Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Petróleo sobe com Sally e fortes dados chineses; Relatório da API é esperado

15 setembro 2020 - 13h54Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo recuperaram o ímpeto na terça-feira (15), depois que a forte produção industrial e os dados de vendas no varejo da China garantiram ao mercado que pelo menos um dos principais centros de demanda do mundo ainda está em um caminho claro de recuperação.

Às 12h08 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA subiam 1%, a US$ 37,61 o barril, enquanto o benchmark internacional Brent estava sendo negociado com alta de 0,6%, a US$ 39,84 o barril.

Os futuros gasolina RBOB nos EUA subiam 0,9%, para US$ 1,1165 o galão.

Os ganhos foram limitados pelo relatório mensal da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), que corroborou a perspectiva sombria apresentada pela Opep em seu relatório equivalente na segunda-feira. A IEA reduziu sua previsão para a demanda global este ano em mais 300.000 barris por dia, para um nível visto pela última vez em 2013.

“Esperamos que a recuperação da demanda por petróleo desacelere acentuadamente no segundo semestre de 2020, com a maioria dos ganhos fáceis já alcançados”, disse a agència em seu relatório. “O caminho à frente é traiçoeiro em meio ao ressurgimento de casos de Covid-19 em muitas partes do mundo.”

A agência chamou atenção para o papel desempenhado pela Índia, um dos maiores importadores do mundo, mas atualmente atormentado pela pior curva de coronavírus do mundo, com novos casos chegando a mais de 94.000 por dia e o número de mortes aumentando para mais de 1.100 por dia.

Junto com os relatórios da IEA e da Opep, um novo relatório da BP na segunda-feira também pesa sobre o sentimento do mercado. A BP argumentou que a demanda mundial de petróleo pode começar seu declínio de longo prazo mais de uma década antes do que se pensava, conforme a estrutura da economia e o uso de energia mundial mudam sob a influência da pandemia.

A avaliação do furacão Sally tem sido modestamente favorável, com o BSEE dos EUA dizendo que mais de 21% da capacidade de produção no Golfo do México foi fechada por precaução. Ainda assim, isso é muito menos do que foi afetado pelo furacão Laura no início da temporada, e o alto nível contínuo de estoques de petróleo significa que qualquer déficit temporário do Golfo dificilmente fará falta.

O National Hurricane Center rebaixou o Sally a um furacão de categoria 1 durante a noite. A chegada deve ocorrer entre Nova Orleans e o Pântano da Flórida no final desta semana, bem longe da concentração de refinarias no leste do Texas e oeste da Louisiana. Como tal, sua capacidade de perturbar o mercado deve ser muito menor do que a de Laura.

Às 17h30, o American Petroleum Institute divulgará sua estimativa semanal dos níveis de estoque dos EUA.

“Se os estoques subirem novamente, o que não é improvável, será outra indicação de baixa para o mercado”, disse Bjornar Tonhaugen, analista sênior do mercado de petróleo da consultoria Rystad Energy. “Mas, desta vez, fique de olho no armazenamento flutuante também, já que os números em terra podem não dar uma imagem completa.”

Veja os fatores que influenciam os mercados hoje

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: