quinta, 29 de fevereiro de 2024
China

Influenciado pelo exterior, Ibovespa encerra pregão com alta de 0,61%

07 agosto 2019 - 17h29Por Redação SpaceMoney
O Ibovespa, principal índice acionário da B3, a bolsa de valores brasileira, operou com muitas oscilações durante esta quarta-feira (07), mas encerrou o pregão com alta de 0,61%, totalizando 102.782,37 pontos. As oscilações podem ser explicadas pelo mau humor do mercado externo ao longo do dia. Os principais índices de Wall Street operam no negativo reagindo a um novo capítulo da disputa comercial entre EUA e China iniciado na semana passada. Além disso, os Bancos Centrais de Nova Zelândia, Índia e Tailândia reduziram suas taxas de juros como uma medida de estímulo às suas economias em meio a um quadro de desaceleração da economia global proporcionada pela disputa comercial. A recuperação do mercado e a virada da bolsa foi após o presidente do Federal Reserve de Chicago sinalizar a possibilidade de um novo corte na taxa de juros norte-americana. No Brasil, as incertezas externas tomaram os holofotes um dia após a aprovação em segundo turno da reforma da Previdência no plenário da Câmara dos Deputados. Destaques A Petrobras (PETR4) caiu 1,08%, conforme os preços do petróleo no exterior recuaram fortemente, com a tensão comercial EUA-China pesando sobre as perspectivas para a demanda por energia. A Vale (VALE3) cedeu 0,3% diante de queda no preço do minério de ferro na China pelo quinto dia, pior desempenho em seis semanas. Os papéis da Gol (GOLL4) recuaram 3,52%, com o dólar rondando 4 reais, uma vez que a moeda norte-americana tem peso relevante nos custos de companhias aéreas. A Azul (AZUL4) subiu 0,28%, apesar de números de tráfego no mês de julho, que analistas do Itaú BBA consideraram fortes. Já o Itaú Unibanco e o Bradesco (BBDC4) subiram 3,69% e 2,11%, respectivamente, após o Morgan Stanley (NYSE:MS) elevar a recomendação para os ADRs de ambos, afirmando esperar um período de vários anos de forte crescimento de lucros e expansão do ROE, com impulso do crescimento de empréstimos e ganhos de eficiência. O Banco do Brasil (BBAS3) cedeu 0,1%. A RD (RADL3) foi o maior destaque com um salto de 9,25%, tocando máximas históricas, após a empresa divulgar na véspera aumento de 13% do lucro do segundo trimestre sobre um ano antes, refletindo contínua expansão da rede de lojas, embora com pequeno recuo nas margem diante de política de preços mais agressiva. A BB Seguridade avançou 2,04%, em meio à alta do lucro líquido no segundo trimestre, enquanto elevou projeções para 2019, refletindo a combinação de melhora no desempenho operacional e do resultado financeiro na primeira metade do ano. Após oscilações, a Gerdau (GGBR4) caiu 0,92%, após fechar o segundo trimestre com lucro de 373 milhões de reais, queda de 46,5% ante mesmo período de 2018, afetada por desinvestimentos em 2018 e revisão de investimentos para 2019. As Lojas Americanos recuou 2,4%, após acordo entre a mexicana Femsa e a Raízen na área de lojas de conveniência, em plano que prevê buscar agressivo crescimento nos próximos anos. Para o Brasil Plural (BPFF11), o acordo pode tornar a vida da Lojas Americanas (LAME4) um pouco mais difícil do que o esperado. Dólar Influenciado pelos mesmos motivos, o dólar comercial encerrou o pregão com alta de 0,478%, cotado a R$ 3,97. Com Investing.com