Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: dados econômicos na Europa e leve alta no petróleo

23 outubro 2020 - 09h23Por Investing.com

Por Geoffrey Smith - Investing.com - O debate presidencial final terminou sem um vencedor claro. A economia da Europa cambaleia para um duplo mergulho. As ações da Intel (NASDAQ:INTC; SA:ITLC34) despencam após um relatório de lucros mal recebido e Vladimir Putin coloca um piso sobre os preços do petróleo.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na sexta-feira, 23 de outubro.

1. Biden segura o político Trump no debate final

O debate presidencial final ocorreu sem alterar visivelmente o curso da campanha eleitoral, embora a nação que assistia e o resto do mundo provavelmente tenham ficado gratos que a gritaria feia do primeiro debate não se repetiu.

Entre os momentos-chave da noite, o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, reconheceu que faria uma “transição” do petróleo e gás para as energias renováveis ​​- uma declaração da qual alguns democratas se distanciaram após o debate.

O presidente Trump foi pressionado por sua forma de lidar com a pandemia (“ele não tem um plano claro” para o inverno que se aproxima, disse Biden), seus interesses comerciais na China e suas políticas de imigração. Os dois trocaram acusações sobre suas finanças pessoais.

2. Europa cambaleia para um mergulho duplo

A economia europeia entrou em uma recessão de mergulho duplo em outubro, de acordo com a última rodada de índices de gerentes de compras (PMI) da IHS Markit.

O PMI preliminar da zona do euro caiu abaixo do nível de 50 que separa o crescimento da contração, caindo para 49,4 de 50,4 em setembro. Isso foi um pouco acima das previsões de consenso para 49,3.

O mais notável foi a divergência entre indústria, em que o PMI subiu de 53,7 para 54,4, e serviços, em que caiu de 48,0 para 46,2. Os serviços foram o primeiro setor a ser atingido por uma repressão progressiva ao contato social não essencial em toda a Europa, que viu a França estender o toque de recolher às 21h para três quartos de sua população na quinta-feira.

França, Alemanha e Espanha registraram taxas diárias recordes para novas infecções por Covid-19 esta semana, enquanto as hospitalizações também aumentaram, embora permaneçam bem abaixo do pico da primavera.

3. Ações devem abrir em alta com base na perspectiva eleitoral inalterada

Os mercados de ações dos EUA devem abrir em alta após o debate eleitoral ter permitido aos investidores se aterem ao cenário central de um resultado eleitoral bem definido e uma vitória democrata que permite um grande pacote de estímulo no ano que vem.

Às 8h42 (horário de Brasília), os futuros do Dow 30 subiam 106 pontos, ou 0,4%, enquanto os futuros do S&P 500 subiam 0,3% e os futuros do Nasdaq subiam 0,2% .

Os futuros do Nasdaq apresentavam desempenho inferior em grande parte por causa das ações da Intel, que despencaram 10% no pré-mercado após resultados decepcionantes da fabricante de chips depois do fechamento na quinta-feira.

Os primeiros balanços do dia são dominados por American Express (NYSE:AXP; SA:AXPB34), Royal Caribbean Cruises (NYSE:RCL SA:R1CL34) e Phillips 66 (NYSE:PSX; SA:P1SX34).

4. Dor da Huawei começa a aparecer

A pressão do governo Trump sobre a gigante chinesa das telecomunicações Huawei está começando a ficar evidente nos números da empresa.

A Huawei disse que o crescimento de sua receita caiu para 3,7% no ano no terceiro trimestre, queda acentuada de 27% em relação ao ano anterior e de uma taxa média de 21% contra os últimos cinco anos. No entanto, o aperto real na empresa provavelmente não se reflete nesses números, já que a governo apertou as restrições às empresas norte-americanas que vendem para Huawei apenas em setembro. Essa mudança a isolou amplamente de seus fornecedores tradicionais de chips.

Embora a empresa não tenha divulgado seus números, o Financial Times citou analistas que estimaram que as vendas de smartphones caíram 18% no ano, seu primeiro declínio ano a ano.

5. Putin sustenta o petróleo

O presidente russo, Vladimir Putin, deu a dica mais clara de que pode estar disposto a adiar um aumento programado na produção de petróleo no início do próximo ano.

A especulação de que o bloco Opep+, que inclui a Rússia, poderia adiar um aumento de produção devido à fraca demanda global apoiou os preços intermitentes ao longo da semana, mas enfraqueceu na segunda-feira depois que nem os ministros russos nem sauditas se comprometeram claramente com tal medida.

“Achamos que não há necessidade de mudar nada agora”, disse Putin na quinta-feira em seu discurso ao Valdai Club, apoiado pelo Kremlin. No entanto, "não descartamos que possamos manter as atuais restrições à produção, que não as suspendamos quando havíamos planejado anteriormente".

Os futuros do petróleo norte-americano subiam 0,4%, a US$ 40,81 o barril, às 8h42, a caminho de terminar a semana mais ou menos no ponto em que começaram. Os futuros do Brent subiam 0,5%, a US$ 42,67.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: