domingo, 14 de agosto de 2022
[E-BOOK - COMO INVESTIR 50K - SPACENOW DESKTOP - 200X74]
O que influencia o dia

China, ações dos EUA, inflação no Brasil e na Europa e petróleo: as principais notícias de hoje (20)

Fique por dentro dos cinco principais assuntos que movimentarão os mercados em todo o mundo nesta sexta-feira

20 maio 2022 - 08h32Por Investing.com
[HURST - MODELO 3 - BILBOARD TOPO 2 -970 X 250 CANAIS]
Bandeira da ChinaBandeira da China - Crédito: Reuters

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - Uma modesta flexibilização monetária na China desencadeia uma recuperação de curto prazo nos EUA, mas as ações americanas ainda estão a caminho do menor fechamento semanal desde março de 2021.

Os dados econômicos da Europa continuam a piorar, com a inflação de preços ao produtor alemão em 33%.

A expectativa para a inflação brasileira também deixa a desejar.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

E o petróleo flutua à medida que os mercados permanecem presos entre o medo da oferta apertada e o medo do enfraquecimento da demanda.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 20 de maio:

1. Corte na taxa chinesa

O banco central chinês manteve sua taxa de empréstimo principal de um ano inalterada, mas sua taxa de referência de hipoteca de cinco anos, extraída de um painel de credores contribuintes, foi reduzida em 0,15%.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

A notícia foi tomada como um sinal de flexibilização da política monetária por mercados ansiosos por boas notícias após uma semana dominada por crescentes temores de uma recessão nos EUA. Os índices de ações chineses subiram até 2,5% e o yuan offshore se fortaleceu 0,8%.

No entanto, a taxa básica de juros de um ano é a mais importante, tendo um impacto mais direto em uma gama mais ampla de crédito em toda a economia chinesa, e um corte na taxa de hipoteca de cinco anos fará pouco para acabar com uma crise imobiliária em que os índices de acessibilidade ainda estão fora de escala.

A relativa inação do PBoC é notável diante do que parece estar aumentando a pressão de outras partes do governo sobre ele para apoiar a economia.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

O chefe de seu departamento de política monetária foi removido de seu cargo no início desta semana, sob investigação por ""suspeita de violação grave de leis e disciplina".

No nível corporativo, as ações de luxo na Europa tiveram desempenho inferior depois que o presidente da Richemont, Johann Rupert, alertou que os problemas econômicos da China durarão "mais do que as pessoas pensam". Cerca de 40% das boutiques da Richemont no país estão atualmente fechadas.

2. Inflação no Brasil

O Ministério da Economia calcula que a inflação deve ficar acima da meta neste ano e no próximo. Segundo o Boletim Macrofiscal, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2022 deve ficar em 7,9% e em 2022, em 3,6%. As metas para a inflação nesses respectivos anos são 3,5% e 3,25%.

As projeções do Ministério superam as do Banco Central, que estima um IPCA de 7,3% para 2022 e 3,4% para 2023. Já segundo o último Boletim Focus, divulgado no final de abril, o mercado espera pela inflação em 7,89% e 4,1%.

Os valores acima da meta da inflação seriam resultado dos preços praticados, dos alimentos, serviços e do combustível, segundo o Boletim Macrofiscal.

Falando sobre o Produto Interno Bruto do país, a expectativa do Ministério da Economia é que o indicador fique em 1,5% em 2022 e em 2,5% em 2023.

Às 08h20, o ETF EWZ caía 0,73%, a US$ 32,58, no pré-mercado americano.

3. Mercado de ações americanas

As ações dos EUA devem abrir em alta na sexta-feira, aproveitando um impulso das notícias chinesas, mas o movimento parece novamente um salto de curto prazo, dada a falta de qualquer mudança importante nos fundamentos subjacentes.

Às 08h13, os futuros da Dow Jones subiam 0,91%, enquanto os da Nasdaq 100 e da S&P 500 ganhavam 1,45% e 1,08%, respectivamente.

O S&P ainda está a caminho, no entanto, para terminar uma semana abaixo de 4.000 pontos pela primeira vez desde março de 2021, depois que dois funcionários do Federal Reserve de extremidades opostas do espectro de políticas – Esther George e Neel Kashkari – minimizaram a influência do mercado acionários na formulação dopensamento do Fed.

As ações em foco provavelmente incluirão a Palo Alto Networks, depois que os resultados da segurança cibernética forneceram um alívio muito necessário aos relatórios de desgraça e tristeza do setor de varejo após o sino na quinta-feira.

A Foot Locker e a consultora Booz Allen Hamilton lideram uma pequena lista de ganhos antes da abertura.

4. Choques de dados europeus

Os dados econômicos da Europa continuam a parecer cada vez mais alarmantes a cada dia.

A confiança do consumidor do Reino Unido atingiu o nível mais baixo de todos os tempos, de acordo com o índice GfK divulgado anteriormente, superando os níveis vistos nas profundezas da crise financeira e da recessão de 2008/9 e no início da pandemia em 2020.

Se esse realmente pode ser o caso , com o desemprego no nível mais baixo em 50 anos, deve permanecer sujeito a algumas dúvidas.

As vendas no varejo do Reino Unido, por sua vez, saltaram surpreendentemente em abril, mas não contrariaram sua tendência de queda de longo prazo.

O que é menos questionável é que as pressões inflacionárias na maior economia da zona do euro não mostram sinais de afrouxamento.

A inflação dos preços ao produtor na Alemanha acelerou para outra alta histórica de 33,5% em abril, o aumento mensal desacelerando apenas para 2,8% - o dobro do esperado.

O economista-chefe do Banco Central Europeu (geralmente dovish), Philip Lane, pode comentar sobre esses desenvolvimentos quando falar às 9h.

5. Derivações de óleo

Os preços do petróleo estão a caminho de terminar a semana estáveis, com as esperanças provisórias do fim do bloqueio do Covid-19 em Xangai e a consciência de que os estoques de gasolina dos EUA estão no menor nível para maio em 14 anos.

Também há temores para as perspectivas de demanda, com os preços da gasolina presos em recordes e sinais de fadiga do consumidor visíveis em quase todos os relatórios do varejista esta semana.

Às 08h19, os futuros do petróleo nos EUA subia 0,16%, a US$ 110,07, enquanto os de Brent ganhavam 0,66%, a US$ 112,78.

A contagem de sondas da Baker Hughes e os dados de posicionamento líquido da CFTC terminam na semana seguinte.

 

 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: