Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Comum em economias desenvolvidas

Títulos com juros negativos? Sim, eles existem. E tem quem compre!

A maioria desconhece a existência dos juros negativos, mas investimentos assim existem. E, por mais difícil que seja de acreditar, eles são muito procurados por investidores

30 setembro 2021 - 15h49Por Redação SpaceMoney

Que tal comprar um título de renda fixa que paga -1,0% ao ano? Ou então emprestar R$ 150 para alguém que, no fim do prazo, vai te devolver somente R$ 140? Não faz muito sentido, certo?

Mas investimentos assim existem. E, por mais difícil que seja de acreditar, eles são muito procurados por investidores.

A maioria desconhece a existência dos juros negativos. O nome, por si só, causa estranheza. Afinal, como pode existir algo com valores negativos no mercado? Confira como eles funcionam:

O que são juros negativos e qual a lógica por trás deles?

Títulos com juros negativos surgem quando autoridades monetárias de um país fixam a taxa básica de juros (como a Selic no Brasil) em um valor abaixo de zero, o que influencia os ativos indexados a ela. 

As taxas “abaixo de zero” foram muito utilizadas para os países se recuperarem da crise financeira mundial de 2008,  por exemplo.

À época, o sistema financeiro americano praticamente “quebrou” por conta de um fenômeno de enorme inadimplência no mercado imobiliário, o que gerou uma crise de grandes proporções em todo o mundo. 

Para tentar sanar os efeitos e não deixar o consumo cair, os Bancos Centrais de diversos países diminuíram as taxas básicas de juros, estabelecendo até mesmo valores abaixo de zero, estimulando a população a gastar em vez de deixar o dinheiro rendendo.

Essa é uma estratégia utilizada não apenas nos tempos de crise: atualmente, diversos países, como Japão e Suiça, oferecem títulos com taxas negativas com esse mesmo propósito.

Confira o patamar das taxas básicas de juros anuais de outros países:

Argentina: 38%
Austrália: 0,10%
Brasil: 6,25%
China: 3,85%
União Europeia: 0,0%
Dinamarca: – 0,35%
Estados Unidos: 0,0%
Japão: – 0,10%
México: 4,50%
Reino Unido: 0,10%
Rússia: 6,75%
Suíça: – 0,75%
Turquia: 18,00%

Qual a lógica de investir em títulos com juros negativos?

Perder menos. Uma vez que os bancos europeus e japoneses cobram taxas para manutenção de contas correntes (mesmo sem movimentação), é mais barato investir do que deixar o dinheiro parado.

Esse é ainda um cenário difícil de imaginar no Brasil. Atualmente, a nossa taxa básica de juros (Selic) está em ciclo de alta.

Na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), responsável por definir a meta da Selic, foi definido que a taxa ficaria em 6,25% ao ano, mas especialistas consultados pelo relatório Focus (também do Banco Central) acreditam que ela deve ultrapassar os 8% a.a. até o final de 2021. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: