Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Prévia

Internacional: fique por dentro das principais notícias dos mercados desta segunda-feira (27)

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros hoje

27 setembro 2021 - 08h44Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - O mercado imobiliário da China avança, mas o Banco Popular da China promete novamente manter as coisas nos trilhos.

Os legisladores democratas dos EUA planejam se reunir para discutir suas diferenças depois que a votação do pacote de infraestrutura de US$ 1,2 bilhão for adiada para quinta-feira (30).

Os senadores republicanos devem manter a pressão e bloquear um projeto de lei que estenderia o financiamento do governo além do final da semana.

As ações europeias ganham após as eleições na Alemanha apontarem para apenas uma modesta mudança para a esquerda pelo próximo governo.

No Brasil, o Banco Central já começa a prever o déficit nas transações da conta corrente. 

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na segunda-feira, 27 de setembro:

1. Relaxe, o PBoC está ao volante

O banco central da China disse que manterá os mercados financeiros locais amplamente abastecidos com liquidez e prometeu um desenvolvimento "saudável" no mercado imobiliário do país, no início da semana em que o China Evergrande Group (OTC:EGRNY) enfrenta outro pagamento em dólar sobre seus títulos e outras incorporadoras imobiliárias estão mostrando sinais de estresse.

O Banco Popular da China injetou outros 100 bilhões (US$ 15 bilhões) de yuans no mercado monetário, o dobro do que injetou na sexta-feira (24).

As ações da Evergrande em Hong Kong subiram 7,6% depois que a subsidiária de veículos elétricos da empresa descartou uma venda de ações planejada, citando uma "séria escassez de fundos".

No entanto, as ações da Sunac China Holdings (HK:1918), listada em Hong Kong, despencaram depois de pedir ajuda a um governo local que havia limitado seu programa de vendas.

2. Os democratas ainda disputam contas de gastos

A Câmara dos Representantes dos EUA adiou para quinta-feira (30) uma votação sobre o projeto de lei de gastos de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão proposto por um grupo bipartidário de legisladores, depois que democratas liberais insistiram novamente em vinculá-lo ao projeto mais amplo de US$ 3,5 trilhões sobre expandir a rede de segurança social e impulsionar os gastos com a transição energética.

Os democratas têm uma reunião para discutir suas diferenças na segunda-feira.

O fracasso dos democratas em se unir em torno de uma posição comum vem em um contexto de luta contínua pelo teto da dívida. É necessário um acordo até sexta-feira para impedir o fechamento do governo federal.

Os senadores republicanos devem bloquear um projeto de lei na segunda-feira que estenderia o financiamento do governo por mais dois meses.

3. Ações definidas para abrir em alta; bens duráveis, discursos do Fed

Os mercados de ações dos EUA devem abrir mistos com o alívio pela falta de notícias piores da China no fim de semana, apesar de alguns temores de que a disfunção política dos EUA possa se tornar realmente complicada no decorrer de uma semana crítica.

Também há o apoio de sinais de distensão na sexta-feira entre os EUA e a China, que viu o diretor financeiro da Huawei ser liberado da custódia no Canadá e autorizado a retornar à China.

Às 7h15, os futuros do Dow Jones subiam 110 pontos, ou 0,3%. enquanto S&P 500 futuros subiram 0,1%, mas Nasdaq 100 futuros caíram 0,3%.

Os dados de pedidos de bens duráveis de agosto encabeçam o calendário econômico, enquanto também haverá discursos do presidente do Federal Reserve de Nova York John Williams e do membro do conselho Lael Brainard às 13h e 13h50h, respectivamente.

4. Eleição alemã sugere mudança modesta para a esquerda

Os mercados de ações europeus subiram após as eleições da Alemanha apontarem para apenas uma mudança modesta para a esquerda no próximo governo.

Os social-democratas de centro-esquerda (SPD), liderados pelo atual ministro federal das Finanças, Olaf Scholz, emergiram um pouco à frente dos democratas-cristãos de centro-direita, que caíram para a menor participação de todos os tempos na rejeição de Armin Laschet, o homem escolhido para suceder a cessante Angela Merkel.

Houve alívio com o fraco desempenho do partido de extrema esquerda Linke, que pesquisas de opinião anteriores sugeriram que poderia se juntar a uma coalizão do SPD e dos Verdes.

Do jeito que está, os resultados provavelmente exigirão o envolvimento dos democratas livres pró-negócios no governo. As negociações da coalizão provavelmente levarão algum tempo.

5. BC prevê déficit em setembro e resultado anual está ameaçado 

O Banco Central projeta um déficit nas contas públicas pela primeira vez desde março.

Para setembro, a previsão é que as transações da conta corrente fiquem em um resultado negativo de R$ 1,9 bilhão, segundo dados divulgados na sexta-feira (24).

Isso faria com que o déficit dos últimos 12 meses chegasse a US$ 21 bilhões, segundo o chefe do departamento de estatísticas do BC, Fernando Rocha.

A projeção divulgada em junho apontava um pequeno superávit de US$ 3 bilhões para este ano.

Na quinta-feira, em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Banco Central deve divulgar se manterá ou alterará a projeção.

De acordo com o Valor Econômico, a possibilidade de superávit do país é ajudada pelo câmbio depreciado e pela alta nas vendas de commodities exportadas.

Porém, a redução da demanda da China, assim como a melhora do cenário doméstico que pode elevar as importações, podem reduzir os saldos superavitários das transações correntes.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: