terça, 07 de dezembro de 2021
Finanças para jovensCOLUNA

Finanças para jovens

Larissa Brioso

Educadora Financeira na Mobills

Orçamento pessoal: 5 passos eficazes para montar o seu

Quando temos uma visão estratégica das nossas finanças e somos capazes de encontrar as melhores formas de como planejar fazendo o controle financeiro, conquistamos a tão sonhada saúde financeira.

09 março 2021 - 17h02
Orçamento pessoal: 5 passos eficazes para montar o seu

A cada dia que passa, temos mais certeza da importância de organizar as finanças e montar um orçamento pessoal eficaz. Segundo a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o percentual de endividados no país fechou em 66,5% no ano de 2020.

É difícil elencar o fator principal que justifique esse número, mas um deles é a falta de organização financeira aplicada na rotina. Quando temos uma visão estratégica das nossas finanças e somos capazes de encontrar as melhores formas de como planejar fazendo o controle financeiro, conquistamos a tão sonhada saúde financeira.

De maneira simples, o orçamento pessoal é uma ferramenta de controle financeiro que consiste na definição de um teto de gastos para cada categoria de despesas, sejam elas essenciais ou não. Sabendo disso, para montar de uma maneira eficaz é preciso:

1. Separar os gastos por categorias

Entender sua realidade financeira e conhecer seus principais gastos por categorias é o primeiro passo para conseguir montar uma estratégia eficaz que facilite o controle das suas finanças.
Para isso, inclua aquelas categorias mais importantes na lista e estabeleça um limite de gastos para cada uma delas. Elas podem ser:
•    Moradia;
•    Saúde;
•    Educação;
•    Lazer;
•    Alimentação.

2. Definir objetivos

Um objetivo nada mais é do que aquilo que você pretende conquistar em um determinado período de tempo. Então, para que seu orçamento seja mais eficiente, reflita sobre onde quer chegar com essa ferramenta de controle financeiro. 

Ou seja, pense no seu propósito. Você deseja se aposentar no futuro? Montar uma reserva de emergência? Investir em mais estudos? Quer fazer a viagem dos sonhos? Comprar uma casa ou um carro?

Quando traçamos esses objetivos relacionados ao nosso dinheiro, além de ter uma motivação a mais, conseguimos fazer escolhas mais conscientes e priorizar gastos.

3. Criar metas para alcançar esses objetivos

Uma meta é uma tarefa específica que contribui para a conquista dos objetivos. Logo, quando traçamos pequenas metas no dia a dia, nos tornamos capazes de atingir o objetivo de forma muito mais fácil.

Afinal, você saberá exatamente o quanto está avançando em relação ao objetivo inicial, além de descobrir possíveis empecilhos de maneira antecipada.

Ao criar a sua meta é importante se atentar a alguns pontos importantes. Por exemplo:

•    Seja o mais específico possível;
•    Pense em metas realistas;
•    Defina meios para alcançá-las;
•    Estabeleça metas para diferentes áreas da vida.

4. Manter um acompanhamento periódico

Depois de traçar o seu orçamento, ele deve se tornar parte da sua rotina. Por isso, é necessário criar o hábito de acompanhá-lo sempre que possível. Definir periodicidade é interessante: você pode fazer breves análises semanais ou quinzenais, além de um estudo mais aprofundado mensalmente.

Saiba que é fundamental acompanhar o seu planejamento para manter o balanço financeiro pessoal sempre positivo, ou seja, a diferença entre receitas e despesas nunca deve estar negativa ou você pode acabar se endividando.

5. Utilizar ferramentas de controle de gastos

Sabemos que, ao inserir algo novo na rotina, levamos um tempo até nos acostumarmos e desempenharmos a atividade da maneira mais intuitiva possível. Por isso, buscar ferramentas que facilitem o nosso gerenciamento é crucial.

Uma simples lista de supermercado, por exemplo, é um meio de tornar as compras mais eficientes. O mesmo pode acontecer com seu orçamento, só que de forma muito mais prática, intuitiva e informatizada, quando utiliza planilhas de gastos ou aplicativos.

Cada pessoa vai se identificar mais com uma ferramenta, seja anotando manualmente em um caderno, utilizando uma planilha de Excel ou um aplicativo de gestão de finanças.

A opinião e as informações contidas neste artigo são responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a visão da SpaceMoney.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content