Menu
Busca sexta, 15 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

Destaques: compras nos EUA pela China e expectativa sobre acordo da Opep

02 junho 2020 - 09h04Por Investing.com
Por Geoffrey Smith Investing.com - Protestos pacíficos contra a morte de um negro desarmado pela polícia acabam em tumultos e saques, enquanto o presidente dos EUA Donald Trump ameaça os governadores com a imposição da lei marcial.

A China colocou pé no freio em suas compras de produtos agrícolas dos EUA, enquanto a Alemanha está planejando outro grande pacote de estímulos - com sua indústria automobilística definida como um dos grandes beneficiários.

E os preços do petróleo estão subindo novamente, à medida que a Rússia e a Opep fecham uma extensão de seu acordo de restrição à produção.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na terça-feira, 2 de junho.

1. Cidades dos EUA atingidas por mais violência

As cidades dos EUA foram abaladas por mais uma noite de protestos provocados pela morte de um homem negro desarmado pela polícia de Minneapolis. Duas autópsias separadas realizadas em George Floyd chegaram à conclusão de homicídio, mas ofereceram causas diferentes.

Os protestos foram marcados, por um lado, por surtos de saques e, por outro, pela violência contra a mídia e manifestantes pacíficos, além de violentos. O presidente Donald Trump ameaçou, em um telefonema com os governadores estaduais, enviar tropas de combate se eles não conseguissem controlar a situação em seus estados.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse que Nova York enfrentará outro toque de recolher hoje à noite, depois de ampla violência e saques na parte baixa de Manhattan durante a noite. Os protestos ameaçam inviabilizar a reabertura de grande parte da economia dos EUA, que analistas disseram repetidamente que depende fortemente da recuperação da confiança dos consumidores e das empresas.

2. China desacelera compra de produtos agrícolas dos EUA

Autoridades do governo chinês disseram às principais empresas agrícolas estatais para interromper as compras de alguns produtos agrícolas dos EUA, incluindo soja, informou a Bloomberg, em um movimento que parece prejudicar as promessas anteriores de Pequim de aumentar as compras sob o acordo comercial da 'Fase 1' assinado em janeiro entre os dois países, após 18 meses de intensas trocas de medidas tarifárias e escaladas retóricas.

As tradings estatais Cofco e Sinograin foram ordenadas a suspender as compras, enquanto as autoridades chinesas também disseram aos compradores estatais que interrompessem as importações americanas de algodão e milho, informou a Bloomberg, que também observou que algumas compras de carne de porco foram atrasadas.

A medida é o mais recente acontecimento a refletir o agravamento das relações entre Pequim e Washington após a promulgação de uma nova lei chinesa de segurança que, segundo os EUA, encerrou a autonomia e as liberdades de Hong Kong.

3. Ações devem abrir em alta, de olho nas reabertura econômica

As bolsas de valores dos EUA estão prontas para abrir em alta, ignorando os tumultos quase nacionais e acompanhando o apetite ao risco.

Os mercados estão se concentrando mais na flexibilização de restrições de mobilidade social e do funcionamento normal das empresas, já que os esforços para mitigar a pandemia de Covid-19 estão ajudando neste início do verão.

Às 8h13 (horário de Brasília), o contrato futuro de Dow Jones 30 subia 149 pontos, ou 0,59%, enquanto o contrato futuro de S&P 500 subia 0,5% e o Nasdaq 100 Futuros subia 0,55%.

Uma ação em foco mais tarde será a Apple (NASDAQ:AAPL), que cortou os preços de seus iPhones na China, na tentativa de reavivar as vendas após a pandemia.

4. Alemanha eleva a Europa com novo pacote de estímulos

O mercado de ações alemão atingiu uma máxima de três meses, puxando os mercados europeus em sua esteira, em meio a notícias de que o governo debaterá um pacote de estímulo adicional à economia na terça-feira.

Notícias da mídia local estimam que o tamanho do pacote esteja entre 80 e 100 bilhões de euros (US$ 89 bilhões a US$ 111 bilhões) e disseram que grande parte será destinada à indústria automobilística, que suporta mais de 12% dos empregos do país direta e indiretamente.

Em outras partes da Europa, a União Europeia e o Reino Unido iniciam sua última rodada de negociações sobre relações comerciais após o término da atual fase de transição pós-Brexit no final do ano. O governo do Reino Unido disse que não buscará uma extensão da transição, que manteve as condições para as empresas efetivamente inalteradas desde que o Reino Unido deixou formalmente o bloco no início deste ano.

5. Divulgação de estoques de petróleo da API com Rússia e OPEP considerando extensão do acordo de produção

Os preços do petróleo subiam novamente, na esperança de que a OPEP e a Rússia estendam seu acordo de restrição à produção, que deve expirar no final de junho.

O governo russo está programado para discutir o assunto em uma reunião na terça-feira, de acordo com a mídia local, com pelo menos uma notícia sugerindo que a preferência da Rússia é por uma extensão de apenas um mês.

Nos EUA, o American Petroleum Institute divulgará seus dados semanais sobre os estoques americanos de produtos brutos e refinados às 17h30, como de costume.

Às 8h19, os contratos futuros de petróleo WTI subiam 2,14%, a US$ 36,20 por barril, enquanto os futuros do Brent subiam 2,35%, a US$ 39,22 por barril.

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: