Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Charge

Vacinas, avante!

10 fevereiro 2021 - 18h55Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - A indústria farmacêutica teve sua parcela de críticas nos últimos anos. Os preços altíssimos dos medicamentos produziram retornos generosos aos acionistas, e litígios vigorosos para evitar a responsabilidade quando os medicamentos davam errado protegeram esses pagamentos, para o aborrecimento de muitos pacientes e reguladores.

Portanto, a indústria farmacêutica tem muito a agradecer à Covid-19: o vírus lembrou ao mundo o que recebe em troca por todos aqueles impostos e dólares pagos em seguro-saúde. Mas isso não é nada perto do que o mundo deve à indústria farmacêutica agora. Pois a proteção contra uma doença fatal ou debilitante é a única coisa que bilhões de pessoas desejam desesperadamente para restaurar suas vidas para algo o mais próximo possível da normalidade de um ano atrás.

Entre os vários subconjuntos da humanidade, os investidores têm mais motivos para estarem satisfeitos do que a maioria. O índice de ações MSCI World subiu 21% nos dois meses após o anúncio pela Pfizer (NYSE:PFE) (SA:PFIZ34) e BioNTech (DE:22UAy) (SA:B1NT34) de que a vacina era mais de 90% eficaz no tratamento da doença. Isso foi seguido rapidamente pela autorização da Food and Drug Administration dos EUA e de outros reguladores em todo o mundo.

O Fundo Monetário Internacional revisou recentemente para cima sua previsão para o crescimento mundial neste ano, encorajado pelo progresso de vários medicamentos através do processo de autorização em todo o mundo. O Escritório de Orçamento do Congresso dos EUA agora espera que o PIB dos EUA se recupere ainda mais e mais rapidamente do que o esperado antes, em parte porque a confiança pública deve retornar mais rápida e completamente.

Onde a Pfizer e a BioNTech lideraram, outros seguiram. Ninguém, no entanto, ainda superou a eficácia de 93% das vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna (NASDAQ:MRNA) (SA:M1RN34). A similaridade dos resultados para os dois aumentou as esperanças de outra vacina de mRNA, desenvolvida pela CureVac, com sede na Alemanha, que iniciou os testes de estágio III em dezembro.

Mas um dos sucessos mais notáveis da indústria tem sido a capacidade de desenvolver tratamentos eficazes por meio de uma variedade de tecnologias. As vacinas desenvolvidas pela AstraZeneca (NASDAQ:AZN) (SA:A1ZN34), Johnson & Johnson (NYSE:JNJ) (SA:JNJB34), Novavax (NASDAQ:NVAX) e a indústria farmacêutica russa funcionam de maneiras diferentes, mas todas mostram altos níveis de eficácia.

Isso é importante devido ao grande número de novas cepas do vírus que já surgiram e continuarão a emergir do vírus SARS-Cov-2 original. A África do Sul foi forçada a interromper o lançamento do medicamento AstraZeneca/Oxford University por causa de sua baixa eficácia contra uma nova cepa particularmente desagradável.

Mas ter várias tecnologias em funcionamento aumenta a probabilidade de que pelo menos uma delas seja igual à qualquer nova mutação, e quanto mais vacinas forem aprovadas, menos agudos serão os gargalos de produção, como aquele que causou uma rixa amarga entre a UE e Reino Unido, recentemente, sobre quem obtém o pedido de vacina preenchido primeiro.

Tecnologicamente e comercialmente, a campanha de vacinas tem sido um triunfo para o modelo norte-americano de startups de biotecnologia livres - com Moderna e Novavax tendo sucesso onde os renomados institutos de pesquisa e empresas farmacêuticas da Europa em sua maioria ficaram aquém. O sucesso da AstraZeneca contrasta fortemente com o fracasso da Sanofi (PA:SASY) e da GlaxoSmithKline (LON:GSK) (SA:G1SK34). Mas também gerou vencedores improváveis, como a vacina russa Sputnik, uma droga de injeção única com uma taxa de eficácia de 91% que transformou a frágil reputação internacional da indústria de ciências da Rússia.

A campanha de vacinação também está oferecendo a alguns governos uma chance de redenção depois de sua - em alguns casos espetacular - má gestão da pandemia. No Reino Unido em particular, a rápida distribuição de vacinas promete reabrir a economia no verão, enquanto grande parte da Europa continental está três meses atrás. Isso já está sendo demonstrado nos mercados de câmbio e, em última análise, se refletirá nos dados.

Mas mesmo onde a vacinação ocorre de forma mais lenta, a campanha global parece ser um triunfo da realização humana: uma que permitirá ao mundo se recuperar dentro de um ano ou mais de um desastre que poderia ter paralisado a economia global por uma década. A vitória sobre Covid agora parece uma questão de "quando", em vez de "se".

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: