quinta, 23 de maio de 2024
SpaceMercado

Destaques corporativos (22): Americanas (AMER3), CSN (CSNA3), Eletrobras (ELET3) e Petrobras (PETR4)

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada

22 março 2023 - 13h24Por Redação SpaceMoney
Fachada Americanas - Shopping Rio Sul RJ Fachada Americanas - Shopping Rio Sul RJ - Crédito: Gustavo Lacerda

Americanas (AMER3), CSN (CSNA3), Eletrobras (ELET3), Petrobras (PETR4) protagonizam o noticiário corporativo desta quarta-feira (22).

SpaceMercado

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada:

 

Americanas (AMER3) - Desembargadores da 15ª Câmara de Direito Privado anularam, por unanimidade (três votos a zero) os efeitos da medida cautelar que blindava a Americanas (AMER3) contra seis principais credores, os bancos.

O tribunal analisou um agravo de instrumento impetrado em nome do Safra, que possui R$ 100 milhões em recursos da varejista depositados.

Em outra frente, a companhia informou querer extrair informações sigilosas de sua recuperação judicial (RJ) antes de divulgar o documento ao mercado.

A companhia busca se precaver quanto a dados “revestidos de sigilo jurídico, comercial ou profissional”.

“Uma vez depuradas e extraídas as informações sigilosas, será apresentada nos autos também a versão pública do Relatório e dos documentos que o instruem, que serão divulgados pela Companhia tão logo sejam tornados públicos”, comunicou.

Americanas (AMER3) pode ter que pedir novo empréstimo de R$ 500 milhões, diz Pipeline

 

Ânima (ANIM3): Atmos Capital atinge 4,96% de participação acionária

 

Banco do Brasil (BBAS3): diretor de gestão de riscos renuncia ao cargo

BB (BBAS3) inicia renegociação de dívidas, com descontos de até 95%

 

Braskem (BRKM5) - A Braskem (BRKM5) comunicou que o Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) deliberou a exclusão de  uma lista de produtos da Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum do Mercosul (Letec), com a retomada da alíquota do imposto de importação que havia sido reduzida.

São eles: Copolímeros de etileno e alfa-olefina, de densidade inferior a 0,94, Resina PVC-S e Resina PP “copo”.

 

Copel (CPLE6) prevê follow-on da privatização no 2º semestre

 

CSN (CSNA3) - Na terça-feira (21), a agência Reuters noticiou que a CSN (CSNA) estaria interessada na aquisição do segmento de aço da empresa alemã Thyssenkrupp.

Em esclarecimento sobre a informação, a siderúrgica comentou que sempre avalia oportunidades de investimento em linha com sua estratégia de negócio.

Entretanto, “neste momento, não existe fato ou documento vinculante que mereça divulgação ao mercado”. 

 

Eletrobras (ELET3)(ELET6) - A Casa Civil e a Advocacia-Geral da União (AGU) de Lula planejam uma ofensiva jurídica para modificar o estatuto da Eletrobras (ELET3)(ELET6) e garantir mais poder ao governo na companhia, informou a colunista Malu Gaspar em seu blog no jornal O Globo.

De acordo com a apuração, técnicos dos dois ministérios trabalham na elaboração de uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) a ser apresentada para o Supremo Tribunal Federal (STF).

O objetivo da ação seria derrubar o dispositivo que estabelece que qualquer acionista tem no máximo 10% do poder de voto nas assembleias, mesmo que tenha participação maior na empresa.

Isso inclui a União, que tem 42,6% das ações.

As informações são do jornal O Globo.

 

Embraer (EMBR3) - O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM ) absolveu na última terça-feira (21), por quatro votos a um, Paulo Cesar de Souza e Silva, ex-presidente da Embraer (EMBR3), da acusação de insider trading – uso de informação privilegiada, informou o repórter Rafael Rosa para o jornal Valor.

O processo administrativo sancionador havia sido instaurado pela Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários (SMI).

A autarquia apurava eventual responsabilidade de Souza e Silva, que comandava a empresa na época dos fatos, por claro uso de informação relevante ainda não divulgada ao mercado, na alienação de ações ordinárias (EMBR3) de emissão da companhia, o que configuraria infração, conforme a Instrução CVM 358.

As informações são de Valor.

 

Enjoei (ENJU3): Oceana Investimentos atinge 5,65% de participação na empresa

 

Gol (GOLL4): Fitch Ratings rebaixa IDRs da companhia aérea

 

Hapvida (HAPV3) passa a figurar como emissora de debêntures da BCBF, controladora da NotreDame

 

Kora Saúde (KRSA3) diz que continua negociação de venda de imóveis

 

Modal (MODL3): Vinland Capital atinge participação acionária de 15,55%

 

Movida (MOVI3) - O conselho de administração da Movida (MOVI3) aprovou um programa de recompra de até 19.967.633 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, de sua própria emissão, representativas de, aproximadamente, 15% do total de ações da companhia em circulação no mercado.

O programa vai ter prazo de duração de dezoito meses, com início em 21 de março de 2023 e término em 21 de setembro de 2024.

 

Petrobras (PETR3)(PETR4) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) quer que o CEO da Petrobras (PETR4), Jean-Paul Prates, suspenda a venda de ativos da petroleira, informou o mandatário em entrevista ao Brasil 247 na última terça-feira (21).

Na última semana, o conselho de administração (CA) da estatal, de composição anterior à posse do petista, informou que manteria todas as vendas cujos acordos estavam previamente assinados ou adiantados.

Petrobras (PETR3)(PETR4): ações caem, com redução do preço do diesel para distribuidoras    

Petrobras (PETR4)(PETR3) deve aprovar renovação da diretoria hoje

 

Petz (PETZ3) aprova contratação de empréstimo externo de R$ 200 milhões com Santander (SANB11)

 

Santander (SANB11) passa a integrar quadro societário da Biomas; Itaú (ITUB4) também

 

Sequoia (SEQL3): Morgan Stanley e Indie Capital reduzem participação acionária

 

Simpar (SIMH3) anuncia programa de recompra de até 35,8 milhões de ações ordinárias

 

Suzano (SUZB3): ministro do Desenvolvimento Agrário pretende resolver situação com MST em abril

 

Tupy (TUPY3) - A Tupy (TUPY3) informou novas parcerias com fabricantes de caminhões pesados , de classe 8, no mercado norte-americano e de picapes na América Latina, destacou a repórter Ana Beatriz Bartolo para o jornal Valor.

Novos contratos são estimados para gerar uma receita adicional de R$ 650 milhões por ano, disse o veículo.

Os contratos possuem uma duração inicial de oito anos e a produção deve começar gradualmente a partir de 2024.

De acordo com a matéria, os novos acordos tratam sobre o fornecimento de novas gerações de blocos e cabeçotes de motor, e contemplam, além da fundição, usinagem e pré-montagem.

Os produtos serão produzidos nas instalações da Tupy no México e no Brasil. Para isso, nos próximos três anos serão investidos cerca de R$ 340 milhões a fim de preparar e expandir as operações da empresa.

As informações são de Valor.

 

Vibra (VBBR3) desaba 8%, com troca em diretorias e queda de 45% no lucro líquido em um ano

 

Vivara (VIVA3) - Um dos acionistas controladores da Vivara (VIVA3) vendeu, na terça-feira (21), 3,0% da empresa numa operação de block trade que movimentou R$ 150 milhões – o equivalente a seis dias de negociação do papel, de acordo com informações do site Brazil Journal.

O montante corresponde a R$ 21,66 por ação.

O veículo informou que a aquisição do ativo se deu de forma pulverizada, entre oito e dez investidores, e foi o Itaú BBA quem deu garantia firme e executou a transação.

O site especula que o vendedor tenha sido muito provavelmente Marcio Kaufman – filho do fundador Nelson Kaufman e ex-CEO da companhia.

Com as mudanças realizadas pela companhia em outubro, o executivo passou a ter 12,25% do capital da companhia livres para a venda, e continuou com outros 2% vinculados ao acordo de acionistas.

Sua irmã, Marina Kaufman, teve 0,75% do capital desvinculado do acordo, e o CEO Paulo Kruglensky, 0,2%.

As informações são de Brazil Journal.

 

Balanços

Allied (ALLD3) - A Allied (ALLD3) registrou um lucro líquido contábil de R$ 23,4 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 11,0% na base de comparação anual. 

As receitas totais da companhia somaram R$ 1,36 bilhão entre outubro e dezembro, retração de 21,7% em doze meses. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 71,7 milhões no período, queda de 44,5% na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior.

 

Copasa (CSMG3) - A Copasa (CSMG3) registrou um lucro líquido de R$ 268,3 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 317,2% na base de comparação anual. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 529,9 milhões, expansão de 16,2% em relação ao intervalo entre outubro e dezembro retrasados.

A receita líquida da companhia somou R$ 1,39 bilhão, avanço de 7,7% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

 

Copel (CPLE6) - A Copel (CPLE6) registrou um lucro líquido de R$ 623,5 milhões no quarto trimestre de 2022. O valor corresponde à alta de 57,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Já o lucro líquido ajustado atingiu R$ 1,0314 bilhão, crescimento de 124,2% em doze meses.

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em critério ajustado (excluídos os itens não recorrentes), somou R$ 1,42 bilhão no período, alta de 37,3% em um ano.

 

CSU Digital (CSUD3) apresenta crescimento de 31,5% no lucro líquido do 4º trimestre de 2022

 

Hidrovias do Brasil (HBSA3) - A Hidrovias do Brasil (HBSA3) registrou um EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 110,7 milhões no quarto trimestre de 2022. O resultado foi 26,3% maior que o apurado no mesmo período de 2021. 

A receita líquida operacional totalizou R$ 435,8 milhões de outubro a dezembro de 2022, uma alta de 94,4% na base de comparação anual. 

No comunicado, a Hidrovias do Brasil destacou que este trimestre foi responsável pelo maior volume já movimentado pela companhia neste período contábil. 

 

JBS (JBSS3) - O lucro líquido da JBS (JBSS3) entre outubro e dezembro do ano passado foi de R$ 2,35 bilhões, enquanto o mercado esperava R$ 1,9 bilhão no montante total.

Em relação ao mesmo período de 2021, o resultado foi 63,7% inferior. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 4,57 bilhões no quarto trimestre de 2022, cifra 65,2% abaixo do quarto trimestre do ano anterior. 

A receita líquida da empresa ficou em R$ 92,87 bilhões no período. 

 

Positivo (POSI3) - A Positivo (POSI3) registrou lucro líquido ajustado de R$ 136,9 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 227,1% em relação ao registrado um ano antes. 

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 241,5 milhões, uma expansão de 161,8% na base de comparação anual.

 

Santos Brasil (STBP3) - A Santos Brasil (STBP3) registrou um lucro líquido de R$ 135,5 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 23,2% na base de comparação anual.

A receita líquida, entre outubro e dezembro, avançou 5,7% em doze meses e somou R$ 468,8 milhões.

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 198,3 milhões, uma expansão de 24,2% na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior.

 

Taurus (TASA4) - A Taurus (TASA4) registrou um lucro líquido de R$ 121 milhões no quarto trimestre de 2022, uma queda de 41,5% na base de comparação anual.

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 166 milhões no período, retração de 46,1% em relação ao apurado doze meses antes.

 

Vibra (VBBR3) - A Vibra (VBBR3) registrou lucro líquido de R$ 566 milhões no quarto trimestre de 2022, queda de 44,8% em relação ao registrado doze meses antes.

O EBITDA (sigla em inglês para lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,581 bilhão no período, 1,1% menor que o reportado no mesmo intervalo do ano anterior.

 

Estão previstos para esta quarta-feira (22):

Empresa Código Data Horário
Afya  AFYA 22 de março Depois do fechamento
Braskem BRKM5 22 de março Depois do fechamento
Estapar ALPK3 22 de março Depois do fechamento
LPS  LPSB3 22 de março Depois do fechamento
PetroRecôncavo RECV3 22 de março Depois do fechamento
Sequoia  SEQL3 22 de março Depois do fechamento
Unifique FIQE3 22 de março Depois do fechamento

 

SpaceProventos

Dividendos e JCP: Blau (BLAU3) vai pagar R$ 32,5 milhões    

Dividendos e JCP: Comgás (CGAS3)(CGAS5) vai pagar R$ 417,2 milhões    

Dividendos e JCP: Copasa (CSMG3) vai pagar R$ 376 milhões a quem mantiver ações até hoje (22)

Dividendos e JCP: Irani (RANI3) paga R$ 21,1 milhões hoje (22)

Dividendos e JCP: Kepler Weber (KEPL3) vai pagar R$ 77 milhões no dia 5 de abril

Dividendos e JCP: Mitre (MTRE3) vai pagar R$ 9,1 milhões    

Dividendos e JCP: Monteiro Aranha (MOAR3) vai pagar R$ 15 milhões

Dividendos e JCP: Unifique (FIQE3) paga R$ 29,6 milhões hoje (22)    

Dividendos e JCP: Vale (VALE3) paga R$ 9,44 bilhões hoje (22)