Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: temor sobre coronavírus e alta no petróleo

14 maio 2020 - 09h19Por Investing.com
Por Geoffrey Smith Investing.com - As solicitações iniciais de seguro-desemprego devem ter diminuído ainda mais ante os recordes das últimas semanas, mas permanecem em níveis dolorosos.

Os índices de ações globais acompanharam os EUA durante a noite e Wall Street deve abrir em baixa pelo terceiro dia consecutivo antes do lançamento de dados de seguro-desemprego.

Os preços do petróleo estão subindo novamente depois que a Agência Internacional de Energia revisa suas previsões de destruição da demanda.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na quinta-feira, 14 de maio.

1. Aversão a risco global com temor de segunda onda de Covid-19 

Os mercados de ações globais operam em queda, puxados pela reação dos mercados dos EUA na quarta-feira a comentários sombrios do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, sobre as perspectivas para a economia e os sinais de novos surtos de coronavírus na China e na Coréia do Sul.

O índice de referência pan-europeu Stoxx 600 caía 2,1% às 08h55, mínimo de quatro semanas. O índice britânico FTSE 100 perdia quase 3%, com agravação das preocupações de um choque comercial iminente quando o período de transição pós-Brexit terminar no final do ano. A libra esterlina também caiu para uma mínima de sete semanas em relação ao dólar.

Enquanto isso, na Ásia, as ações chinesas caíram cerca de 1%, em meio a preocupações de que as relações EUA-China sejam ainda mais afetadas pelas consequências da pandemia e pela próxima campanha eleitoral. O presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva que estende as sanções contra a Huawei até o final do próximo ano, na quarta-feira.

2. Desemprego em desaceleração, mas permanece em níveis dolorosos

Espera-se que outras 2,5 milhões de pessoas tenham apresentado pedidos iniciais de seguro-desemprego nos EUA na semana passada. Se confirmado, isso representaria o menor número de solicitações iniciais desde março, mas ainda estaria longe de sinalizar qualquer reviravolta significativa no mercado de trabalho.

Espera-se que as reivindicações contínuas do benefício tenham aumentado de 22,65 milhões para 25,10 milhões na semana passada, a caminho de elevar ainda mais a taxa nacional de desemprego.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, observou na quarta-feira que as perdas de empregos atingiram os segmentos com salários mais baixos da força de trabalho. A análise do Fed mostrou que 40% das famílias que ganham menos de US$ 40.000 por ano perderam um emprego em março.

O Departamento do Trabalho divulgará seus números como de costume às 09h30 (horário de Brasília)

3. Ações dos EUA devem abrir em baixa novamente

As ações dos EUA devem abrir, em sua maioria, em baixa pelo terceiro dia consecutivo, após os comentários do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na terça-feira.

Às 9h01 (horário de Brasília), o Dow Jones Industrial Average caía 139 pontos, ou 0,6%, enquanto o contrato futuro do S&P 500 caía 0,48% e o contrato Nasdaq 100 futuros perdia 0,54%.

Em particular, o foco será o Abbott Laboratories (NYSE: ABT), cujo dispositivo que testa o vírus covid-19 falhou em testar quase metade dos casos positivos. A prevalência de “falsos negativos” significa que muitas pessoas que sofrem com o vírus podem continuar a espalhá-lo pela comunidade sem controle.

4. Preços do petróleo sobem após AIE reduzir o pessimismo

Os preços do petróleo subiam ainda mais depois que a Agência Internacional de Energia moderou sua avaliação do desequilíbrio entre oferta e demanda causado pela pandemia de coronavírus.

Às 9h02, o futuro do petróleo dos EUA subia 2,02%, a US$ 25,80 por barril, com máxima intradiária de US$ 26,75. O índice de referência internacional Brent subia 2,12%, para US$ 29,81 por barril, com máxima em US$ 30,53.

A AIE disse agora que espera que a demanda por petróleo caia em média 8,6% este ano, um pouco menos do que o declínio que havia previsto anteriormente.

Além disso, a Comissão de Comércio de Futuros de Mercadorias escreveu para várias bolsas na quarta-feira avisando com firmeza que elas eram responsáveis ​​por manter as negociações em ordem até o vencimento dos contratos futuros de junho.

5. Acordo Uber-GrubHub ainda em andamento

As negociações da Uber (NYSE:UBER) para adquirir o serviço de entrega de alimentos GrubHub e mesclá-lo com seu próprio serviço UberEats ainda estão acontecendo, de acordo com o The Wall Street Journal.

O WSJ informou que os dois lados estão agora considerando uma relação de troca de 1,9 ações da Uber para cada ação do GrubHub, depois que a Uber se recusou a pagar os 2,15 inicialmente exigidos pelo GrubHub.

Uma fusão aliviaria significativamente a competição no mercado de entrega dos EUA para a Uber, que está sob pressão para conter perdas em todas as suas operações.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: