Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Vale

Vale sofre com novo risco de rompimento de barragem; corretoras analisam impactos na empresa

17 maio 2019 - 10h19Por Angelo Pavini
O Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) fez uma recomendação à mineradora Vale para que a empresa adote “imediatamente” uma série de medidas para deixar claro à população de Barão de Cocais (MG) sobre os riscos de rompimento da barragem de mineração Sul Superior, da Mina de Gongo Soco. De acordo com a Vale, o rompimento poderá ocorrer entre 19 e 25 de maio. A Vale informou que fará simulado de evacuação com os moradores de Barão de Cocais no próximo sábado, 18 de maio, às 15 horas. A mina está inativa e esgotada desde 2016.

Mina inativa e menor risco de mortes

Para a Bradesco Corretora, o risco maior é de danos materiais e ambientais, já que a empresa já tomou as providências para evitar novas mortes como em Brumadinho. E, como a mina está inativa, o anúncio não deve afetar a produção da empresa, lembram os analistas do Bradesco. Para eles, os efeitos de Brumadinho ainda pesam sobre as ações da Vale.

Quer investir em ações da Vale mas não sabe por onde? Abra uma conta na Órama e comece a investir!

O reconhecimento de R$ 4,3 bilhões de perdas no balanço do primeiro trimestre foi um passo positivo e pode melhorar a confiança dos investidores. A ação da Vale é a principal indicação da corretora na área para a América Latina, com preço justo de R$ 66,00. Ontem, o papel sofreu com a notícia e com o mercado em geral e caiu 3,32%, para R$ 46,40. Também para o BB Investimentos, é difícil antecipar quais os efeitos desse evento. No caso de um colapso, a lama cairia em uma cava de 1,5 quilômetro. Entretanto, dependendo de seu estado de liquefação, esta lama poderia avançar em maior ou menor velocidade a um raio maior ou menor de distância. O banco destaca que a área chamada de Zona de AutoSalvamento (ZAS) compreende um raio de 10 quilômetros, o que daria um tempo de 30 minutos para a saída das pessoas. E como as pessoas já foram removidas da área, o risco humano poderia ser minimizado. O BB Investimentos tem recomendação de compra para o papel e preço-alvo de R$ 62,00. A informação sobre o risco de rompimento foi obtida pelo MPMG junto à própria minerador que descreveu em documento “uma deformação no talude norte da Cava de Gongo Soco, na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, passível de provocar a sua ruptura, gerando vibração capaz de ocasionar a liquefação da Barragem Sul Superior, levando ao rompimento da estrutura e, por conseguinte, danos sociais e humanos imensuráveis para a região”. Segundo nota do MPMG, divulgada nesta quinta-feira (16), a Vale deve comunicar “por meio de carros de som, jornais e rádios, informações claras, completas e verídicas” sobre a condição estrutural da barragem. O Ministério Público quer que moradores e pessoas que estejam transitoriamente na cidade, no sudeste de Minas Gerais, saibam dos “potenciais danos e impactos de eventual rompimento”. A recomendação assinala que a empresa deve fornecer “total apoio logístico, psicológico, médico, bem como insumos, alimentação, medicação, transporte e tudo que for necessário” às pessoas eventualmente atingidas. A Vale também deverá manter posto de atendimento 24 horas nas proximidades dos centros das cidades de Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Os postos deverão “contar com equipe multidisciplinar preparada para acolhimento, atendimento e atuação rápida e pronta a serviço dos cidadãos”. Em comunicado, a Vale ressalta que “não há elementos técnicos até o momento para se afirmar que o eventual escorregamento do talude Norte da Cava da Mina Gongo Soco desencadeará gatilho para a ruptura da Barragem Sul Superior”. Em 8 de fevereiro, a Vale acionou nível de alerta 2 para a Barragem Sul Superior e “desde então […] vem mantendo interlocução com as comunidades, prefeituras, defesas civis, empresas e demais órgãos competentes da região”. Naquela data, diz a Vale, cerca de 400 pessoas da Zona de Autossalvamento (ZAS) da barragem – comunidades de Piteiras, Socorro, Tabuleiro e Vila do Gongo “haviam sido removidas preventivamente e foram acolhidas em moradias provisórias”, alugadas pela empresas, hotéis, pousadas da região e casa de familiares. Em 23 de maio, o nível de alerta passou de 2 para 3, com o acionamento das sirenes no município. Dois dias depois, moradores do município chegaram a simular fuga da área que pode ser atingida. Com informações da Agência Brasil. O post Vale sofre com novo risco de rompimento de barragem; corretoras analisam impactos na empresa apareceu primeiro em Arena do Pavini.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: