sábado, 04 de dezembro de 2021

LCA: mercado vê Brasil pronto para enfrentar riscos externos e políticos

23 janeiro 2019 - 11h12Por Angelo Pavini
O Fórum Econômico Mundial de Davos teve início nesta semana sob um número crescente de alertas a respeito dos riscos para a estabilidade econômica global. Os principais riscos incluem a escalada da disputa comercial entre EUA e China, a desaceleração chinesa, o Brexit e os efeitos das mudanças climáticas. Nesse contexto, o FMI revisou para baixo suas projeções de crescimento mundial, de 3,7% para 3,5% este ano, afirmando que a expansão global vem desacelerando a um ritmo “um pouco mais rápido do que o esperado”, e alertou que vem aumentando o risco de que promova novas reduções, “mais significativas”, no crescimento mundial esperado. Apesar desses “alertas de risco”, os mercados financeiros internacionais têm operado sob menor tensão – em boa medida pela percepção de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) reagirá aos sinais de esfriamento econômico global interrompendo o ciclo de elevação de sua taxa básica de juros. A avaliação é da LCA Consultores, em relatório enviado aos clientes hoje. No Brasil, os mercados também têm mostrado resiliência aos alertas de risco e ao desgaste provocado pelas denúncias contra Flávio Bolsonaro, envolvendo os negócios de seu ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e que foram agravadas hoje após denúncias de que ele teria contratado a mãe de um miliciano foragido da polícia. Isso porque o desgaste de imagem poderia reforçar a percepção, no governo, de que a agenda econômica é fundamental para a sua sustentação política, diz a consultoria. O bom desempenho dos mercados domésticos desde a eleição – evidenciado pela forte valorização das bolsas de valores, pelo recuo do risco-Brasil em relação à taxa média de risco das economias emergentes e pela apreciação da cotação cambial – parece refletir esse otimismo cauteloso dos mercados com a agenda econômica sob o novo governo, diz a LCA. Essa agenda contemplaria, além da reforma previdenciária, que teria efeito de reforçar a confiança no reequilíbrio das contas públicas, uma simplificação tributária e um cronograma de privatizações (propostas que poderiam destravar os investimentos e conferir maior consistência ao crescimento econômico). As expectativas favoráveis para a agenda econômica parecem vir preponderando sobre os indicadores mais recentes a revelar que a atividade econômica corrente continua anêmica. O post LCA: mercado vê Brasil pronto para enfrentar riscos externos e políticos apareceu primeiro em Arena do Pavini.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content