quinta, 02 de dezembro de 2021
ações

Classes de ações:  Ordinárias, Preferências e Units!

Na hora de investir em ações sempre vem a dúvida sobre qual classe escolher; chegou a hora de você conhecer a diferença entre elas

03 dezembro 2019 - 11h11Por Cleide Rodrigues

Você, que leu meu artigo da semana passada aqui no Space Money, chamado Iniciantes: Aprendendo sobre ações!, já tem sua reserva de emergência formada, tomou coragem e resolveu investir em ações. Mas, na hora que foi escolher uma ação para chamar de sua, apareceram diversos códigos, com final 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 11. E agora, qual escolher? Primeiramente, quero ressaltar que ações são investimentos de risco: existe o risco de perda parcial ou total do valor investido, e isso precisa ficar muito claro em sua cabeça. Mas o prejuízo somente é efetivado quando você vende a ação por um preço menor do que comprou. Quando a ação está em sua carteira e acontece a variação de preço (sobe ou cai), e digamos que o preço caia, se você não vendeu a ação não pode dizer que teve prejuízo; nesse caso a ação está oscilando, o que é um movimento normal nesse mercado. Uma vez que ações devem ser consideradas investimentos de longo prazo, suas oscilações são comuns e esperadas no meio caminho. Portanto, só invista se você tem perfil para esse tipo de investimento. Sabendo-se, então, que se trata de um investimento de risco, é muito aconselhável, principalmente se você esteja começando no universo da renda variável agora, fazer esses investimentos em ações com um auxílio profissional. Hoje já existem várias instituições como bancos e corretoras que fornecem uma sugestão de carteira recomendada de ações gratuita. Mas é interessante, nesse caso, analisar o desempenho passado da carteira, com a ressalva de que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Existem ainda as casas de análises de investimentos independentes, onde os analistas (CNPI) estudam o mercado constantemente para fazerem recomendações aos assinantes. Mas é claro que mesmo tendo um auxílio profissional, é importante que você conheça o mínimo necessário para se investir, como diria o mega bilionário Warren Buffet: “O risco vem de não saber o que você está fazendo.” Os códigos das ações são formados basicamente por 4 letras e 1 número, sendo que esse número final define a sua classificação, que pode ser: ordinária, preferência ou Unit. Vamos conhecê-las agora!

Ações Preferências (PN)

Como o próprio nome diz, esse tipo de ação dá uma preferência aos seus investidores, que é a preferência em receber dividendos. Além disso, que a possui também está na frente da fila em caso de falência da empresa, ficando depois apenas dos credores. Nessa modalidade, o acionista não tem direito a voto nas assembleias da empresa da qual é acionista. Isso só é possível em casos específicos, como, por exemplo, se a empresa ficar mais de 3 anos sem pagar dividendos. Por lei, as empresas são obrigadas a distribuir um valor mínimo de dividendos aos seus acionistas definido em seu estatuto. E caso essa informação não conste no estatuto ficará obrigatória a distribuição de 50% do seu lucro líquido aos seus acionistas. A grande maioria das empresas definiu em seu estatuto um dividendo mínimo obrigatório de 25%, porque caso seja inferior a esse percentual é necessário dar o direito de retirada aos sócios. A forma de pagamento de dividendos pode ser consultada no site de relacionamento do investidor da empresa. As ações preferenciais apresentam o número 4 em seu código, mas também poderá ser 5,6,7, ou 8.

Ações Ordinárias (ON)

O código dessa ação geralmente termina com o número 3, sendo que nessa modalidade os acionistas possuem direito a voto em assembleia das empresas, mas o peso do voto é determinado pela quantidade de ações. Isto é, no caso dos pequenos acionistas, como nós, o voto muitas vezes se torna irrelevante se comparado aos de grandes acionistas. Em caso de falência da empresa, os últimos investidores a receber são os acionistas de ações ordinárias. Primeiramente, quem recebe são os credores, em segundo as acionistas preferenciais e por último, se sobrar algum dinheiro, os investidores de ações ordinárias. Isso se dá porque quando você compra uma ação você se torna sócio de uma empresa;  portanto, em caso de falência, se paga primeiro para quem se deve e por último para os sócios, em ordem de preferência.

Ações Units

São os cerificados de depósito de ações. Ao final do seu código apresenta o número 11 e é formada por um pacote com ações ordinárias e preferências. Nesse caso, não se trata de uma ação e sim um pacote de ações ordinárias e preferenciais de uma mesma empresa.

Conclusão

Afinal de contas, qual é a melhor ação para se investir: ordinárias, preferenciais ou Units? Isso depende do objetivo e perfil de cada investidor. Porém, mais importante do que essa decisão é estar a par dos fundamentos das empresas, para entender se é um negócio sólido ou não, antes de investir. Por isso, sempre procure um profissional da área antes de fazer sua escolha! No nosso próximo encontro vamos desmistificar um assunto que com certeza você já deve ter ouvido falar: Índice Ibovespa. Te espero! Até lá!
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content