terça, 17 de maio de 2022
Open BankingCOLUNA

Open Banking

Albert Morales

General Manager na Belvo

O Open Banking como propulsor da nova indústria financeira

Sistema permite avanços nos modelos de risco, planos de marketing e produtos

25 março 2022 - 12h32
O Open Banking como propulsor da nova indústria financeira

Os modelos de Open Banking e Open Finance estão se consolidando como os principais facilitadores para as empresas financeiras em todo o mundo, mas seu crescimento no Brasil tem se destacado. No início do ano, o Reino Unido registrou mais de 5 milhões de usuários ativos. No Brasil, o Banco Central informou que, só nos primeiros quatro meses do compartilhamento regulado de dados, o número de consentimentos dos usuários chegou a um milhão.

Dada a crescente variedade de serviços e produtos financeiros ofertados, especialmente pelas novas fintechs, o setor financeiro tradicional enfrenta o grande desafio de se manter atualizado, bem como impulsionar a aquisição em massa de serviços financeiros digitais e gerar mais inclusão financeira no Brasil.

Com esse cenário em mente, o Open Banking oferece soluções oportunas e diversificadas para que os bancos e instituições financeiras possam escalar os seus produtos, reforçar a sua presença entre os consumidores e inovar. 

O foco está normalmente nos benefícios que o Open Banking traz para as fintechs. No entanto, algo que costuma ser ignorado é que uma das virtudes desses modelos é o fato de que eles podem beneficiar todos os atores envolvidos na indústria financeira: logo, as instituições financeiras podem também oferecer aos seus usuários a possibilidade de conectar dados de outras plataformas onde realizam atividades financeiras ao seu banco. Sejam esses dados vindos de outros bancos ou de fontes de dados alternativas. 

Maior assertividade

As principais vantagens que esses modelos oferecem aos bancos e instituições financeiras no geral são a possibilidade de construir modelos de risco mais robustos, alcançar novas audiências e a capacidade de personalizar a oferta de produtos de acordo com o público. 

As plataformas de Open Finance, como a Belvo, são uma forma de essas instituições chegarem a novos usuários através de canais de terceiros, extrair automaticamente dados relevantes para alimentar os seus modelos de risco e oferecer produtos que se ajustem às necessidades desses novos clientes assim como dos antigos. 

Essa sinergia entre soluções de Open Banking e instituições financeiras já é uma realidade no Brasil, especialmente quando o assunto são os bancos digitais. E aqui não entram apenas os bancos para pessoas físicas. Os benefícios do modelo também se aplicam para bancos focados em empresas. 

O BS2, um dos principais bancos digitais PJ do país, por exemplo, está usando o modelo para melhorar o acesso ao crédito das PMEs. Ao acessar as informações financeiras das empresas e gerar insights sobre sua situação, o banco consegue oferecer produtos personalizados aos clientes e ajudar no crescimento das PMEs. Isso porque ter em mãos dados financeiros enriquecidos e filtrados dá ao BS2 mais segurança na tomada de decisão na hora de conceder acesso às linhas de crédito com base no histórico das empresas clientes. 

O Open Banking representa uma das maiores oportunidades para os bancos e instituições financeiras na cena mundial, uma vez que é a chave para aumentar a carteira de produtos, chegar aos usuários que não têm acesso aos serviços financeiros e gerar maior competitividade dentro do setor financeiro.

A opinião e as informações contidas neste artigo são responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, a visão da SpaceMoney.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content