segunda, 06 de dezembro de 2021
Ações

Lojas Americanas, B2W: efeito pandemia será mitigado aos poucos, dizem analistas

05 março 2021 - 16h47Por Investing.com

Por Ana Carolina Siedschlag

Investing.com - As ações das Lojas Americanas (LAME4) e da B2W (BTOW3) registravam queda na B3  nesta sexta-feira (5) após registrarem lucro líquido de R$ 400,4 milhões e R$ 16 milhões, respectivamente, com resultados impactados pelas restrições em relação à Covid-19 do final do ano.

Perto das 16h35, os papéis LAME4 eram negociados a R$ 23,77, com queda de 4,6%. Já a BTOW3 era negociada a R$ 71,24, com queda de 4,61%.

Para a XP Investimentos, os balanços confirmaram o resultado fraco esperado para as companhias, com B2W tendo crescimento ainda baixo, de 38% na base anual.

Segundo os analistas, no entanto, a aceleração do ritmo de crescimento do volume bruto de mercadorias no meio online, ou GMV, está em linha com a expectativa de que a companhia se destaque em 2021 em termos de ganhos de participação de mercado. Isso, explicam, devido a uma base de comparação “mais fácil”, já que o marketplace foi mais prejudicado em 2020, aliado a melhores condições oferecidas aos vendedores parceiros e consumidores.

Os analistas mantiveram a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 121.

Já o BTG Pactual (SA:BPAC11) apontou que, embora a B2W tenha reportado um ritmo de crescimento mais lento no final de 2020, os resultados no início de 2021 devem levar a um melhor momentum para as ações no curto prazo, principalmente após a recente correção.

Os analistas apontam que, apesar da expectativa de que parte da migração do comércio offline para o e-commerce perca espaço nos próximos meses e do ambiente macroeconômico volátil, há uma tendência estrutural positiva para plataformas horizontais com grande variedade, tráfego e foco em níveis de serviço, como a B2W.

Com isso, os analistas mantiveram a recomendação de Compra para o papel, com preço-alvo de R$ 120.

A Ativa Investimentos, que também manteve a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 98 para o papel, destacou a forte geração de caixa no trimestre devido a um bom controle das vendas diretas, gestão de capital de giro e um nível de CAPEX "um pouco abaixo" do acumulado nos primeiros 9 meses do ano.

Já os analistas do Goldman Sachs também mantiveram a recomendação de Compra tanto para B2W como para Lojas Americanas, na expectativa da fusão entre as duas empresas e da execução de recentes mudanças na operação do ambiente digital, que podem elevar o GMV da B2W.

Lojas Americanas

Para as Lojas Americanas, os analistas da XP Investimentos destacaram as menores despesas operacionais, mas com queda nas vendas mesmas lojas de 5,2% na base anual, o dobro do registrado no terceiro trimestre em decorrência de maiores restrições contra a Covid-19.

Ainda assim eles mantiveram a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 36 para ação.

Já o BTG Pactual apontou que a companhia reportou números de receita um pouco abaixo do esperado, como consequência dos impactos da pandemia, com 11% de sua área de lojas fechada no quarto trimestre, o que desacelerou a recuperação gradual de receita observada nos meses anteriores.

Os analistas destacaram que a queda de 11 pontos percentuais na margem bruta da varejista foi em razão da maior demanda por itens essenciais como perfumaria, higiene pessoal e cosméticos, mas parcialmente compensada por um melhor controle de custos e renegociações de despesas de aluguel.

Eles alertaram, ainda, que o EBITDA da companhia, de R$ 994 milhões, queda de 6% na base anual, foi afetado por despesas gerais e administrativas acima do esperado, principalmente devido a algumas contingências trabalhistas no período, que os analistas esperam “não persistir no futuro”.

Eles mantiveram a recomendação de Compra, com preço-alvo de R$ 38, por verem uma recuperação gradual nos próximos meses, com os recentes anúncios da parceria com a BR Distribuidora, o início dos estudos para a fusão e múltiplos relativamente atrativos abrindo caminho para um re-rating.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content