documento "Tributar os Super-ricos para Reconstruir o País" e a "Reforma Tributária Solidária" estão disponíveis para consulta no site da Fenafisco.
 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: