Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Ibovespa

Fala de CEO não reverte queda de Cielo após resultado abaixo do esperado do 1º tri

24 abril 2019 - 14h43Por Investing.com
Investing.com - As cotações dos papéis da Cielo (SA:CIEL3) estão sob efeito gangorra na manhã desta quarta-feira no Ibovespa. A companhia de adquirência de cartões iniciou o dia em forte queda de quase 4% sob influência do resultado do primeiro trimestre divulgado na noite de terça-feira, após fechamento do mercado. No entanto, a teleconferência do diretor-presidente Paulo Cafarelli com investidores nesta manhã reverteu a baixa para uma alta de mais de 3%. As ações da companhia são negociadas a R$ 8,30 às 11:23, baixa de 0,60%. Os papéis da companhia seguem o pessimismo em torno do Ibovespa nesta manhã, que cede a 1,37% com tensão externa e cautela da Previdência.

Resultado e Teleconferência

Cafarelli explicou o resultado do 1º trimestre, que veio abaixo do consenso de mercado no Ebtida e nas receitas. A empresa mostrou lucro R$ 548,5 mi (-45%), Ebitda R$ 828,7 mi (-34%) e receita R$ 2,77 bi (-0,4%). Sob uma forte concorrência que levaram as ações da empresa despencar mais de 50% em 12 meses, houve uma queda de 15 pontos percentuais na margem Ebtida, para 29,6%, mesmo com crescimento o volume (+3%) e na base instalada (+20%). Os investidores deram, no entanto, o benefício da dúvida ao executivo, que abordou a reestruturação da adquirência, assim impulsionando a cotação. Cafarelli prometeu manter a Cielo na liderança e que negociará com bancos a implementação de novos serviços, entre os quais a oferta de terminais grátis aos clientes, pagamentos instantâneos de compras a lojistas e antecipação de recebíveis instantânea – mas com cobrança de uma taxa de deságio. As medidas seguem as recentes iniciativas da concorrência. O seu dinheiro está no banco sem render absolutamente nada? Abra uma conta na Órama e comece a investir! Além disso, o executivo também mencionou o interesse da Cielo em participar da concorrência pela parceria da ala de divisões de cartões da Caixa Econômica Federal, que deve acontecer em breve. Sobre o forte crescimento das despesas com pessoal de vendas, administrativo e de marketing, Cafarelli apontou que triplicou a força de vendas, trazendo mais de 1,5 mil clientes novos por dia. A promessa é aumentar a conquista de novos clientes para um fluxo de 2 mil clientes por dia. Na avaliação do CEO, os preços cobrados pelos processadores de cartões no Brasil ainda devem cair nos próximos meses, não se comprometendo se a Cielo vai atingir a meta de lucro anual.

Recomendação

O BTG (SA:BPAC11) manteve neutra a recomendação sobre o papel em relatório divulgado a clientes nesta manhã, com preço-alvo em R$ 10,50. Analistas do banco apontam que a iniciativa da concorrente Rede, de zerar a taxa de antecipação de recebíveis a pequenos lojistas nas vendas com cartões de crédito à vista, uma ameaça de a Cielo não atingir suas metas de 2019. A Suno Research recomenda os investidores a se manter afastados das ações da companhia por tempo indeterminado. A casa de análise ressalta a forte concorrência após a medida da Rede, que busca entrar no mercado de pequenas empresas, segmento com liderança de Stone e PagSeguro (NYSE:PAGS) e no qual Cielo está buscando ganhar participação. Para a Mirae Asset, a expectativa do mercado era que o resultado já viesse com quedas em relações a períodos anteriores, mas os números vieram abaixo do esperado. Mesmo sob a forte concorrência no setor, analistas da corretora recomendam a compra do papel apenas para posições de longo prazo, pois no curto prazo haverá redução de margens. A XP Investimentos também manteve a recomendação em neutra, com preço-alvo em R$ 10. A corretora não vê espaço para queda em resultados e dividendos. Já a Eleven Financial está mais pessimista com o papel. A casa de research rebaixou o papel para venda, reduzindo o preço-alvo de R$ 13 para R$ 7,50.

Ações dos concorrentes

A PagSeguro segue a Cielo e opera em baixa de 0,29% a US$ 26,21, enquanto a Stone segue tendência oposta e sobe 3,42% a US$ 26,00. Os dois papéis são negociados em Nova York. A Linx (SA:LINX3), empresa de software que anunciou recentemente a entrada no mercado de adquirência, sobe 0,97% a R$ 32,31 na B3. A Rede não tem papéis negociados em Bolsa de Valores.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: