domingo, 28 de novembro de 2021
Gigante farmacêutica

As teses investimentos da AstraZeneca contra Covid-19

27 novembro 2020 - 16h38Por Investing.com
Campanha Black Friday 2021 - Warren

Por Geoffrey Smith e Peter Nurse, da Investing.com – A AstraZeneca (LON:AZN); (SA:A1ZN34) está em uma corrida para desenvolver uma vacina eficaz para a Covid-19, mas esse não é o seu único objetivo.

A empresa é conhecida como uma líder global em tratamentos de câncer, tendo conquistado várias aprovações de medicamentos nos últimos anos por reguladores em todo o mundo.

No início desta semana, a fabricante de medicamentos com sede no Reino Unido disse que os testes em estágio final de sua vacina para a Covid-19 mostraram 90% de eficácia, mas rapidamente teve que reconhecer as falhas nos dados.

Geoffrey Smith, do Investing.com, explica por que esse raro passo em falso não causará danos duradouros, enquanto Peter Nurse afirma que o caso traz riscos reais de reputação que pesarão sobre o valuation.

O caso bull

O bull case da AstraZeneca não precisa de nenhuma contribuição da vacina experimental para Covid-19.

O fato é que a empresa é uma potência global em medicamentos oncológicos e outros que tratam doenças crônicas de pulmão e rins. Ela obtém margens brutas de 80% em um ano normal e espera que seus ganhos subjacentes por ação cresçam entre 15% e 20% em 2020, um ano em que os sistemas de saúde do mundo tiveram problemas para encontrar recursos para qualquer coisa que não fosse tratar a Covid-19.

É, sem qualquer dúvida razoável, uma empresa bem administrada, cujas ações merecem um prêmio de gestão. Em apenas sete anos como CEO, Pascal Soriot havia aumentado o valor de mercado de uma empresa já madura em 150% quando a pandemia estourou. Soriot abordou rapidamente o erro desta semana ao comunicar os resultados do teste de estágio 2, solicitando um novo teste, como qualquer CEO responsável faria.

Os reguladores globais aprovaram com satisfação uma série de seus medicamentos nos últimos anos, e as sugestões de que essa relação vital será prejudicada por um teste imperfeito conduzido sob as pressões extraordinárias da atual corrida pela cura da Covid são alarmistas.

Salvo um fiasco totalmente diferente do resto da carreira de Soriot, não há risco de queda para o preço das ações, mesmo que o medicamento para Covid-19 tenha menor eficácia. O preço das ações da AstraZeneca está quase exatamente onde estava no início do ano, antes mesmo que alguém tivesse ouvido a temida palavra com C. Dado que o custo do serviço de sua considerável pilha de dívidas caiu drasticamente desde então (permitindo uma maior valorização das ações, enquanto todas as outras coisas permanecem iguais), é possível argumentar até mesmo que o mercado já está aplicando um desconto às ações por toda a saga da Covid-19.

Ou a vacina será perdida, caso em que grande parte do custo fica com os governos que ajudaram a financiar seu desenvolvimento, ou ela realmente será eficaz, permitindo a distribuição mundial. Neste último caso, o fato de ter concordado em fornecer a vacina sem lucro não deve ser visto como o pesadelo que muitos investidores consideram. Notícias que citam contratos confidenciais com fabricantes sugerem que a AZ já poderá exercer o poder de precificação a partir do segundo semestre do próximo ano.

E, se evitar o lucro de curto prazo mantendo o preço baixo, o benefício de longo prazo ainda pode ser considerável. O câncer, sua verdadeira especialidade, é uma doença de países ricos, de modo que a disseminação da riqueza por cada vez mais partes do mundo é um fator positivo para a empresa. O ganho de reputação por não aumentar o preço da vacina que todos desejam e precisam será intangível, mas incomensurável.

O caso bear

O caso bear em torno da AstraZeneca se baseia em grande parte no valuation e no dano à reputação que pode ser causado pela confusão para obter a aprovação de sua vacina candidata contra o coronavírus.

Com uma relação P/L de cerca de 55, as ações da empresa estão com preços bem acima da média da indústria e de sua média histórica, sugerindo que há muito potencial de queda.

A gigante farmacêutica divulgou análises provisórias de testes em estágio final de sua vacina com grande alarde na segunda-feira, afirmando que sua eficácia atingiu um máximo de 90% dependendo do regime de dosagem.

No entanto, rapidamente surgiram dúvidas sobre a confiabilidade dos dados fornecidos pela AstraZeneca e sua parceira, a Universidade de Oxford, no que diz respeito à eficácia da vacina.

É importante ressaltar que Moncef Slaoui, chefe da equipe da operação Warp Speed dos EUA, encarregada de financiar o desenvolvimento da vacina, apontou uma falha potencial, dizendo que o subgrupo que relatou o maior grau de eficácia foi restrito a pessoas com menos de 55 anos, indivíduos que provavelmente serão mais resistente à doença.

Geoffrey Porges, Diretor de Pesquisa Terapêutica do banco de investimento em ciências da vida SVB Leerink, foi amplamente citado ao prever que a vacina nunca será licenciada nos Estados Unidos, particularmente porque parece haver alternativas viáveis de vacinas da Pfizer Inc (NYSE:PFE); (SA:PFIZ34) e da Moderna Inc (NASDAQ:MRNA). As vacinas candidatas promissoras da Johnson & Johnson (NYSE:JNJ); (SA:JNJB34) e outras ainda estão em desenvolvimento.

A AstraZeneca havia prometido fornecer sua vacina a preço de custo enquanto durasse a pandemia, portanto, não entrar no valioso mercado norte-americano com este produto pode não ser necessariamente uma grande coisa. Mas a comunicação fracassada do que foi um teste muito pequeno pode ser muito mais difícil de ignorar, causando danos duradouros ao seu relacionamento com a importantíssima Food & Drug Administration. Afinal, a companhia gerou quase US$ 8 bilhões em receita nos EUA no ano passado, de longe seu maior mercado.

O gigante bancário suíço UBS manteve sua classificação de Venda para a AstraZeneca no início desta semana, citando a incerteza em torno dos resultados da vacina. No início deste mês, o banco também apontou que as vendas de produtos em mercados emergentes decepcionaram nos resultados do terceiro trimestre, enquanto os negócios nos EUA surpreenderam positivamente. Esse equilíbrio pode estar prestes a mudar.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content