segunda, 29 de novembro de 2021
petróleo

Petróleo em alta por alívio entre EUA e China

05 novembro 2019 - 14h21Por Investing.com
Investing.com - A cotação do petróleo está em alta nesta terça-feira, impulsionado pelas esperanças de um acordo comercial EUA-China e pelo otimismo de que o governo Trump possa reverter algumas das tarifas que impôs às importações chinesas. Contratos futuros de Petróleo bruto com vencimento em dezembro subiam US$ 0,55 , ou 0,9%, para US$ 57,06 às 08h57 (horário de Brasília). Os contratos futuros de petróleo cru Brent para janeiro subiram US$ 0,62 centavos, ou 1%, a US$ 62,74 por barril. A China está pressionando o presidente dos EUA, Donald Trump, a remover mais tarifas impostas em setembro como parte de um acordo de Fase 1, o que ajudaria a aliviar algumas das consequências econômicas da prolongada disputa comercial entre os dois maiores consumidores de petróleo do mundo. Ambos os países aplicaram tarifas sobre os produtos uns dos outros em uma guerra comercial que se arrasta há 16 meses. "Se algumas das tarifas existentes forem desmanteladas, isso deve restaurar alguma medida da demanda global por petróleo à medida que as condições econômicas e comerciais se recuperarem", disse Han Tan, analista de mercado da FXTM. O secretário-geral da Opep, Mohammad Barkindo, declarou na terça-feira que as perspectivas do mercado de petróleo para 2020 podem ter um potencial positivo, parecendo menosprezar qualquer necessidade de cortes mais profundos na produção. Na terça-feira, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo divulgou seu World Oil Outlook 2019, no qual o grupo disse que forneceria uma quantidade decrescente de petróleo nos próximos cinco anos, à medida que a produção de xisto dos EUA e outras fontes rivais se expandissem. A produção de petróleo bruto e outros líquidos deverá cair para 32,8 milhões de barris por dia (bpd) até 2024, disse a Opep. Os investidores também estão aguardando dados de inventário dos EUA com vencimento no final do dia de negociação. O corte na taxa de juros do Federal Reserve americano na semana passada, a fraqueza recente do dólar e o aumento do emprego nos EUA em outubro também sustentaram os preços do petróleo, disseram analistas. "Acreditamos que a força nos preços do petróleo terá vida curta, dada a escala do superávit esperado para o 1S20", disse o analista do ING Warren Patterson, referindo-se ao primeiro semestre de 2020. "O risco dessa visão é que a OPEP + surpreenda o mercado em dezembro ao anunciar cortes ainda mais profundos do que o esperado para 2020". A OPEP, a Rússia e outros produtores, um grupo conhecido como OPEP +, implementaram um acordo para reduzir a produção de petróleo em 1,2 milhão de barris por dia desde o início deste ano. O ministro do petróleo iraniano, Bijan Zanganeh, comentou na segunda-feira que espera que mais cortes de produção sejam acordados na próxima reunião do grupo em dezembro. Reuters
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content