Menu
Busca quarta, 27 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Internacional

Fique por dentro das principais notícias dos mercados desta quinta-feira (14)

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros hoje

14 outubro 2021 - 08h25Por Investing.com

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - A tentativa de controlar a alta nos combustíveis ganha mais um capítulo com a aprovação de um novo ICMS.

Os ganhos de quatro dos maiores bancos dos EUA mostrarão se as fracas tendências de empréstimos relatadas pelo JPMorgan são um problema para todo o setor.

A inflação de preços ao produtor dos EUA deve atingir uma nova alta de vários anos, depois de atingir uma alta de 26 anos na China durante a noite.

Os preços do petróleo sobem após um aviso da Agência Internacional de Energia, e o mercado de chips vai ficar apertado durante todo o ano de 2022, diz um dos maiores fabricantes mundiais de semicondutores.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na quinta-feira, 14 de outubro:

1. Novo ICMS

A Câmara dos Deputados aprovou por 397 votos a 71 o projeto de lei que altera a cobrança do ICMS sobre combustíveis.

A proposta é que o percentual de incidência do tributo sobre o combustível, que varia entre 25% e 34%, seja calculado com base nos preços do último ano, e não nos últimos 15 dias como é feito hoje.

Isso reduziria a volatilidade dos preços no curto prazo, mas pode fazer com que os custos se mantenham artificialmente altos daqui dois anos.

O parecer do projeto diz que inicialmente os anos de referência para o cálculo do ICMS seriam 2019 e 2020, quando a gasolina custava menos, e que a conta seria válida por doze meses, ou seja, até a eleição do ano que vem.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, disse em entrevista à CNN Rádio que assim seria possível que a gasolina caísse entre 7% e 8%, o etanol, 7% e o diesel, 4%.

O Comitê de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz) protestou contra a medida e disse que o projeto diminuirá em R$ 24 bilhões as finanças estaduais, o que terá impacto de R$ 6 bilhões para os municípios, que recebem 25% do ICMS.

O projeto ainda precisa ser votado no Senado.

2. Lucro bancário em foco

Uma onda de lucros bancários chega às telas esta manhã, um dia depois que o JPMorgan divulgou um relatório trimestral que dependia fortemente de liberações de reservas para entregar as manchetes obrigatórias de "superação das expectativas".

Citigroup (NYSE:C), Bank of America (NYSE:BAC) e Wells Fargo (NYSE:WFC) apresentarão relatórios antecipados e serão examinados quanto a sinais do fraco crescimento dos empréstimos que se destacaram no relatório do JPM.

O JPM culpou a preferência pelo pré-pagamento por esse resultado, e sugeriu que os consumidores se tornaram mais cautelosos em um período dominado pela variante Delta do Covid-19.

O Morgan Stanley (NYSE:MS) também apresentará relatório e, como um banco de investimento puro, pode se sair melhor em comparação - especialmente devido à força contínua do mercado de fusões e aquisições.

No entanto, os números do JPMorgan também sugeriram que mesmo isso pode ter começado a esfriar.

3. Pedidos de seguro-desemprego vencidos

Números semanais de pedidos de subsídio de desemprego às 9:30 darão uma nova visão sobre a evolução do mercado de trabalho. As reivindicações iniciais devem cair de 326 mil para 319 mil.

Os números da semana passada sugeriam que a economia dos EUA superava a suavidade temporária causada pela onda de Covid-19, que agora desaparece rapidamente no espelho retrovisor.

A média nacional de sete dias para novos casos caiu para seu nível mais baixo em mais de dois meses na quarta-feira (13).

Potencialmente, de maior interesse serão os dados de preços ao produtor dos EUA, que serão divulgados ao mesmo tempo.

A inflação dos preços ao produtor disparou para 8,3% em agosto, e os números do resto do mundo sugerem outro aumento em setembro. Analistas esperam taxa de 8,7%.

Discursos de Thomas Barkin, Mary Daly e Raphael Bostic do Federal Reserve podem mostrar alguma reação a qualquer um dos números. Durante a noite, a inflação dos preços ao produtor na China aumentou para 10,7%, a maior em 26 anos.

4. Expectativa para o mercado americano

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em alta mais tarde, com base nos ganhos de quarta-feira (13), que se acumularam principalmente para nomes de tecnologia.

Às 8:11, os futuros da Dow Jones avançavam 0,59%, enquanto os da Nasdaq 100 e os da S&P 500 subiam 0,75% e 0,67%, respectivamente. 

Os fabricantes de chips, em particular, parecem ter uma boa oferta após a Taiwan Semiconductor Manufacturing (NYSE:TSM), um dos maiores fabricantes de chips de silício do mundo, dizer que espera que seu fornecimento permaneça apertado ao longo de todo o próximo ano.

Anteriormente, esperava-se alguma moderação na pressão de oferta e demanda no início de 2022.

A UnitedHealth (NYSE:UNH) e a Walgreens Boots Alliance (NASDAQ:WBA) também relatam ganhos.

Os ADRs do grupo de publicidade francês Publicis ganharam depois de postar em altas mais fortes do que a esperada durante a noite.

5. Os preços do petróleo sobem novamente

Os preços do petróleo bruto aumentaram novamente, porque a Agência Internacional de Energia disse que, com o enfraquecimento da onda Covid-19 e o levantamento das restrições em muitas partes do mundo, a demanda global cresce mais rápido do que a velocidade com que OPEP e seus aliados aumentam a oferta.

“A demanda vai superar a oferta até pelo menos o final de 2021”, disse a IEA em seu relatório mensal, que acrescentou que os altos preços do petróleo podem ameaçar a recuperação econômica global da pandemia.

Às 8:11, os futuros do petróleo bruto nos EUA subiram 1,39%, a $ 81,56 o barril, enquanto os futuros do Brent subiram 1,35%, a $ 84,30 o barril.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: