Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Ibovespa futuro

Ibovespa futuro abre em queda com exterior tenso e política local

01 junho 2020 - 09h32Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - O índice futuro do Ibovespa inicia a sessão desta segunda-feira com desvalorização de 0,34% aos 87.282 pontos às 09h09, com o dólar subindo 0,14% a R$ 5,3437. A cautela deve marcar o início da semana com o temor da convulsão social no Brasil e nos EUA e geopolítica registrada ao longo do fim de semana, com piora na relação entre os Estados Unidos e a China - apesar do discurso brando do presidente Donald Trump sobre Hong Kong. Nos EUA, protestos violentos em vários estados dos EUA após a morte de um homem negro por policiais brancos em uma abordagem. No Brasil, a crescente polarização política e violência em atos pró e contra o presidente Jair Bolsonaro em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro podem elevar a tensão política no país, ainda mais com a comparação do ministro do STF Celso de Mello comparando a situação atual do Brasil com o período de ascensão do nazismo na Alemanha. Tudo isso em meio ao crescimento de casos do coronavírus no país. - Cenário Interno IPC-S O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou deflação de 0,54% em maio com forte queda nos preços de Educação e Transportes em meio à crise do coronavírus, depois de recuar 0,18% em abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira. A FGV mostrou que o grupo Educação, Leitura e Recreação teve recuo de 2,12% no mês, acelerando ante a queda de 0,90% em abril. Já os custos de Transportes recuaram 2,06% em maio, após queda de 2,02% no mês anterior. Destacou-se o comportamento do item gasolina, cuja queda chegou a 7,08%. Por outro lado, Alimentação registrou a maior alta, de 0,37% em maio, embora tenha desacelerado ante 1,10% em abril. Covid-19 O Brasil ultrapassou a marca de 500 mil casos de coronavírus neste domingo e registrou 480 novas mortes, de acordo com os dados informados pelo Ministério da Saúde. Foram reportados 16.409 novos casos em 24 horas, levando o total de infecções no país a 514.849. O Brasil é o segundo país com maior número de casos de coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos com mais de 1,7 milhão de infecções. Já as mortes aumentaram em 480 no período, totalizando 29.314 no país. Os números mostram uma desaceleração em relação ao recorde de novos casos registrados na véspera, mas a divulgação diária dos números da Covid-19 no Brasil pelo Ministério da Saúde não indica que as infecções e óbitos tenham necessariamente ocorrido nas últimas 24 horas, mas sim que os registros foram inseridos no sistema no período. - Cenário Externo China A atividade industrial da China voltou inesperadamente a crescer em maio uma vez que as medidas de contenção do coronavírus foram aliviadas, mas a melhora foi marginal já que as encomendas para exportação continuaram a encolher, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit. O PMI final de indústria do Caixin/Markit subiu a 50,7 no mês passado, de 49,4 no mês anterior. A marca de 50 separa crescimento de contração. Analistas consultados pela Reuters esperavam leitura de 49,6. Embora modesta, a leitura de maio foi a mais alta desde janeiro, diante do forte aumento na produção conforme as empresas retornam ao trabalho e entregam encomendas em atraso. As cadeias de oferta também se estabilizaram após fortes disrupções mais cedo no ano. Zona do euro As indústrias da zona do euro aparentemente passaram pelo seu pior, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) nesta segunda-feira, mas a atividade ainda está contraindo com força diante das medidas de restrições ao coronavírus. Depois de cair para a leitura mais baixa já registrada nos quase 22 anos de história da pesquisa em abril, o PMI de indústria se recuperou um pouco no mês passado. O índice subiu a 39,4 em maio de 33,4 em abril, mas ainda longe da marca de 50 que separa crescimento de contração e pouco abaixo da preliminar de 39,5. O subíndice de produção permaneceu fraco mas quase que dobrou a 35,6, de 18,1 em abril. Disputa comercial EUA e China A China pediu a suas empresas estatais que suspendam compras de soja e carne suína dos Estados Unidos, disseram duas fontes com conhecimento do assunto, após o governo norte-americano ter afirmado que iria eliminar o tratamento especial dos EUA a Hong Kong para punir Pequim. A China poderia expandir a ordem para incluir outros produtos dos Estados Unidos caso Washington tome medidas adicionais, disseram as fontes. BOLSAS INTERNACIONAIS Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,84%, a 22.062 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 3,36%, a 23.732 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 2,21%, a 2.915 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 2,70%, a 3.971 pontos. Os principais mercados europeus operam com ganhos nesta segunda-feira. Em Londres, o FTSE soma 1,17% aos 6.147 pontos, com o CAC, de Paris, avançando 1,23% aos 4.753 pontos. Na Alemanha, as bolsas não funcionam devido a um feriado local. COMMODITIES Os futuros do minério de ferro na China saltaram mais de 6% nesta segunda-feira, com uma forte demanda doméstica pela matéria-prima utilizada na fabricação do aço e por preocupações com o suprimento do Brasil, importante exportador, levando os preços spot ao maior nível em 10 meses. O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de Dalian, para entrega em setembro, chegou a subir 6,4%, para 775,50 iuanes (108,92 dólares) por tonelada, o maior nível do contrato desde que a China lançou as negociações futuras do minério, em 2013. O minério encerrou com alta de 3,2%, ampliando seu rali após um sólido ganho de 20% no mês passado, que foi ao maior avanço mensal desde junho do ano passado. No caso do vergalhão de aço, que é negociado na bolsa de mercadorias de Xangai, o começo da semana teve ganhos de 44 iuanes no contrato com vencimento em outubro, para 3.577 iuanes para cada tonelada. MERCADO CORPORATIVO - Embraer (SA:EMBR3) Financiamento A Embraer deve obter em junho financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a bancos privados no valor de 600 milhões de dólares para atender a sua demanda de jatos executivos e comerciais para os próximos meses, disseram fontes do governo em condição de sigilo. As negociações estão em ritmo acelerado, de acordo com as fontes, que estimam que o crédito pode ser liberado nas próximas semanas. Fazem parte do pool de bancos que vão oferecer o crédito à Embraer o BNDES, Bradesco (SA:BBDC4), Santander (SA:SANB11), Itaú, Citibank, Morgan Stanley (NYSE:MS) e Natixis . No balanço do primeiro trimestre deste ano, a fabricante brasileira de aeronaves anunciou que tem no horizonte cerca de 16 bilhões de dólares em encomendas firmes para os próximos anos. Balanço A Embraer reportou nesta segunda-feira prejuízo de 433,6 milhões de reais no primeiro trimestre, com queda de vendas em razão da pandemia do novo coronavírus, além de reflexos do fracasso do acordo com a norte-americana Boeing. Um ano antes, o prejuízo foi de 229,9 milhões de reais. Nos primeiros três meses do ano, a Embraer teve uma queima de caixa ajustado de 2,9 bilhões de reais. Segundo a empresa, um ano antes, o uso de caixa livre ajustado foi de 2,495 bilhões de reais. A Embraer diz que o fluxo de caixa é historicamente negativo nos primeiros trimestres devido ao consumo sazonal de capital de giro. A receita líquida da companhia totalizou 2,87 bilhões de reais, de 3,12 bilhões de reais no mesmo trimestre do ano anterior. O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) somou 47,6 milhões de reais, um tombo em relação aos 120,3 milhões de reais um ano antes. A margem Ebitda caiu a 1,7%, de 3,9%. - JBS Uma juíza da Vara do trabalho em Concórdia (SC) suspendeu neste sábado a interdição de uma unidade de processamento de frango da JBS SA (SA:JBSS3) localizada em Ipumirim, de acordo com uma cópia da decisão vista pela Reuters. A planta, que emprega cerca de 1.500 pessoas e estava fechada desde 18 de maio após um surto do novo coronavírus, tem capacidade para processar cerca de 135 mil aves por dia. A JBS confirmou a decisão proferida em 30 de maio pela juíza do trabalho Paula dos Anjos. Uma porta-voz da empresa disse que a retomada das atividades na fábrica evitaria o abate sanitário de milhares de animais. Informações publicadas na imprensa apontaram que cerca de 650 mil aves teriam que ser submetidas a este tipo de abate. - Latam A LATAM, maior grupo de transporte aéreo da América Latina, relatou na noite de sexta-feira prejuízo líquido de 2,120 bilhões de dólares (11 bilhões de reais) no primeiro trimestre, devido a um ajuste contábil de seus ativos em meio aos impactos da pandemia de coronavírus. A companhia disse que teve um resultado operacional no trimestre 17% superior na comparação ano a ano, embora tenha reduzido sua oferta de voos devido aos primeiros efeitos da crise sanitária. A empresa atribuiu as perdas “fundamentalmente pelo menor valor contável de ativos por 1,729 bilhão de dólares produzido pela crise de Covid-19, que não afeta o caixa”, disse, em um comunicado. “A perda contábil é uma consequência natural do impacto da Covid-19 sobre toda a indústria, e naturalmente os ativos das empresas aéreas se desvalorizaram diante da impossibilidade de operar”, afirmou o executivo-chefe da empresa, Roberto Alvo, citado no comunicado. - Cosan (SA:CSAN3) O lucro líquido da Cosan alcançou 102,2 milhões de reais no primeiro trimestre deste ano, queda de 74,2% em relação ao desempenho obtido em igual período de 2019, informou a companhia nesta sexta-feira em balanço financeiro. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 36,7% no período, para 1,98 bilhão de reais. Em termos ajustados, o lucro líquido ficou em 90,6 milhões de reais no intervalo de janeiro a março, recuo de 77,4% no comparativo anual, enquanto o Ebitda ajustado subiu 21,1%, para 1,77 bilhão de reais. “O lucro líquido foi impactado pelo efeito negativo da marcação a mercado de ações detidas pela Cosan, bem como o efeito do câmbio na parcela não protegida do bônus perpétuo”, afirmou a companhia no balanço. De acordo com a empresa, houve um consumo de caixa de 556 milhões de reais no trimestre na visão proforma, refletindo principalmente amortização de dívida e recompra de ações. Ainda assim, a alavancagem —medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado— teve ligeira queda, de 2 vezes para 1,9 vez, na variação anual. - GPA (SA:PCAR3) O grupo varejista GPA anunciou nesta sexta-feira que concluiu a venda de cinco imóveis para a TRX Gestora de Recursos por 190,5 milhões de reais, valor pago à vista. O lote é composto por quatro imóveis da bandeira Assai, em Dourados (MS), Jequié (BA), Paulo Afonso (BA) e Bauru (SP) e por uma loja da bandeira Pão de Açúcar em Teresina (PI), afirmou o GPA por meio de fato relevante. A transação é a primeira etapa de um acordo envolvendo 43 imóveis do GPA, lote do qual um de valor não relevante foi excluído, explicou a companhia, restando portanto outros 37. “A TRX informou que continua o processo de captação de recursos adicionais para viabilizar a aquisição dos demais imóveis objeto do contrato nas próximas semanas”, diz trecho do documento. - Petrobras (SA:PETR4) A Petrobras finalizou a venda da totalidade de sua participação em sete campos terrestres no Rio Grande do Norte à 3R Petroleum e embolsou 676,8 milhões de reais pela operação, em valor já com ajustes previstos em contrato, informou a estatal em comunicado nesta sexta-feira. A transação envolveu o Polo Macau, que engloba os campos de Aratum, Macau, Serra, Salina Cristal, Lagoa Aroeira, Porto Carão e Sanhaçu. A Petrobras tinha 100% de participação em todas as concessões, com exceção de Sanhaçu, na qual era operadora com 50%, enquanto os 50% restantes são da Petrogal Brasil. A produção total atual de óleo e gás desses campos é de cerca de 5 mil barris de óleo equivalente por dia. - CSN (SA:CSNA3) A CSN anunciou nesta sexta-feira paralisação de alto-forno 2 de sua usina em Volta Redonda (RJ), cumprindo expectativa informada há duas semanas pelo presidente-executivo da companhia, Benjamin Steinbruch, diante da fraca demanda de aço no país exacerbada pela epidemia de Covid-19. A companhia não informou por quanto tempo o equipamento será paralisado, mas executivos da companhia mencionaram em 15 de maio que a empresa tinha acumulado até então aço suficiente para uma parada até o final do ano. O alto-forno 2 tem capacidade de 1,5 milhão de toneladas de ferro gusa por ano. Com a parada, a CSN ficará apenas com o alto-forno 3 em operação, de 3,35 milhões de toneladas e responsável por 75% da capacidade total da usina. - CCR (SA:CCRO3) A CCR informou nesta sexta-feira que o tráfego de veículos nas rodovias em que ela administra foi 21,5% menor na semana entre 22 e 28 de maio, na comparação com igual período de 2019. Nas quatro semanas anteriores, o movimento nas estradas sob concessão da empresa vinha sendo entre 19% e 24% menores do que em iguais intervalos do ano passado, refletindo as medidas de isolamento social para conter a disseminação do coronavírus. A CCR administra o Sistema Autoban, que inclui as rodovias Anhanguera-Bandeirantes, que ligam a capital paulista ao interior de São Paulo; e a Via Dutra, principal ligação entre São Paulo e o Rio de Janeiro. Já na concessão de mobilidade, no qual a CCR administra linhas do metrô de São Paulo e outros serviços de transporte de pessoas no Rio de Janeiro e na Bahia, a queda na semana foi de 76,4% ano a ano, em linha com o movimento desde o início de abril. Nas concessões de aeroportos, o declínio semanal foi de 96%, também mantendo a média recente. - Eletrobras (SA:ELET3) A Eletrobras aceitou prosseguir com o projeto de um importante linhão de transmissão de energia em Roraima após a reguladora Aneel ter elevado a receita do projeto, mas não descarta ir à Justiça para pleitear valores adicionais, disse nesta sexta-feira o presidente da companhia, Wilson Ferreira Jr. A estatal é sócia da privada Alupar (SA:ALUP11) no empreendimento, que foi licitado ainda em 2011. As empresas pediram reequilíbrio do contrato depois de anos de atraso no licenciamento ambiental, relacionados ao traçado sensível das instalações, que precisariam atravessar terras dos indígenas Waimiri-Atroari. Mas a nova receita anual aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para o linhão foi de 275 milhões de reais, bem abaixo dos 395 milhões de reais pleiteados pelas empresas. “Há um valor colocado na mesa e nós colocamos que com esse valor a gente retoma esse projeto. Obviamente, e isso é público, temos um debate (sobre a receita), e se necessário for podemos contestar na Justiça algumas coisas. Mas uma coisa bastante civilizada”, disse Ferreira, em teleconferência com jornalistas. AGENDA DE AUTORIDADES - Jair Bolsonaro A agenda oficial do presidente da República começa somente na tarde desta segunda-feira, recebendo o ministro Paulo Guedes (Economia). Em seguida, ser reúne com Marco Polo de Mello Lopes, Presidente Executivo do Instituto Aço Brasil. O dia chega ao fim com encontro com o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). - Paulo Guedes - Reunião com os secretários especiais; - Reunião com o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco; - Reunião com o presidente da República, Jair Bolsonaro; - Reunião com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes; - Videoconferência com instituições financeiras. *Com contribuição de Reuters
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: