domingo, 16 de janeiro de 2022
[Square Banner - Mobile Topo 2] [300x250] [mobile] - Assessoria Ipê Investimentos 2022
[SpaceNow Desktop] [200x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
[SpaceNow Mobile] [150x74] [spacenow] - Melhores oportunidades 2022
O que influencia o dia

Veja as principais notícias dos mercados globais desta sexta-feira (14)

Casa Civil passa ter poder sobre as decisões orçamentárias, os dados de vendas no varejo nos EUA darão uma nova indicação de quanto o mercado precisa se preocupar com o aumento das taxas de juros e mais

14 janeiro 2022 - 09h26Por Investing.com
[Billboard Topo 2] [970x250] [pagina-inicial] - Melhores oportunidades 2022

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - Casa Civil passa ter poder sobre as decisões orçamentárias.

Os dados de vendas no varejo nos EUA darão uma nova indicação de quanto o mercado precisa se preocupar com o aumento das taxas de juros e a força da economia americana.

As negociações diplomáticas destinadas a impedir uma nova invasão russa da Ucrânia fracassam sem progresso.

[04] [Square Detalhe Notícia] [300x250] [geral] Melhores investimentos 2022

Os preços da energia na Europa voltam a subir em resposta.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na sexta-feira, 14 de janeiro:

1. Guedes perde mais poderes

O Ministério da Economia deixa de ter poder sobre a decisão de ajustes no Orçamento Geral da União, após o presidente Jair Bolsonaro (PL) decretar que essa competência passe para a Casa Civil.

O texto publicado no Diário Oficial determina que a Casa Civil dê o aval para abertura de crédito suplementar e a transferência de dotações orçamentárias.

Já o cumprimento de regras fiscais e da meta de resultados primários continuará a cargo da Economia.

A discussão sobre a retirar a influência do ministro Paulo Guedes sobre as decisões orçamentárias já aconteciam há meses, por causa da dificuldade em liberar verbas para acordos parlamentares.

Porém, com o fortalecimento do bloco parlamentar centrão no governo federal, a proximidade das eleições e o desempenho ruim do presidente nas pesquisas, o cenário favoreceu a troca política.

2. Vendas a retalho devidas; Fluxos comerciais da China começam a esfriar

Os números de vendas no varejo dos EUA são devidos para dezembro às 10h30 e devem ter caído 0,1% em termos ajustados sazonalmente no mês – um final moderado para um ano selvagem.

Vendas principais no varejo devem ter aumentado 0,2%, um quinto aumento mensal consecutivo, apesar dos sinais de que os consumidores reduziram as economias acumuladas no ano passado.

Os resultados da Experian (LON:EXPN), divulgados ontem à noite, falaram de um aumento acentuado nas consultas de consumidores para pontuação de crédito.

Em outros lugares da noite para o dia, houve sinais de que o boom maciço no comércio de mercadorias da China esfriou no final do ano.

O crescimento das exportações desacelerou para 20,9% no ano, enquanto crescimento das importações desacelerou de mais de 30% para menos de 20%.

Mesmo assim, o superávit comercial de US$ 676 bilhões do país no ano passado foi um novo recorde e uma ilustração poderosa de quanta demanda do consumidor foi criada pelo estímulo do governo mais a oeste.

3. Ações devem abrir com salto modesto depois que os nervos da taxa nova atingiram a tecnologia

As ações dos EUA devem abrir modestamente em alta mais tarde, em estabilidade após a venda abrupta de quinta-feira com novos temores sobre um ano de aumentos nas taxas de juros.

O presidente do Federal Reserve, Chris Waller, disse à Bloomberg que três aumentos das taxas para 2022 “é uma boa linha de base”, um comentário tomado para implicar o risco de mais ser necessário.

Além disso, economistas do setor privado levantaram a perspectiva de o Fed encerrar suas compras de títulos imediatamente quando se reunir no final deste mês.

Às 09h04, os futuros da Nasdaq 100 recuavam 0,08%, enquanto os da S&P 500 e da Dow Jones subiam 0,06% e 0,15%, respectivamente. 

O rendimento do Tesouro de referência de 10-Year subiu três pontos-base em 1,75%.

4. As negociações EUA-Rússia sobre a Ucrânia fracassam

Os preços de energia no atacado na Europa subiram novamente em uma combinação de fatores, aumentando a probabilidade de ruptura econômica nos próximos meses.

As negociações entre os EUA e a Rússia sobre a Ucrânia terminaram sem fazer nenhum progresso durante a noite, e isso foi seguido por um ataque cibernético generalizado em sites do governo ucraniano.

O rublo e as ações russas foram vendidas com medo de que outra incursão russa fosse recebida com novas sanções dos EUA e da Europa, embora os senadores dos EUA tenham bloqueado novas sanções no oleoduto Nord Stream 2 na quinta-feira.

Os futuros de gás de referência do noroeste da Europa subiram até 13,0%, para 96 euros por megawatt-hora (US$ 110/MWh), no mesmo dia em que novos dados mostraram que os níveis de armazenamento na Europa caíram abaixo de 50%, cerca de seis semanas antes do normal.

Isso aumenta as perspectivas de racionamento mais tarde neste inverno, se o clima excepcionalmente ameno ficar mais frio.

Ao mesmo tempo, os futuros de eletricidade dispararam novamente quando a Electricite de France cortou sua previsão de produção devido a mais interrupções não planejadas do reator.

As ações da EDF (PA:EDF) caíram 23%, a maior já registrada, com a notícia após um decreto do governo forçando-a a vender mais energia com um grande desconto em relação aos preços de mercado para aliviar a dor dos consumidores.

5. Petróleo sobe novamente com o comércio da China e a tensão na Rússia

Os preços do petróleo bruto subiram para novas máximas de dois meses durante a noite após os dados comerciais chineses, em um cenário de preocupações persistentes sobre a capacidade do setor petrolífero global de produzir o petróleo que um mundo em recuperação precisará este ano.

Às 09h07, os futuros de petróleo nos EUA subiam 0,63%, a US$ 82,64 o barril, enquanto os do Brent avançavam 0,75%, a SU$ 85,10 o barril.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content