Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile

B3 tem leve alta; UBS e Credit Suisse elevam preço-alvo

24 junho 2020 - 20h17Por Investing.com
Por Gabriel Codas Investing.com - Nesta quarta-feira, as ações da B3 operaram perto da estabilidade, em dia que o UBS elevou o preço-alvo de R$ 47 para R$ 58 e o Credit Suisse de R$ 48 para R$ 68. Em relatório divulgado no final da tarde de terça-feira, o UBS manteve a recomendação de compra para as ações da B3. A avaliação reforça a visão positiva para a companhia, sendo a principal escolha no setor na América Latina. No mesmo sentido, o Credit Suisse reforçou a sua preferência pela B3, levando em conta o crescimento dos volumes de negociação na bolsa brasileira. Já a recomendação foi mantida em “outperform”. Assim, no encerramento do pregão, as ações tinham ganhos de 0,71% a R$ 52,65. UBS Na visão dos analistas, a recuperação mais rápida do que o esperado no mercado de ações (Ibovespa subiu ~ 50% desde sua baixa em março) e o forte crescimento dos investidores de varejo (+ 11% em maio vs. março ou + 240k) levou a outro trimestre de fortes volumes (QTD ADTV em ~ 29 bilhões, 21% acima da expectativa anterior de R$ 24 bilhões no 2T20). Assim, a equipe incorporou as tendências recentes e perspectivas positivas, ajustando nas estimativas de ADTV em 10-15% em 2020-24E, em média, e ADV em -1% a 2%. Como resultado, aumentou as previsões de lucros em 3-6% em 2020-24E e o alvo em 23%, refletindo também uma premissa de taxa livre de risco mais baixa (queda no rendimento de títulos de 10 anos no Brasil; WACC em 10,4%, de 11,1%). Com a negociação de ações em 25x PE20E, ~ 9% abaixo dos pares globais, os analistas enxergam a vantagem da B3 e reiteram a classificação de Compra. A avaliação é que a  tendência positiva para o volume de ações deve continuar sendo sustentada pelas baixas taxas históricas de política monetária no país (Selic agora em 2,25%, enquanto os economistas esperam outro corte final de 25bps em agosto para 2,0%), levando a mudança na alocação de AUM para ações de renda fixa; e novos investidores de varejo em ações. Com uma recuperação mais rápida do que o esperado no Ibovespa, as ofertas de ações devem começar a retornar. Além disso, após 8 meses de saídas, os investidores estrangeiros tornaram-se compradores líquidos de ações no MTD de junho (+ R$ 2 bilhões); o que também pode ser um fator importante para volumes futuros. Assim, eles enxergam B3 sendo negociada a 25x PE20E vs. 17x-38x por pares globais. Os principais riscos incluem: concorrência, o fim do benefício tributário da IoC, macro, regulamentação, tecnologia e legislação tributária do ágio.
Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: