Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Valor de mercado

ARTIGO - Inclua os riscos de ESG no checklist de IPO: sua avaliação pode depender disso

09 março 2021 - 12h28Por Redação SpaceMoney

Por Heloisa Macari*

A lista de verificação de prontidão de empresas que estejam trabalhando para uma oferta pública inicial (IPO) é longa e complexa. E, agora, há sinais no mercado de que, para muitas empresas que desejam fazer um IPO, essa lista de verificação poderá exigir uma análise de desempenho e relatórios ambientais, sociais e de governança (ESG). A demonstração de esforço e progresso significativos com questões ESG pode potencialmente impactar a avaliação do IPO e, consequentemente, o valor de mercado de longo prazo

Há três dinâmicas, listadas a seguir, que sugerem que os relatórios ESG, juntamente com o progresso mensurável em direção às suas metas, podem passar do tempo de serem um diferencial competitivo para se tornarem um item obrigatório no atendimento às expectativas de futuros acionistas, além dos atuais. 

1. Foco intensificado dos fundos de pensão no desempenho ESG - Os fundos de pensão não são os únicos investidores no mercado, mas certamente são grandes jogadores que o pré-IPO e as empresas não querem descartar. Esses fundos, ao redor do mundo, têm liderado o caminho em investimentos ESG com um número crescente de gestores de ativos pesando fortemente os critérios ESG em suas análises de triagem e tomada de decisão. 

Nos Estados Unidos, por exemplo, o Sistema de Aposentadoria dos Funcionários Públicos da Califórnia (CalPERS) monitora de perto como as empresas em seu portfólio estão tratando de questões como a diversidade do conselho corporativo e as mudanças climáticas. O New York State Common Retirement Fund, que é o terceiro maior fundo de pensão público dos EUA, acaba de contratar seu primeiro diretor de investimentos sustentáveis. 

O desejo de satisfazer os acionistas que se preocupam com o investimento socialmente responsável é, obviamente, um dos principais impulsionadores do crescente interesse dos fundos de pensão no desempenho ESG das empresas. Mas, também, há uma visão geral - e crescente - na comunidade de investidores em geral de que as empresas sérias sobre as questões ESG estão melhor posicionadas para lidar com os riscos relacionados que podem afetar sua capacidade de operar, atrair e reter talentos em demanda, assim como manter uma boa reputação, evitar passivos legais e muito mais. Como resultado, essas empresas têm mais probabilidade de gerar retornos atraentes a longo prazo do que as empresas indiferentes a questões ESG ou que não tenham divulgações convincentes sobre como estão lidando com essas questões. 

2. Pressões regulatórias e da indústria, um novo propósito - As empresas do setor de tecnologia estão entre as muitas organizações que agora reconhecem a necessidade de tornar o desempenho ESG uma prioridade mais relevante e contínua. O escrutínio do governo americano está apenas se intensificando para essas empresas em torno de questões como privacidade e diversidade. 

No que diz respeito à privacidade de dados, existem regulamentos rigorosos e que se multiplicam rapidamente, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) na União Europeia, o Ato de Privacidade do Consumidor da Califórnia (CCPA) e a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) no Brasil. E, quanto à diversidade - uma questão com a qual muitas empresas de tecnologia lutam há muito tempo, vemos a Califórnia liderando a tarefa de impor a diversidade de gênero nas salas de reuniões. O estado aprovou recentemente uma lei que exige que as empresas de capital aberto no estado tenham pelo menos uma mulher em seus conselhos de administração corporativos. 

A maior parte do índice S&P 500 (86%) e das empresas listadas na B3 (68%) já publica relatórios de sustentabilidade e responsabilidade corporativa. Então, chegará um momento em que não oferecer tal transparência deixará a comunidade de investidores se perguntando por quê. Além disso, lembre-se de que o objetivo da própria corporação está mudando, com vistas a entregar valor não apenas aos acionistas, mas a todos os respectivos stakeholders, como colaboradores, clientes, fornecedores e sociedade no seu entorno. Os relatórios ESG desempenham um papel importante nas empresas que divulgam como estão entregando esse valor, embora a qualidade e a consistência de tais relatórios precisem melhorar. Portanto, há muitas oportunidades para os participantes tardios do jogo de relatórios ESG deixarem sua marca. 

3. Necessidade de uma estrutura padrão para medir o sucesso ESG - Embora não haja nenhuma evidência clara - ainda - de que o desempenho ESG pode afetar significativamente a avaliação de mercado de uma empresa, é difícil ver como isso não se tornará um fator, dadas as tendências atuais. O ESG provavelmente será um tópico importante para muitos CEOs e CFOs abordarem com os investidores em roadshows de IPO este ano. Na verdade, CEOs de empresas já abertas foram expostas à intenção da maior empresa de gestão de ativos no mundo, a BlackRock, no ano passado, de se opor à votação em conselhos de empresas investidas até ver relatórios ESG de qualidade. Para muitas empresas pré-IPO, o ESG será um elemento importante dos esforços projetados para gerar interesse na emissão de ações da empresa. 

Dado os três aspectos citados, um grande ponto de interrogação sobre o quanto o desempenho ESG afetará a avaliação de uma empresa é a medição. No momento, não existe uma abordagem padrão para avaliar o desempenho ESG das empresas. Quando surgir uma estrutura unificada para tornar o padrão aceito, o público investidor considerará o desempenho ESG com muito mais ênfase em sua tomada de decisão. Enquanto isso, os padrões do Sustainability Accounting Standards Board (SASB) podem ser úteis para ajudar muitas empresas a serem mais transparentes sobre as práticas de negócios que impactam o meio ambiente e a sociedade. Na verdade, a carta da BlackRock aos CEOs recomendou o uso de padrões SASB em relatórios sobre considerações ESG materiais. 

Embora a vantagem do pioneiro nesta área ainda esteja para ser vista, já há indicações de que um esforço conjunto para priorizar ESG pode beneficiar o negócio de muitas maneiras, mesmo antes do IPO - e muito mais. Nenhum investidor razoável espera perfeição quando se trata de desempenho ESG, especialmente para uma empresa de rápido crescimento nos estágios iniciais de seu ciclo de vida, como empresas techs e startups. No entanto, é difícil dizer que os investidores ansiosos por fazer um investimento inteligente não verão com bons olhos os esforços de uma empresa para fazer a coisa certa, mesmo que a motivação inicial seja principalmente financeira. 

*Heloisa Macari é diretora executiva na ICTS Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, ESG, auditoria interna, investigação e proteção e privacidade de dados. 

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: