Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Adeus ano velho

Trimestre por doloroso trimestre: uma retrospectiva de 2020

29 dezembro 2020 - 13h29Por Investing.com

Por Liz Moyer, Christiana Sciaudone, Peter Nurse e Yasin Ebrahim, da Investing.com - O ano de 2020 está chegando ao fim rapidamente e muitos mal podem esperar para colocá-lo em seus retrovisores.

Enquanto aguardamos 2021, aqui está uma retrospectiva do ano turbulento que termina.

Primeiro trimestre: otimismo dá lugar à pandemia

Janeiro: Após um ganho de 30% em 2019, o ano começou de forma otimista para o S&P 500. Em meados de janeiro, as ações já registravam ganhos sólidos. Em seguida, a notícia de um vírus mortal forçando bloqueios na China pesou e as ações começaram a cair.

No final de janeiro, os principais índices ficaram vermelhos em negociações voláteis, enquanto os investidores tentavam ter uma noção de como o coronavírus poderia prejudicar a economia global.

O primeiro caso nos EUA foi registrado em 20 de janeiro, em um viajante voltando da China para o estado de Washington e, em 31 de janeiro, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA declarou emergência de saúde pública. O mercado caiu 3% no mês, de uma alta histórica em 17 de janeiro.

Fevereiro: As coisas começaram a sair dos trilhos quando ficou óbvio que o coronavírus seria um problema além da China.

Como janeiro, o mês começou com mercados em alta, atingindo novas máximas em meados do mês. Mas o coronavírus não conseguiu ficar de fora das manchetes.

A Organização Mundial da Saúde nomeou-o oficialmente como Covid-19 em 11 de fevereiro, conforme os casos aumentavam em todo o mundo. As empresas alertaram sobre interrupções que poderiam inutilizar quaisquer previsões de vendas e lucros que fizessem. Analistas alertaram sobre a desaceleração do crescimento e apontaram tendências que mostraram a economia mais fraca dos últimos anos.

Havia um medo crescente nos mercados de que o vírus não pudesse ser contido, provocando uma forte venda. No final de fevereiro, o Dow caiu 10% no mês.

Março: A queda provocada pelo coronavírus estava ocorrendo desde 20 de fevereiro e durou até 7 de abril, com várias quedas gigantes ao longo do caminho.

No início do mês, o Federal Reserve, juntamente com outros bancos centrais ao redor do mundo, cortou as taxas de juros. Mas as ações estavam em queda livre. O crash foi o pior declínio desde 1929, vindo de uma década de crescimento sem precedentes e marcando o início da recessão de 2020.

Neste mês, ocorreram duas segundas-feiras negras, a 9, quando o Dow caiu 7,8%, e a 16, quando o Dow caiu 12,9%. No meio delas houve uma quinta-feira negra, quando o Dow perdeu quase 10%.

Esses eventos aconteceram na mesma época em que empresas e escolas nos EUA começaram a fechar por medo de uma pandemia se espalhando. O petróleo também entrou em queda livre, em parte por causa de uma queda acentuada na demanda, mas também por causa de uma luta pelo poder de produção entre a Rússia e a Arábia Saudita.

O Dow encerrou o trimestre com queda de 23%, enquanto o índice de alta tecnologia Nasdaq caiu 14%. O Russell 2000, que representa empresas menores, caiu quase 31%.

Segundo trimestre: a estagnação da Covid

Abril: O segundo trimestre começou com um tom decididamente baixo. Os mercados entraram em colapso sob o peso dos bloqueios induzidos pela Covid, e nada deixou isso mais claro do que o recorde de 6,65 milhões de americanos que entraram com pedido de seguro-desemprego em 2 de abril. Os pedidos de seguro-desemprego registrados na semana encerrada em 28 de março foram mais que o dobro do recorde de 3,31 milhões na semana anterior. Mas um mês cheio de recordes só estava esquentando.

O petróleo abaixo de zero tornou-se uma realidade em 20 de abril, quando o preço dos futuros do petróleo entrou em território negativo, chegando a menos US$ 37,63 o barril. A razão para o número nunca antes visto: com a demanda basicamente inexistente, havia tanto petróleo se acumulando que as empresas americanas de energia ficaram sem locais para armazená-lo.

Apesar de tudo, abril acabou sendo o melhor mês para ações em três décadas. O S&P 500 subiu 13% enquanto os investidores especulavam que a calamidade econômica provocada pelo coronavírus não duraria muito.

Maio: O quadro completo da carnificina de empregos em abril entrou em foco na primeira sexta-feira de maio: 20,5 milhões de empregos perdidos. Foi a pior desaceleração da história americana, triplicando a taxa de desemprego para 14,7% - um número não visto desde a Grande Depressão.

Ainda assim, as ações continuaram a se recuperar da mínima de março, quando os investidores tiveram o primeiro gostinho de uma alta induzida por notícias de vacinas. O S&P 500 saltou 3,15% em 18 de maio - o maior ganho diário do mês - depois que Moderna (NASDAQ:MRNA) disse ao mundo que sua vacina experimental mostrava sinais de que poderia criar uma resposta imunológica para evitar o coronavírus. Embora os resultados fossem de uma pequena amostra, foi o primeiro sinal de esperança para uma vacina.

No geral, as ações subiram 4,5% em maio, à medida que a economia começou a dar sinais de vida e alguns estados começaram a emergir dos bloqueios.

No final de maio, George Floyd foi morto por um policial branco em Minneapolis.

Junho: Junho começou com parte da atenção de Wall Street longe dos mercados financeiros. Os protestos após a morte de George Floyd estavam agitando as principais cidades dos EUA já atingidas por bloqueios. E, embora não tenha mexido com o mercado, o dia 5 de junho se tornou grande durante o resto do ano, quando Joe Biden conquistou a indicação democrata para presidente.

Apesar das distrações, os mercados continuaram sua recuperação furiosa e, em 10 de junho, uma das melhores ações do ano atingiu um marco: a Tesla (NASDAQ:TSLA) superou US$ 1.000 pela primeira vez. Um dia depois, o rali de recuperação bateu em uma parede. Em 11 de junho, o S&P 500 afundou quase 6% e o Dow devolveu quase 7%. Embora parte da venda tenha sido atribuída à realização de lucros, uma onda de infecções da Covid estava se espalhando no sul e ameaçando desacelerar a reabertura nascente em outros lugares. Apesar do soluço, as ações se recuperaram o suficiente para fechar o mês em alta.

O ouro também ganhou as manchetes quando junho chegou ao fim, sendo negociado acima de US$ 1.800 a onça pela primeira vez desde 2011 e encerrando seu melhor trimestre em quatro anos. Parece que os investidores queriam algum seguro contra quaisquer consequências econômicas que viessem dos casos cada vez maiores da Covid.

Terceiro trimestre: ações de tecnologia e desvios do dólar

Julho: A pandemia de Covid-19 continuou a se espalhar, com a Índia se tornando a terceira nação, depois do Brasil e dos Estados Unidos, a ultrapassar 1 milhão de casos no total.

O Fed respondeu estendendo seus programas de estímulo, que deveriam terminar em setembro, até o final do ano, enquanto os governos da zona do euro acordaram um fundo conjunto de recuperação de 750 bilhões de euros.

Os mercados de ações globais foram impulsionados pelas ações dos EUA, particularmente as empresas de tecnologia de grande capitalização. No último dia do mês, a Apple (NASDAQ:AAPL) aumentou sua capitalização de mercado em mais de US$ 95 bilhões, após um impressionante conjunto de ganhos trimestrais.

O dólar norte-americano caminhou na direção oposta. Julho foi o mês mais fraco em quase uma década para o dólar, com o Índice Dólar caindo para seu nível mais baixo desde 2018.

Os metais preciosos, denominados em dólares, foram beneficiados como consequência. O ouro teve seu melhor desempenho mensal desde 2012, enquanto a prata teve seu melhor mês em mais de 40 anos.

Além disso, as relações entre os EUA e a China tornaram-se mais tensas, com a Casa Branca observando empresas de software chinesas citando riscos de segurança nacional. A China fechou oficialmente o Consulado dos EUA em Chengdu, poucas semanas depois de os EUA anunciarem que estava fechando o Consulado da China em Houston.

Agosto: A reunião anual de banqueiros centrais em Jackson Hole, no Wyoming, realizada virtualmente, foi quando o presidente do Fed, Jerome Powell, anunciou uma grande mudança na abordagem do banco central para a política monetária. O Fed anunciou que agora teria como meta uma taxa média de inflação de 2%, permitindo que subisse modestamente acima desse nível por períodos de tempo.

Isso levou à ideia de que o banco central manteria as taxas de juros em níveis muito baixos por um período prolongado, mesmo em meio a sinais de recuperação da economia dos EUA. O número de americanos que se candidatam a benefícios de seguro-desemprego caiu para menos de 1 milhão pela primeira vez desde o início da pandemia em março.

As ações dos EUA subiram novamente em agosto, com o índice de referência S&P 500 atingindo um novo pico. Os rendimentos dos títulos do governo aumentaram, o dólar americano continuou a cair, enquanto a fraqueza do dólar norte-americano forneceu um forte impulso para metais preciosos.

Além disso, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, anunciou sua renúncia citando preocupações com a saúde, e mais tarde seria substituído por Yoshihide Suga. Uma grande explosão em Beirute matou mais de 200 pessoas e deixou mais de 300.000 desabrigados. A Rússia anunciou que havia desenvolvido a primeira vacina contra Covid-19 do mundo, encarando ceticismo ocidental.

Setembro: Houve uma mudança de humor em setembro, com os mercados de ações sofrendo uma forte liquidação, liderada pelo setor de tecnologia, anteriormente dominante.

O Dow perdeu mais de 2% no mês, o S&P 500 caiu quase 4%, mas foi o Nasdaq que sentiu mais peso, caindo mais de 5% em setembro.

Os grandes nomes da tecnologia, que atraíram muito dinheiro de investidores desde os primeiros dias da pandemia, foram duramente atingidos. A Apple caiu mais de 10%, assim como a empresa controladora do Google, Alphabet (NASDAQ:GOOGL), enquanto a Tesla caiu 14%, a Netflix (NASDAQ:NFLX) caiu 6% e o Facebook (NASDAQ:FB) encerrou com queda de mais de 10%.

Além das preocupações com valuations excessivamente estendidas, as preocupações crescentes sobre as taxas de infecção de Covid-19 mais altas, mais bloqueios, principalmente na Europa, bem como as crescentes preocupações políticas antes da eleição presidencial em novembro foram fatores contribuintes.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o candidato presidencial democrata Joe Biden realizaram o primeiro debate em Cleveland, Ohio, uma ocasião que foi marcada por gritos e interrupções, indicativas do clima político aquecido.

Em setembro também houve a morte de Ruth Bader Ginsburg, de 87 anos. Um ícone da esquerda liberal, Ginsburg era mais conhecida por suas visões feministas e batalha pelos direitos das mulheres. Sua morte criou outra disputa política sobre o momento da nomeação de sua substituta.

Quarto trimestre: o áspero com o suave

Outubro: O trimestre começou com mais perguntas e respostas. A eleição dos EUA e o impacto de uma esperada segunda onda de Covid-19 provaram ser os principais pontos de discórdia.

A onda de incertezas deixou sua marca, embora temporária, nos EUA e nas principais bolsas europeias em outubro, mas os mercados asiáticos resistiram à tendência graças a uma forte recuperação na China.

Mas nem todos os riscos são criados iguais. O Bitcoin, que já havia se recuperado quase 70% desde as mínimas de março, terminou outubro em máximas de quase três anos, injetando um novo otimismo em sua busca por US$ 20.000 e mais.

Novembro, novembro, novembro: Quando a história voltar para novembro de 2020, é provável que seja registrado como o mês que marcou o início do fim da pandemia e da era Trump.

Ao longo de três segundas-feiras consecutivas, começando em 9 de novembro, Pfizer (NYSE:PFE), Moderna e AstraZeneca (NASDAQ:AZN) divulgaram resultados melhores do que o esperado de suas respectivas vacinas em desenvolvimento.

Os investidores, no entanto, tiveram que pesar a promessa de vacinas contra o impacto econômico de curto prazo de uma segunda onda de Covid-19 que havia causado bloqueios na maior parte da Europa e em partes dos EUA.

No entanto, o apetite do investidor por risco não vacilou - aumentou. Com um olho no provável lançamento das vacinas, os investidores passaram a avaliar ações como companhias aéreas, empresas de cruzeiros e operadoras de hotéis, ajudando os mercados a atingir seu melhor mês em décadas.

O Dow registrou um ganho de 11,8% em novembro, seu melhor mês desde janeiro de 1987. O Russel 3000 - frequentemente usado um indicador para ações de valor - ganhou 12%, seu maior fechamento de todos os tempos.

Dezembro: No último mês do trimestre, a história foi feita. A Pfizer-BioNtech foi aprovada e começou a ser implementada no Reino Unido, e mais tarde a incerteza nos EUA sobre uma transição pacífica de poder ficou no espelho retrovisor quando as tentativas de Trump de reverter o resultado das eleições falharam.

A essa altura, os mercados estavam crescendo com o otimismo alimentado pelas vacinas. No entanto, havia alguma preocupação com a ameaça de uma recuperação lenta com o agravamento da pandemia a cada dia.

Os legisladores foram instados a agir. Qualquer indício de progresso em um acordo de estímulo foi recebido por uma onda de pressão de compra que empurrou as três principais médias - Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 - para novos recordes.

Os retrocessos, por sua vez, foram usados para complementar favoritos como Tesla.

Tesla provou ser uma das ações da história do ano, subindo 700%, fechando o último trimestre de 2020, ao ganhar um lugar no S&P 500 depois de juntar quatro trimestres consecutivos de crescimento.

O Bitcoin também entrou na lista dos investimentos da moda para o ano, não apenas por seu aumento recorde acima de US$ 27.000, mas por parecer ter finalmente conquistado um lugar nas carteiras de investidores institucionais.

À medida que a cortina se fechava no último trimestre do ano, no entanto, não havia vivas festivas para os touros do dólar. Depois de travar uma luta contra os ursos em setembro e outubro, o dólar caiu para mínimas de mais de dois anos, com o reforço do estímulo.

Com um novo ano no horizonte, os investidores continuarão levando o áspero com o suave. O Senado está em disputa. Haverá meses sombrios de inverno à medida que a pandemia avança. Mas os investidores provavelmente farão o que lhes serviu tão bem recentemente: olhar através do prisma do otimismo alimentado pela vacina e "comprar as quedas".

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: