Menu
Busca quinta, 21 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Reino Unido

Rali da libra não evita outra queda semanal, analistas sinalizam mais quebras

Alguns especialistas estão apostando contra a libra "supervalorizada", citando tensões pós-Brexit entre Reino Unido e UE

26 março 2021 - 18h05Por Investing.com

Por Yasin Ebrahim, da Investing.com - A libra subiu fortemente em relação ao dólar na sexta-feira (26) com dados econômicos mostrando que as vendas no varejo do Reino Unido se recuperaram no mês passado, mas a moeda deve terminar a segunda semana consecutiva no vermelho, com especialistas sinalizando quebras à frente.

O par GBP/USD subiu 0,42%, para US$ 1,3789.

As vendas no varejo no Reino Unido aumentaram 2,1% no mês passado, após uma queda acentuada no início de 2021. Olhando para o futuro, as vendas no varejo devem permanecer lentas em março, mas deve haver "uma recuperação nas vendas após a reabertura de lojas não essenciais na Inglaterra a partir de 12 de abril", disse o Daiwa Capital Market.

Mas em meio ao cenário de melhora econômica, alguns especialistas estão apostando contra a libra "supervalorizada", citando tensões pós-Brexit entre Reino Unido e UE.

"A crescente distribuição de vacinas no Reino Unido e as tensões pós-Brexit com a UE devem turvar as perspectivas econômicas do Reino Unido, mesmo depois que as condições de bloqueio forem suspensas no segundo trimestre. A economia dos EUA crescerá no segundo trimestre", disse o Crédit Agricole.

A libra tem se movimentado em conjunto com os ativos de risco, o que pode ser sua ruína em meio às expectativas de um segundo trimestre atribulado. Além de uma perda esperada no apetite pelo risco, as previsões de um aumento contínuo nos rendimentos do Tesouro dos EUA irão impulsionar o dólar, mantendo um peso sobre a libra.

"Nossa análise sugere que o GBP/USD está sobrevalorizado... o valor justo de 1,3450 pode ser um dos melhores hedges da libra contra os riscos de rendimentos elevados nos EUA e aversão ao risco no segundo trimestre", acrescentou o Crédit Agricole.

Outros concordam, ecoando a perspectiva positiva sobre o dólar antes de uma semana crucial.

"Ainda há muito poucos sinais de que o que vemos como uma recuperação corretiva do dólar tenha seguido seu curso", disse o ING em uma nota.

"Na agenda da próxima semana estão alguns dados que no papel parecem positivos para o dólar. O primeiro são os dados macro dos EUA, dos quais os números de emprego de março (ADP na quarta-feira e NFP na sexta-feira) devem ser fortes."

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: