quinta, 23 de maio de 2024
SpaceMercado

Magalu (MGLU3) e Via (VIIA3) caem fortemente, enquanto Minerva (BEEF3) e BB Seg (BBSE3) disparam 4%

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada

23 março 2023 - 11h16Por Lucas de Andrade

Às 10:57 desta quinta-feira (23), o Ibovespa subia 0,28%, aos 100.503 pontos. Minerva (BEEF3)(+4,07%), BB Seguridade (BBSE3)(+3,64%) e Cemig (CMIG4)(+2,87%) lideravam as altas do índice.

Magazine Luiza (MGLU3)(-8,91%), Via (VIIA3)(-6,03%) e Locaweb (LWSA3)(-4,52%) destacavam-se negativamente na ponta oposta.

 

SpaceMercado

Veja aqui as principais notícias das grandes empresas brasileiras, entre avisos aos acionistas, comunicados ao mercado, fatos relevantes e mais informações da imprensa especializada:

 

Americanas (AMER3): prazo para pagamento de fornecedores cai de 124 para 10 dias

De acordo com um relatório entregue à Justiça na segunda-feira (20) pelos administradores da Americanas (AMER3), o prazo de pagamento da varejista a fornecedores - que era de 124 dias em janeiro - foi de 10 dias em fevereiro, revelou a reportagem de Rodrigo Carro para o jornal Valor.

As informações são do jornal Valor.

 

Carrefour (CRFB3) quer propor a extensão do mandato de Alexandre Bompard à frente da companhia

O Carrefour (CRFB3) vai propor a extensão do mandato de Alexandre Bompard como presidente do conselho de administração e diretor-presidente da companhia a 2026, informou o jornal Valor.
 

 

C&A (CEAB3): Fitch afirma rating AA-(bra), com perspectiva negativa

A agência de classificação de risco Fitch afirmou o rating nacional de longo prazo ‘AA-(bra)’ da C&A Modas (CEAB3), com a manutenção da perspectiva negativa.

A avaliação reflete os desafios da varejista para fortalecer o seu fluxo de caixa operacional e reduzir sua alavancagem financeira para patamares condizentes com o rating atual, apesar dos avanços observados no ano passado.

De acordo com a agência, a empresa deve continuar a enfrentar “um ambiente de negócios desfavorável para o varejo discricionário e um cenário de maior consumo de recursos com os juros da dívida e com o capital de giro para financiar o agressivo crescimento da carteira de crédito”. 

Já o rating reflete o destacado posicionamento na competitiva indústria de moda no Brasil, sua razoável escala, atuação nacional e a marca consolidada.

 

Copasa (CSMG3): BlackRock atinge participação de 5,8%

BlackRock adquiriu ações ordinárias emitidas pela Copasa (CSMG3). A gestora comunicou que suas participações, de forma agregada, passaram, na última sexta-feira (17), a ser de 22.198.613 ações ordinárias.

Os papéis são representativos de aproximadamente 5,837% do total de ações ordinárias de emissão própria e abrangem ainda 7.264.721 instrumentos financeiros derivativos referenciados em ações ordinárias com liquidação financeira, que, por sua vez, correspondem a cerca de 1,910% do total de ações ordinárias.

 

Copel (CPLE6) pretende investir R$ 2,2 bilhões neste ano, diz CEO

A Copel (CPLE6) pretende investir R$ 2,2 bilhões neste ano, informou Daniel Slaviero, CEO da companhia, Daniel Slaviero, em teleconferência.

Do montante, R$ 1,9 bilhão seria destinado à concessionária de distribuição do grupo, Copel D, enquanto outros R$ 275 milhões estão previstos para os ativos de geração.

De acordo com o executivo, os investimentos deverão ser focados no crescimento da base de remuneração regulatória da distribuidora e em medidas que objetivem ganho de eficiência.

 

Eternit (ETER3): ex-CEOs do BB (BBAS3) e da Track e Field (TFCO4) compõem conselho de administração

Após as renúncias de Marcelo Gasparino da Silva e Arlindo Porto Neto aos assentos no conselho de administração da Eternit (ETER3), foram aprovados em assembleia-geral extraordinária (AGE) as indicações de Fausto de Andrade Ribeiro e Richard Doern para as funções até então exercidos pelos executivos no colegiado.

Fausto de Andrade vai presidir o CA.

Andrade possui trinta e cinco anos de experiência no mercado financeiro, construiu a sua jornada profissional com passagens pelo Banco da Patagônia na Argentina e pelo Banco do Brasil (BBAS3), onde exerceu o cargo de CEO de 2021 até janeiro de 2023. 

Doern atuou como presidente do conselho de administração das empresas Track & Field (TFCO4), Grupo Rascal e Hospitais Leforte. 

 

Localiza (RENT3): Fitch atribui rating à proposta de 12ª emissão de debêntures de subsidiária

Na quarta-feira (22), a agência de classificação Fitch atribuiu o rating nacional de longo prazo ‘AAA(bra)’ à proposta de 12ª emissão de debêntures da Localiza Fleet S.A., subsidiária de Localiza (RENT3), no montante de R$ 1,5 bilhão, com vencimento final em 2025.

Os títulos serão da espécie quirografária, com garantia fidejussória adicional da controladora integral da emissora. Os recursos serão utilizados para recompor o caixa da companhia.

A agência classifica a subsidiária com rating nacional de longo pazo ‘AAA(bra)’, o mesmo da Localiza, que também foi classificada com os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de longo prazo em moedas local ‘BB+’ e estrangeira ‘BB’.

A perspectiva de todos os ratings corporativos foi estável.

O rating da Localiza Fleet foi igualado ao da Localiza, em razão dos fortes incentivos legais, operacionais e estratégicos que a companhia tem para prestar-lhe suporte, se necessário.

As classificações refletem a liderança do grupo no setor brasileiro de locação de veículos e frotas, sua grande escala e um desempenho operacional resiliente ao longo dos ciclos econômicos.

A análise incorpora, ainda, a manutenção de moderada alavancagem financeira consolidada, apesar da expectativa de fluxo de caixa livre (FCF) negativo, devido às perspectivas de crescimento e renovação da frota.

O grupo possui comprovado acesso a financiamento e forte liquidez. O Teto-país do Brasil, ‘BB’, limita o IDR em moeda estrangeira da Localiza, pontuou a agência.

 

Magazine Luiza (MGLU3) e Itaú BBA são alvo de nova ofensiva de fundadores da Kabum

Os irmãos Ramos, fundadores da Kabum, informaram à Justiça que a demissão de doze executivos de sua empresa, adquirida pela varejista Magazine Luiza (MGLU3) com assessoria financeira do Itaú BBA, assim como o afastamento de si próprios, foi uma retaliação.

Empresários alegam que a causa da saída de ambos foi o ajuizamento de uma ação contra a instituição financeira, informaram as repórteres Fernanda Guimarães e Adriana Mattos para o jornal Valor.

As informações são do jornal Valor.

 

Metalúrgica Gerdau (GOAU4): BlackRock diminui participação na companhia

A BlackRock, uma das maiores gestoras do mundo, diminuiu sua participação na Metalúrgica Gerdau (GOAU4). 

No último dia 17 de março, a posição nos papéis da companhia passou a ser de aproximadamente 4,957% do total de ações preferenciais, ou 33.150.973 papéis.  

Além de 164.427 instrumentos financeiros derivativos referenciados em ações preferenciais com liquidação financeira, cerca de 0,024% do total de ações preferenciais emitidas pela Metalúrgica Gerdau.

 

Minerva (BEEF3) e JBS (JBSS3) sobem, com retomada de importações de carne bovina pela China

 

Natura (NTCO3) deve receber propostas firmes por Aesop nos próximos dias, diz jornal

A Natura (NTCO3) deve começar a receber no fim da próxima semana propostas firmes para a Aesop, apuraram as repórteres Mônica Scaramuzzo e Fernanda Guimarães para o jornal Valor .

De acordo com o veículo, houve um interessado por uma fatia minoritária, controle do negócio e por 100% da marca, afirmaram fontes a par do assunto.

Acionistas da marca de luxo não descartam abrir mão do controle ou até mesmo vender integralmente o negócio.

A marca atraiu grupos como LVMH, L'Oréal e Shiseido, além de fundos de investimento, revelou a reportagem.

 

Neoenergia (NEOE3): CEO descarta aquisição de antiga Coelce, subsidiária cearense da Enel

O presidente da Neoenergia (NEOE3), Eduardo Capelastegui, descartou a possibilidade de compra da distribuidora Enel Ceará (antiga Coelce), já que o crescimento orgânico tem suprido as necessidades da empresa neste setor.

"Eu não preciso comprar a Coelce [Enel Ceará] para crescer porque tenho um crescimento orgânico enorme nas minhas áreas de concessão, além de outros segmentos", disse o executivo, durante o lançamento do Complexo Renovável Neoenergia, na cidade de Luzia, na última quarta-feira (22) no sertão da Paraíba.

As informações são do jornal Valor.

 

Petrobras (PETR3)(PETR4): CEO indica Sérgio Bacci, do Sinaval, para presidir Transpetro

O CEO da Petrobras (PETR3)(PETR4), Jean-Paul Prates, escolheu Sérgio Bacci, do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), para comandar a Transpetro, braço de logística e transporte de combustíveis.

O executivo foi indicado para suceder Luiz Eduardo Valente, que ocupa o cargo desde setembro de 2021.

Bacci foi secretário de fomento da Indústria Naval do Ministério dos Transportes, responsável pela gestão do Fundo de Marinha Mercante (FMM), no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

 

Petrobras (PETR3)(PETR4): conselho de administração prorroga mandato de CEO e elege nova diretoria

Na última quarta-feira (22), o conselho de administração da Petrobras (PETR3)(PETR4) prorrogou o mandato de Jean Paul Prates como CEO da estatal por mais dois anos e elegeu a nova diretoria executiva da empresa, com prazo de gestão estendido a 13 de abril de 2025.

Compõem a cúpula:

  • - Sérgio Caetano Leite para o cargo de Diretor Executivo Financeiro e de Relacionamento com Investidores;
  • - Joelson Falcão Mendes para o cargo de Diretor Executivo de Exploração e Produção;
  • - Carlos José do Nascimento Travassos para o cargo de Diretor Executivo de Desenvolvimento da Produção;
  • - Cláudio Romeo Schlosser para o cargo de Diretor Executivo de Comercialização e Logística;
  • - William França da Silva para o cargo de Diretor Executivo de Refino e Gás Natural;
  • - Clarice Coppetti para o cargo de Diretora Executiva de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade; e
  • - Carlos Augusto Burgos Barreto para o cargo de Diretor Executivo de Transformação Digital e Inovação.

 

As indicações foram submetidas aos procedimentos internos de governança corporativa, inclusive as respectivas análises de conformidade e integridade necessárias ao processo sucessório da companhia, o que incluiu a apreciação do Comitê de Pessoas e, em seguida, deliberação do conselho de administração.

 

Portobello (PTBL3) anuncia novo CEO e nova diretoria estatutária

Na última quarta-feira (22), a Portobello (PTBL3) comunicou aos seus acionistas, investidores e ao mercado em geral o novo CEO e mudanças de estrutura organizacional em seu grupo.

O conselho de administração elegeu a nova Diretoria Estatutária. Os novos membros estão alinhados com o foco na evolução do modelo de gestão e governança.

John Suzuki, atual diretor vice-presidente de Finanças e de Relações com Investidores vai assumir a posição de CEO no dia 12 de maio.

Mauro do Valle Pereira deixa o cargo, mas seu nome vai ser indicado para compor o conselho de administração na próxima eleição, no mês de abril.

Rosangela Sutil vai atuar como Chief Financial Officer (CFO) e diretora de Relações com Investidores e Luciano Alves Abrantes, Chief Transformation Officer (CTO).

Edson Luiz Mees Stringari, diretor vice-presidente Jurídico, deixa voluntariamente a companhia.

 

Prio (PRIO3): Credit Suisse Brasil passa a deter 7,18%, após operações com derivativos

A Prio (PRIO3) comunicou na última quarta-feira (22) que o Credit Suisse Brasil, unidade local do banço suíço, alcançou 7,18% de participação acionária. 63.723.472 ações ordinárias foram adquiridas.

A reorganização sucede uma operação realizada por meio de derivativos, em posicões compradas e vendidas, além de uma porção menor em ações. A fatia foi atingida na última sexta-feira (17).

Os investidores declaram que as movimentações realizadas não objetivam alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da companhia.

 

TC (TRAD3) lança fundo de gestão ativa em criptomoedas, com estratégias mistas

O TC (TRAD3) anunciou na última quarta-feira (22) o lançamento de um fundo de investimento em criptomoedas, TC Digital Assets, com estratégias quantitativa e fundamentalista. 

Segundo o responsável pela gestão do fundo, Jorge Souto, o aporte mínimo foi definido em R$ 10 mil e as aplicações são destinadas a investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras, de acordo com o jornal Valor.

 

Balanços

Balanços: Braskem (BRKM5) tem prejuízo bilionário e lucro de PetroRecôncavo (RECV3) salta 465%

 

Afya - A Afya registrou um lucro líquido ajustado de R$ 128,8 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 30,8% na comparação com mesmo período de 2021.

O EBITDA (sigla em inglês para lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 242,2 milhões no intervalo entre outubro e dezembro, uma expansão de 24% em doze meses.

 

Braskem (BRKM5) - A Braskem (BRKM5) registrou um prejuízo líquido de R$ 1,710 bilhão no quarto trimestre de 2022, uma reversão ao lucro líquido de R$ 530 milhões apurado no mesmo período de 2021.

 

Caixa Econômica Federal (CEF) - A Caixa Econômica Federal registrou queda de 31,3% em seu lucro líquido no quarto trimestre de 2022, a R$ 2,2 bilhões de outubro ao fim de dezembro, contra R$ 3,2 bilhões um ano antes.

Em 2022, houve lucro líquido de R$ 9,8 bilhões, redução de 43,4% em relação a 2021.

 

Estapar (ALPK3) - A Estapar (ALPK3) registrou um prejuízo líquido de R$ 43,9 milhões no quarto trimestre de 2022, uma queda de 13,4% sobre o prejuízo líquido de R$ 50,7 milhões apurado no quarto trimestre de 2021.

 

LPS Brasil (LSPB3) - A  LPS Brasil (LPSB3) registrou um prejuízo líquido de R$ 4,2 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 22% na comparação com as perdas líquidas registradas no mesmo intervalo de 2021.

O EBITDA totalizou R$ 6,9 milhões no período, uma expansão de 224% em doze meses.

 

PadTec (PDTC3) - A PadTec (PDTC3) registrou lucro líquido de R$ 5,8 milhões no quarto trimestre de 2022, uma reversão ao prejuízo de R$ 1,73 milhão apurado no último trimestre de 2021.

 

PetroRecôncavo (RECV3) - A PetroRecôncavo (RECV3) registrou um lucro líquido de R$ 408,6 milhões no quarto trimestre de 2022, um crescimento de 465% em base de comparação anual.

 

T4F (SHOW3) registra prejuízo líquido de R$ 14,9 milhões no 4º trimestre de 2022


Unifique (FIQE3) - A Unifique (FIQE3), que atua com rede de fibra óptica no Sul do país, registrou um lucro líquido de R$ 32,3 milhões no quarto trimestre, um crescimento de 41,5% na comparação anual. 

 

SpaceProventos

Cemig (CMIG4) aprova R$ 424 milhões em proventos de JCP

A Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig (CMIG4), comunicou nesta quarta-feira (22), que deliberou R$ 424.226 milhões em juros sobre o capital próprio (JCP)

O valor bruto por ação foi definido em R$ 0,19, a ser compensado com o dividendo mínimo obrigatório do exercício de 2023, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte. 

A data de corte foi programada para o dia 27 de março de 2023, aos acionistas que tiveram ações ordinárias e/ou preferenciais da companhia. 

O pagamento vai ser feito em duas parcelas iguais: a primeira até o dia 30 de junho de 2024 e a segunda até o dia 30 de dezembro de 2024.  

 

Gerdau (GGBR4) paga dividendos de R$ 332 milhões hoje (23)

Em 28 de fevereiro, a Gerdau (GGBR4) comunicou aos seus acionistas e ao mercado em geral que foi aprovado na mesma data o pagamento de dividendos, que, por sua vez, constituem pagamentos referentes ao exercício social do ano passado.

A companhia vai distribuir R$ 332,7 milhões. O montante equivale a R$ 0,20 por ação.

Créditos serão efetuados nesta quinta-feira, 23 de março.

Farão jus aos proventos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão de 14 de março. Desde o pregão seguinte, os papéis passaram a ser negociados ex-direitos.

 

Itaúsa (ITSA4) vai pagar R$ 750 milhões em JCP a quem mantiver ações até hoje (23)

A Itaúsa (ITSA4) anunciou, na segunda-feira (20), que vai realizar o pagamento antecipado de juros sobre capital próprio (JCP) de R$ 750 milhões, o correspondente ao valor líquido de R$ 0,0773 por ação preferencial.

Com a dedução de 15% do Imposto de Renda (IR), o valor bruto dos proventos da holding passa para R$ 0,065705 por ação.

Farão jus aos créditos investidores posicionados em base acionária ao fim da sessão desta quinta-feira, 23 de março. A partir do pregão seguinte, de 24 de março (sexta-feira), as ações serão negociadas ex-direitos.

Pagamentos serão efetuados em 31 de março.