segunda, 15 de abril de 2024
Investimentos

Selic a 11,25%: vale a pena investir em renda fixa ou é melhor optar pela variável?

Especialistas projetam cenário para os investimentos em 2024 e destacam suas preferências nas finanças

31 janeiro 2024 - 18h50Por José Chacon

O Comitê de Política Monetária (Copomdo Banco Central (BCdecidiu, nesta quarta-feira, 31 de janeiro, manter a baixa na taxa básica de juros, Selic, ao comunicar uma queda de meio ponto percentual, de 11,75% para 11,25%

Com essa decisão, uma dúvida que paira no mercado é se ainda vale a pena investir em renda fixa?

Para essa pergunta, Ricardo Jorge, especialista em renda fixa e sócio da Quantzed, responde que a renda fixa em 2024 ainda vai continuar sendo uma boa opção de investimento, pois a taxa de juros segue muito alta, tanto a taxa real quanto a nominal. 

“Essa opção é ideal, principalmente, para aqueles investidores mais conservadores. Então, é claro que a gente não vai conseguir mais investimentos nas taxas que vimos em 2023, mas isso não significa que o nível atual deixe de ser interessante. Para aqueles investidores que procuram menos risco, a renda fixa ainda é a melhor opção”, afirma. 

A mesma visão é compartilhada por Rodrigo Cohen, analista de investimentos e co-fundador da Escola de Investimentos. Para ele, mesmo com a taxa de juros caindo, a renda fixa segue como um investimento importante para se ter na carteira.

“Até uma Selic em torno de 7%, por exemplo, ainda assim na minha opinião vai valer a pena, especialmente se a inflação cair junto. O ideal é sempre preferir ativos atrelados ao IPCA. Os ativos prefixados, na minha visão, só valem quando a Selic está muito lá em cima e a gente não tem expectativa de novas altas. Mesmo assim é um risco", comenta.

Quanto ao pós-fixado, Cohen considera ser uma boa alternativa, mas destaca que o investimento pode sofrer com a inflação, caso suba. 

"Com a Selic caindo muito, a gente tem bolsa subindo e fundos imobiliários também. E aí o investidor precisa começar a diversificar.  Já está na hora de começar a olhar bolsa há muito tempo e fundos imobiliários também", sugere o analista.

Na orientação para planejamento e qual títulos escolher, Rodrigo Azevedo, economista, planejador financeiro e sócio-fundador da GT Capital, detalha sua preferência.

Nos prefixados, acreditamos em títulos de no máximo três anos de vencimento. Já em títulos de inflação, trabalhamos com um prazo maior, entre 8 a 9 anos de vencimento, prazo em que achamos que temos os melhores prêmios de renda fixa”, comenta.

Acima desse prazo, Azevedo observa que o investimento já envolve uma questão de risco mais macro, o que faz perder a atratividade para o investidor mais conservador, mas pode atrair aqueles com o perfil mais arrojado. 

O especialista ainda reforça: Estamos em momento crucial em que ainda dá tempo de aproveitar possibilidades até a segunda reunião do ano. A partir daí, o ideal será pensar em outra estratégia”.

E na renda variável?

Para Andre Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital, com esse cenário da Selic, o investidor tem que ficar de olho em setores mais resilientes da economia, como os setores elétrico e de saneamento, que possuem um caixa mais previsível.

“Outro setor interessante é o de bancos, que podem surpreender o consenso porque, apesar da queda de juros diminuir as taxas deles de emprestar dinheiro, eles acabam ganhando em escala, já que a pessoa física vai demandar mais crédito com taxas mais atrativas. Além disso, o custo passivo do banco também vai ficar menor”, explica.