Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Imposto de renda

Receita Federal: entenda como deve ser feita a declaração de imóveis e contas internacionais no IR 

01 março 2021 - 16h13Por Redação SpaceMoney

O preenchimento da declaração de imposto de renda provoca muitas dúvidas entre os contribuintes, principalmente entre aqueles que adquiriram recentemente o primeiro bem imóvel e nunca precisaram se preocupar em incluir esse dado no documento antes.

"Ocorre que a propriedade de bens em valor superior a R$ 300 mil ou a venda de um imóvel com ganho de capital sujeito ao pagamento de IR já tornam o contribuinte obrigado a declarar", informa Mariana Oliveira, diretora executiva da NTW Contabilidade, de Marília (SP). 

Segundo ela, muita gente comete erros ao declarar imóvel financiado no imposto de renda ao incluí-lo na ficha de Dívidas e Ônus Reais.

"Ela é destinada somente para dívidas que não têm o bem financiado como garantia, a chamada alienação fiduciária. É o caso dos empréstimos bancários ou entre as pessoas físicas, por exemplo", explica a especialista, lembrando que financiamentos imobiliários, assim como os de veículos, devem ser informados somente na ficha de Bens e Direitos

Mariana esclarece que o contribuinte deve apenas declarar o valor efetivamente desembolsado ano a ano até a data presente, incluindo juros e outros encargos envolvidos no parcelamento.

"Essa é a orientação da própria Receita Federal e é uma opção vantajosa para o contribuinte, porque o valor do imóvel (seu custo de aquisição) será maior no final do processo, uma vez que inclui não só o preço do bem, como também os custos do financiamento", diz ela. 

Outro ponto importante é que, ao declarar corretamente, quando o imóvel for vendido no futuro, o lucro obtido com a venda será um pouco menor, logo o imposto a ser pago sobre o ganho de capital também. "Ou seja, acertar na forma de declarar a compra do imóvel pode gerar economia na hora da venda", lembra Mariana. 

Leia mais: Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Declaração de contas no exterior 

Mariana informa que as contas no exterior devem ser declaradas na ficha Bens e Direitos - Depósito bancário em conta corrente no exterior. É preciso ainda colocar o país em que se encontra essa conta e a quantia do saldo do dia 31 de dezembro do ano-base da declaração. 

"Note que há um campo aberto para discriminação. Nele, você deve colocar os dados bancários da sua conta internacional: nome do banco, agência, conta e dados bancários complementares. No campo "saldo", você deve colocar o saldo da sua conta em reais. Atenção a esse campo, pois o saldo primeiro deve ser convertido em dólares dos Estados Unidos e só em seguida deve ser convertido para reais. O câmbio do dólar usado deve ser aquele fixado pela PTAX do dia 31 de dezembro do ano do exercício", detalha a executiva. 

Caso tenha havido valorização cambial da moeda estrangeira perante o real, o contribuinte não vai pagar o imposto sobre essa diferença de valor. Porém, o ganho deve ser informado na seção de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis- Outros. 

Se a sua conta no exterior tem um saldo negativo que seja igual ou superior a R$ 5.000, a Receita Federal interpreta isso como um empréstimo. "Sendo assim, essa quantia deve constar na ficha de Dívida e Ônus Reais", diz Mariana. 

Ela alerta ainda que haverá carga tributária em contas remuneradas (Money Market) se ocorrer o resgate de valores para a internalização do capital ou se os juros e rendimentos em aplicações externas (lucros) forem trazidos para o Brasil. "Nesses casos, é aplicada uma alíquota de 15% e o contribuinte recolhe o Imposto de Renda por um DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) gerado no programa de Ganho de Capital em Moeda Estrangeira (GCME)", finaliza a especialista da NTW. 
 

Informações MGA Press

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: