sexta, 24 de maio de 2024
Política

O que acontece na Política - reforma ministerial a conta-gotas; o futuro de Jean Paul Prates

E, ainda, o governo federal vai buscar acelerar o processo de seleção de Magda Chambriard para tentar aprovar seu nome como nova presidente da Petrobras (PETR3)(PETR4)

16 maio 2024 - 10h06Por Redação SpaceMoney

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai buscar acelerar o processo de seleção de Magda Chambriard para tentar aprovar seu nome como nova presidente da Petrobras (PETR3)(PETR4) até o fim de maio ou início de junho, informou o blog de Valdo Cruz, no g1.

 

Reforma ministerial a conta-gotas

O prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT-SP), desponta como o nome mais cotado tanto para assumir a vaga de Paulo Pimenta (PT-RS), na Secretaria de Comunicação Social (Secom), como para presidir o PT, mas, no caso do partido, seria somente a partir de 2025, quando Gleisi Hoffmann (PT-PR) deixa o cargo.

As informações são da colunista Vera Rosa, do jornal O Estado de S.Paulo.

A ida de Hoffmann para o governo federal, aliás, tem sido dada como certa no ano que vem, mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda não definiu para qual lugar.

As mudanças no primeiro escalão estavam previstas para depois das eleições municipais de outubro, mas em várias conversas reservadas Lula admitiu insatisfação com integrantes da equipe, como os ministros Márcio Macêdo (Secretaria-Geral da Presidência) e Wellington Dias (Desenvolvimento Social).

Um dos cenários em estudo por Lula prevê tirar Macêdo da Secretaria-Geral da Presidência, que pode ficar com Pimenta quando ele retornar a Brasília após seu período como secretário-extraordinário da reconstrução do Rio Grande do Sul (RS).

O presidente ainda não sabe onde encaixar Macêdo.

As informações são da colunista Vera Rosa, do jornal O Estado de S.Paulo.

 

O futuro político de Jean Paul Prates

O ex-presidente da Petrobras (PETR3)(PETR4) e ex-senador Jean Paul Prates (PT-RN) disse a amigos que considerou sua demissão “humilhante” e avalia a possibilidade de se desfiliar do PT.

“Não sei se ficarei no PT depois dessa”, escreveu Prates, na madrugada desta quarta-feira, 15, em mensagem enviada para um amigo, à qual o Estadão teve acesso. “A forma dessa demissão foi muito humilhante. O partido não trata dos seus quadros. Está condenado a envelhecer e se perder em meio a alianças cada vez mais exigentes e perigosas”.

As informações são da colunista Vera Rosa, do jornal O Estado de S.Paulo.

 

Acervo de Dilma Rousseff

A inundação que atingiu o acervo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), guardado no Rio Grande do Sul (RS), gerou consternação entre pessoas que cuidaram dos presentes recebidos pela petista à época em que ela ocupava a Presidência da República, entre 2011 e 2016, informou a coluna de Mônica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo.

Os itens estavam armazenados em um galpão do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), na cidade de Eldorado do Sul.

Pessoas familiarizadas com o conteúdo ouvidas pela coluna afirmam que podem ter sido perdidos ou danificados presentes de autoridades como o do agora presidente dos EUA, Joe Biden, uma carta enviada pela rainha Elizabeth 2ª, quadros e esculturas de artistas como Francisco Brennand e Romero Britto, tapetes cedidos por embaixadas, medalhas, condecorações e mapas, entre outros conteúdos.

Cogita-se, ainda, a possibilidade de a água das enchentes ter atingido correspondências extraoficiais com outros chefes de Estado e documentos da época em que Rousseff comandou os ministérios de Minas e Energia (MME) e da Casa Civil.

Presentes e cartas entregues por populares, apoiadores e movimentos sociais também estão lá.

As informações são da coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.