Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Prévia

Internacional: fique por dentro das principais notícias dos mercados desta terça-feira (28)

Aqui estão as principais informações dos mercados financeiros que você precisa saber hoje

28 setembro 2021 - 08h58Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, enfrenta perguntas sobre a economia, o teto da dívida e as atividades comerciais de seus subordinados quando testemunhar no Congresso.

O banco central da China diz às pessoas para não entrarem em pânico novamente e é ouvido.

O governo do Reino Unido faz o mesmo, mas com menos sucesso, à medida que os preços da energia disparam para novos máximos em toda a Europa.

A ação da Gazprom (MCX: GAZP) também atinge a maior alta em treze anos, não coincidentemente.

No Brasil, o ministro Paulo Guedes fala sobre a possível privatização da Petrobras (SA:PETR4) e do Banco do Brasil (SA:BBAS3) e destaca valores arrecadados com vendas de subsidiárias pelo governo.

1. Powell enfrenta algumas perguntas embaraçosas

O presidente do Federal Reserve Jerome Powell dirige-se ao Congresso para testemunhar sobre o estado da economia dos EUA, mas, com o início de uma redução gradual das compras de ativos cada vez mais provável em novembro, a ocasião provavelmente ser ofuscado pela renúncia de dois presidentes regionais do Fed na segunda-feira.

O presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, e seu homólogo do Fed de Dallas, Robert Kaplan, renunciaram após revelações de que haviam negociado ativamente ações individuais e outros produtos financeiros no ano passado, com suspeitas de um conflito de interesses.

Rosengren citou questões de saúde em sua carta de demissão, enquanto Kaplan admitiu que a publicidade das revelações foi prejudicial.

Powell também deve ser questionado sobre as consequências de não elevar o teto da dívida para manter o financiamento do Governo Federal.

Preocupações sobre isso e os sinais cada vez mais globais de estresse nos mercados de energia elevaram os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos acima de 1,50% pela primeira vez em dois meses na segunda-feira.

2. Paulo Guedes quer privatizar Banco do Brasil e Petrobras

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o plano econômico do governo para os próximos dez anos prevê a realização de mais privatizações, incluídas as vendas do Banco do Brasil e da Petrobras, com a ideia de que isso se torne um “dividendo social”, disse o ministro em evento da International Chamber of Commerce (ICC) Brasil.

As privatizações estavam entre as principais propostas do governo durante as eleições passadas, mas até agora, nenhuma grande venda foi feita.

Por outro lado, duas novas estatais foram criadas: a NAV Brasil Serviços de Navegação Aérea e a Empresa Brasileira de Participação em Energia Nuclear e Binacional, a ENBpar, que faz parte do plano de privatização da Eletrobras (SA:ELET3).

Ainda assim, o ministro destacou que R$ 240 bilhões foram arrecadados com a venda de subsidiárias nos últimos dois anos e meio.

Guedes disse que agora era a vez dos peixes grandes, como os Correios e a Eletrobras.

3. PBoC promete política monetária estável à medida que economia dá sinais de estresse

O banco central da China disse que irá manter a política monetária 'normal' pelo maior tempo possível, em um cenário de especulação crescente de que terá de aliviá-la - possivelmente com um yuan em desvalorização - em decorrência dos contínuos problemas do setor imobiliário e financeiro do país.

O PBoC injetou outros 100 bilhões de yuans (US$ 15 bilhões) líquidos no mercado monetário na terça-feira, e manteve as taxas do mercado monetário limitadas e a taxa de câmbio estável em 6,4605 por dólar.

O país também enfrenta uma escassez crescente de energia, e concessionárias em muitas regiões optam por reduzir a geração de energia em vez de pagar preços altíssimos pelo carvão e pelo gás.

Goldman Sachs (NYSE:GS) (SA:GSGI34) cortou sua previsão de crescimento na China para o ano anterior. Os dados de agosto mostraram que o crescimento do lucro industrial voltou a desacelerar em termos anuais.

4. Expectativa de baixa no mercado de ações americano

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em baixa novamente mais tarde. As ações de tecnologia devem continuar com um desempenho baixo neste ano, antes de voltarem aos patamares mais elevados.

Com os rendimentos dos títulos em aumento à medida que se aproxima o fim da flexibilização quantitativa do Fed, a taxa de desconto implícita nas avaliações das ações precisa aumentar e, assim, comprimir o valor dos fluxos de caixa futuros esperados de empresas de tecnologia que ainda estão em uma fase de crescimento de baixo lucro.

Os estoques que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem a Ford (NYSE:F)  (SA:FDMO34), que anunciou sua primeira fábrica de montagem totalmente nova nos EUA em décadas na segunda-feira como parte de seu pivô para veículos elétricos, e fabricantes de vacinas, após a gigante francesa Sanofi abandonar seus esforços para criar uma vacina Covid-19 baseada em mRNA.

Os preços das casas para agosto são os principais dados do dia.

5. Os preços da energia na Europa atingem novo recorde, já que o BCE se recusa a entrar em pânico

Os preços europeus do gás, energia e carbono atingiram novos máximos, sem nenhum sinal de alívio imediato à vista, conforme o continente entra no início da estação de aquecimento no inverno.

Não por acaso, as ações da gigante russa do gás Gazprom (LON:SIBNq) - a única empresa capaz de aumentar significativamente os embarques de gás para a Europa no curto prazo - atingiram a maior alta em treze anos, logo abaixo do pico de 2008.

A reunião anual de pesquisa do Banco Central Europeu começou mais cedo, com a afirmação do governador do Banco da França, François Villeroy de Galhau, de que a inflação provavelmente voltará abaixo da meta de 2% do BCE até 2023.

O discurso da presidente do BCE, Christine Lagarde, mais tarde será examinado em busca de qualquer sinal que o aumento nos preços da energia muda essa suposição.

Enquanto isso, no Reino Unido, as pessoas não mantiveram a calma nem prosseguiram, pois o pânico na compra de combustível continuou a perturbar a vida cotidiana.

O primeiro-ministro Boris Johnson se prepara para enviar motoristas militares para a indústria de tanques de combustível.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: