Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: máxima do ouro e queda do petróleo

24 junho 2020 - 09h14Por Investing.com

Por Geoffrey Smith 

Investing.com - Novas infecções por Covid-19 estão ocorrendo a taxas recordes em parte do território dos EUA, e os mercados estão - tardiamente, alguns argumentariam - reagindo negativamente. 

O Fundo Monetário Internacional (FMI) deve atualizar suas previsões de crescimento para a economia mundial daqui a pouco. 

As ações devem abrir em baixa e o ouro se aproxima dos US$ 1.800 a onça pela primeira vez em oito anos, enquanto o secretário do Tesouro Steven Mnuchin discute outro adiamento do prazo para declaração de impostos referentes a 2019. 

E o governo publicará seu relatório semanal sobre o estado dos estoques do petróleo EUA depois que uma pesquisa da indústria sugerir que houve aumento de recursos armazenados na semana passada. 

Veja o que você precisa saber nos mercados financeiros na quarta-feira, 24 de junho.

1. Retorno do vírus aumenta risco de novos bloqueios; UE proíbe chegadas dos EUA

O número de novas infecções por Covid-19 em muitos estados dos EUA está aumentando, trazendo o risco de novos bloqueios para controlá-lo novamente. Texas, Arizona e Califórnia relataram números recordes de novas infecções na terça-feira.

Agora, cerca de 29 estados dos EUA têm taxa de reprodução (o chamado número R) acima de 1, nível que significa que o vírus se espalha exponencialmente. As hospitalizações também estão aumentando rapidamente - fato que prejudica as alegações de que o aumento das taxas de infecção é simplesmente o resultado da realização de mais testes.

Mais tarde, na Europa, os ministros devem anunciar a proibição de chegadas dos EUA.

O vírus também continua a se espalhar rapidamente pela América Latina, com o México também registrando um número recorde de novas infecções e 793 mortes. Enquanto isso, o presidente hondurenho Juan Orlando Hernandez foi hospitalizado e está recebendo oxigênio, segundo notícias.

2. Mnuchin discute novo pacote de estímulo e extensão de prazo fiscal

O Secretário do Tesouro dos EUA disse que o governo está "considerando seriamente" outro pacote de medidas de apoio econômico e pode estender novamente o prazo para a apresentação de declarações fiscais de 2019.

“Queremos levar nosso tempo porque, número um, ainda há muito dinheiro que não gastamos e, número dois, queremos garantir que tudo o que fazemos… seja muito mais direcionado às empresas mais impactadas” pelo vírus, disse Mnuchin em uma conferência noticiada pela Bloomberg.

O prazo do imposto já foi adiado uma vez, de abril até o final de julho.

3. Ações devem abrir em baixa; Winnebago em destaque

As ações dos EUA devem abrir em baixa, já que os investidores finalmente aceitam a ameaça da onda crescente de novas infecções.

Às 8h34 (horário de Brasília), o contrato futuro de Dow Jones 30 caía 254 pontos, ou 1%, enquanto o S&P 500 caía 0,8% e o Nasdaq 100 Futuros caía 0,5%.

Mais tarde haverá a atualização mais recente da Winnebago Industries, cujas ações triplicaram com a especulação de que a interrupção do negócio de viagens estimulará a demanda por seus veículos de passeio.

As ações europeias também caíram acentuadamente, com o receio de que os EUA sucumbissem a uma segunda onda de infecções superando um forte aumento no índice alemão de clima de negócios Ifo. O benchmark Stoxx 600 perdia 1,6%.

Com exceção de um surto isolado na indústria alemã de frigoríficos, as infecções não aumentaram notavelmente na Europa desde que as restrições de bloqueio foram levantadas no mês passado.

4. Ouro atinge máxima de 8 anos

O preço do ouro atingiu outra máxima de oito anos, com a última onda de temores de coronavírus levando os investidores a apostar mais naquilo que geralmente é um ativo porto-seguro.

Às 8h34, os futuros de ouro para entrega na bolsa Comex subiam 0,4%, a US$ 1.789,40 por onça, depois de atingirem uma máxima de US$ 1.796,10 por onça ao longo da noite. Seu último rali chegou em um momento em que outros ativos portos-seguro, como os títulos do Tesouro dos EUA, foram relativamente limitados, refletindo a crença de que o ouro é um porto-seguro de melhor valor em um momento em que as taxas de juros reais e nominais caíram.

Os bancos centrais de todo o mundo ainda estão adicionando estímulos monetários onde podem: o Banco do Japão, o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra aumentaram seus programas de flexibilização quantitativa no início deste mês, em um cenário de colapso do crescimento global.

O Fundo Monetário Internacional posteriormente atualizará suas previsões para a economia global em uma atualização do seu World Economic Outlook.

5. Petróleo reproduz o nervosismo com Covid-19; Atenções sobre os estoques de petróleo dos EUA

Os preços do petróleo nos EUA capturaram o nervosismo com a Covid-19, caindo abaixo de US$ 40 por preocupações de que uma nova onda de infecções inviabilize a atual recuperação da demanda.

Às 8h34, o futuro do WTI caía 2,4%, para US$ 39,39, enquanto o índice global Brent caía 2,1%, para US$ 41,72.

Os preços estão sob pressão desde que o American Petroleum Institute registrou um aumento de 1,7 milhão de barris nos estoques de petróleo dos EUA na terça-feira à tarde. Os dados oficiais do governo dos EUA devem ser entregues às 11h30. É esperado um aumento de 300.000 barris em estoques de petróleo.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: