terça, 30 de novembro de 2021
varejo

Varejo e saneamento prometem em 2020; previsões da XP para cada setor econômico

26 dezembro 2019 - 16h15Por Redação SpaceMoney
Varejo, Bancos e Seguradoras, Rodovias e Locadoras. A XP Investimentos analisou o cenário de 2020 para esses principais setores da economia. O ano de 2020 está prestes a começar e traz consigo a expectativa de recuperação mais consistente da economia brasileira, a partir da retomada da geração de empregos formais, da menor taxa de juros da história e de uma inflação sob controle. Para saber um pouco mais sobre as projeções macroeconômicas para o próximo ano, ouça o Spacecast, o podcast de educação financeira da SpaceMoney. De fato, os indicadores macroeconômicos são animadores, de acordo com diversos economistas. Mas para ir mais a fundo nas previsões, devemos consultar os especialistas. 

Varejo

A princípio, existe um otimismo em relação ao varejo, setor que deve se beneficiar de uma macroeconomia mais aquecida, em especial os setores de duráveis e vestuário. As ações que podem ter uma elevação mais acentuada são aquelas que apresentam uma exposição maior ao ciclo de retomada do consumo, um maior potencial de crescimento de lucro e/ou atrativos de risco-retorno mais assimétricos, o que pode beneficiar o investidor.  Estão sob cobertura da XP nessa área de varejo: Lojas Renner (LREN3), Lojas Americanas (LAME3), Via Varejo (VVAR3), Magazine Luiza (MGLU3), B2W (BTOW3), VIVARA (VIVA3).

Saneamento

A aprovação de um novo marco regulatório para o setor de saneamento, em especial com a perspectiva de privatizações de estatais e possibilidade de novas listagens na bolsa, faz do início de 2020 um momento atrativo para o investimento. A empresa preferida da XP para esse momento é a Sanepar, por apresentar um risco-retorno atrativo, apesar do histórico dizer o contrário. Estão sob cobertura da XP nessa área: Sabesp (SBSP3), Copasa (CSMG3), Sanepar (SAPR4).

Elétrico

A matriz energética brasileira é composta essencialmente de hidrelétricas, com 70% da produção vinda dessa fonte. Dessa forma, nos meses de outubro-novembro, as chuvas vieram 43% abaixo do esperado, o que deve comprometer a geração de energia num curto prazo, caso não ocorra uma retomada na época de chuvas de dezembro até abril. Apesar disso, 2019 foi um ano positivo para o setor elétrico, com perspectivas para uma revisão da taxa de desconto para as distribuidoras e novos leilões de transmissão e geração de energia. Estão sob cobertura da XP nessa área: Equatorial (EQTL3), Engie (EGIE3), Taesa (TAEE11), EDP Energias do Brasil (ENBR3), AES Tietê (TIET11).

Combustível

A recuperação gradual da economia deve trazer uma elevação no consumo de combustíveis e, assim, uma melhora nas empresas do setor, que enfrentou uma maior competição no ano de 2019 devido a política de preços da Petrobras. As três companhias destacadas de acordo com a XP são a BR Distribuidora, a Raízen Combustíveis e a Ipiranga, que devem apresentar uma participação no mercado bem diferente uma da outra. A preferência vai para as ações da Cosan (joint-venture da Raizen com a Shell), por apresentar um plano estratégico mais bem definido do que as demais.  Estão sob cobertura da XP nessa área: Cosan (CSAN3), Ultrapar (UGPA3), BR Distribuidora (BRDT3).

Bancos e Seguradoras

Bancos

Os bancos devem se beneficiar com diversos fatores em 2020, bem como, a retomada da economia, diminuição da inadimplência e maior tomada de crédito, que deve aumentar com a entrada de pessoas físicas e Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Contudo, é preciso levar em conta que a queda da Selic deve diminuir a margem financeira, o aumento da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), de 15% para 20%, que deverá abalar o lucro dos bancos no primeiro trimestre do ano que vem, e a competição com novos bancos e fintechs. Com isso, bancos varejistas como o Bradesco e Banco do Brasil devem se beneficiar em especial de uma maior tomada de crédito, porque ambos têm, somados, quase 9 mil agências espalhadas pelo país, e essa capilaridade é uma vantagem frente a bancos menores ou virtuais.

Seguradoras

As expectativas de aumento no número de seguros agrícolas, divulgado pelo Ministério da Agricultura, seguros do risco de engenharia, com a retomada da construção civil e de seguros de vida, com o aumento de empregos formais, são boas notícias para as seguradoras para o ano que vem, segundo estima a XP. Contudo, para ela, duas são as que devem se destacar em 2020: a SulAmérica e a BB Seguridade. Estão sob cobertura da XP nessa área: Itaú (ITUB3), Bradesco (BBDC3), Santander (SANB11), BB Seguridade (BBSE3), IRB (IRBR3), SulAmérica (SULA11).

Serviços financeiros

Os investidores devem ficar mais atentos a outras formas de alocar seus recursos, tendo em vista um cenário em que a renda fixa e a poupança deixaram de ser tão atrativos, o que deve impulsionar a B3 e outras formas de renda variável. Para a Cielo, uma das empresas no foco da XP, o mercado deve ser mais desafiador, com concorrentes cortando taxas de administração e retirando taxas de crédito. Estão sob cobertura da XP nessa área: Cielo (CIEL3) e B3 (B3SA3).

Mineração e siderurgia

Após o anúncio de suspensão de tarifas de importação, na última segunda-feira (23), o mercado de minério de ferro abriu os olhos para um potencial crescimento em 2020, com a volta dos preços da commodity ao mesmo patamar de 2018, em torno de US$ 70 por tonelada. Nesse cenário, a XP aposta na Vale, com um preço atrativo e a possibilidade de uma geração de caixa, e na Gerdau, com a chance de uma recuperação da construção civil no Brasil. Estão sob cobertura da XP nessa área: Vale (VALE3), Gerdau (GGBR3), Usiminas (USIM3), CSN (CSNA3), Suzano (SUZB3), Klabin (KLBN3), Bradespar (BRAP3), Metalúrgica Gerdau (GOAU3).

Papel e Celulose

A principal variável que é preciso estar atento em 2020 são os estoques de celulose. O destaque da cobertura da XP vai para a Suzano, que tem apresentado o que se chama de “produção disciplinada”, o que ajuda a controlar os estoques, embora ainda não se saiba qual é o novo nível normal para eles.  A empresa agora pratica uma “desestocagem”, mirando em um início de ano com um potencial de alta no preço da celulose. Estão sob cobertura da XP nessa área: Suzano (SUZB3), Klabin (KLBN3).

Rodovias

A visão é positiva para o setor de rodovias, com um cronograma sólido de projetos de infraestrutura e novas concessões para os próximos anos. O segmento deve apresentar ganhos no curto e médio prazos, frente a uma taxa de juros mínima. Estão sob cobertura da XP nessa área: Ecorodovias (ECOR3), CCR (CCRO3).

Alimentos e Bebidas

Os frigoríficos devem continuar se beneficiando do surto de Peste Suína Africana, em especial nos rebanhos da China, que teve sua produção reduzida em 2019. Os exportadores de proteína animal continuarão a abastecer o país asiático, sem perder de vista outros bons compradores: os norte-americanos e o mercado brasileiro. A retomada da economia favorecerá esse setor, que, por sua vez, impulsionará o segmento de bebidas. Em resumo, a XP aposta que 2020 será um momento positivo para ambos. Estão sob cobertura da XP nessa área: JBS (JBSS3), Marfrig (MRFG3), BRF (BRFS3), Ambev (ABEV3).

Aéreas

Apesar de ter pouca penetração no Brasil, o setor aéreo é visto como um mercado em construção. Esse mercado também será beneficiado pela retomada da economia nacional. Afinal, o que pode realmente frear esse crescimento é o câmbio mais elevado, o que desestimula a compra de passagens aéreas e viagens.  A XP destaca uma preferência pela empresa Azul por estar menos suscetível à concorrência e pelo relativo crescimento acima das demais.  Estão sob cobertura da XP nessa área: JBS (JBSS3), Marfrig (MRFG3), BRF (BRFS3), Ambev (ABEV3).

Locadoras

Em se tratando de locação de veículos, a XP destaca que 2020 pode ser um ano positivo. Por isso, não destaca uma empresa em específico e mantém uma recomendação de compra para todas as companhias do setor.  Em 2019, essas empresas se destacaram por apresentarem forte crescimento e consolidaram o mercado nesse segmento. Com o aumento de aplicativos de transporte individual, o setor deve continuar apresentando bons números.  Estão sob cobertura da XP nessa área: Movida (MOVI3), Localiza (RENT3), Unidas (LCAM3).

Shoppings

As vendas no varejo devem impulsionar também o setor de shoppings. Em especial pela ainda baixa penetração que a compra em shoppings têm nas compras do varejo. Então, com isso, retomada do consumo pode ajudar na redução gradual dos descontos concedidos aos contratos de aluguel de lojistas, o que favoreceria os vendedores. Estão sob cobertura da XP nessa área:  Iguatemi (IGTA3), Multiplan (MULT3), brMalls (BRML3).
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content