Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Avaliações

BTG Pactual piora estimativas para dólar e cita agenda política doméstica, EUA e China

Os números dos cenários básico e otimista embutem apreciação da taxa cambial, já que o dólar era cotado nesta segunda-feira em torno de 5,51 reais no mercado à vista

11 outubro 2021 - 14h08Por Reuters

Por José de Castro, da Reuters - A equipe de pesquisa macro do BTG Pactual Digital (BPAC11)elevou as projeções para a taxa de câmbio nos três cenários que considera, com a agenda política como principal ponto de atenção nos próximos meses no campo doméstico, enquanto no exterior as sinalizações do banco central dos EUA, indicadores da China e o imbróglio em torno da dívida norte-americana são os focos de preocupação.

No cenário básico, o dólar agora deve terminar o ano em 5,30 reais, ante taxa de 5,00 reais prevista anteriormente. No cenário otimista, a moeda fica em 5,10 reais, contra 4,80 reais estimados antes. Nos cálculos mais pessimistas, o dólar fecha 2021 em 5,60 reais, de 5,40 reais do prognóstico anterior.

Os números dos cenários básico e otimista embutem apreciação da taxa cambial, já que o dólar era cotado nesta segunda-feira em torno de 5,51 reais no mercado à vista.

O cenário-base inclui redução de estímulos nos EUA em dezembro com sinalização de alta de juros para o quarto trimestre de 2022, além de resolução no Brasil para o aumento dos precatórios sem "jabutis" (matérias estranhas ao tema central da Proposta de Emenda à Constituição), entre outras ponderações.

No cenário otimista, a indicação pelo Federal Reserve (BC dos EUA) de alta de juros fica só para 2023, com a mesma solução citada acima para os precatórios. No quadro mais negativo, o encerramento desse imbróglio no Brasil se dá à base dos "jabutis", elevando o risco fiscal, enquanto nos EUA o Fed aponta acréscimo de juros já para o terceiro trimestre de 2022.

No documento, os analistas do BTG Pactual digital admitiram terem sido surpreendidos em setembro pelos riscos vindos do mercado asiático, sobretudo da China, enquanto nos EUA a mudança de orientação pelo banco central foi mais "hawkish" (inclinada a menos estímulos monetários) do que o esperado.

Aqui, os profissionais consideram que, como os últimos movimentos do Banco Central sinalizaram que os juros serão elevados de forma suficiente para ancorar as expectativas de inflação, os holofotes se voltam então para a agenda política.

"A Reforma do Imposto de Renda e os gastos com precatórios, que estão ligados diretamente à discussão de reformulação do Bolsa Família, podem mudar a percepção do mercado em relação às contas públicas, considerando que a paralisação no Congresso dos temas que citamos pode resultar em novos benefícios sociais capitalizados através de crédito extraordinário", disseram os profissionais do BTG digital.

Para eles, isso significa maior pressão fiscal e, por consequência, alta no prêmio de risco da economia brasileira.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: