quinta, 09 de dezembro de 2021
Petróleo

Preços do petróleo caem enquanto foco retorna às preocupações com a demanda

07 dezembro 2020 - 14h29Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo caíam na segunda-feira (7), com o foco do mercado sendo revertido para a perspectiva de demanda para o próximo ano, depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e a Rússia resolveram a maioria das questões que pairam sobre o abastecimento em sua reunião da semana passada.

Às 14h29 (horário de Brasília), os futuros do petróleo bruto dos EUA caíam 0,37%, a US$ 46,43 o barril, enquanto os futuros do Brent, a referência internacional, caíam 0,28%, a US$ 49,39 o barril.

Os preços da gasolina RBOB dos EUA caíam 0,12%, para US$ 1,2700 o galão.

Os preços da gasolina ficaram sob pressão depois que a Reuters citou dados da OPIS, subsidiária da IHS Markit, mostrando que o consumo nos EUA durante a semana do Dia de Ação de Graças caiu para o nível mais baixo em mais de 20 anos. O Center for Disease Control aconselhou os americanos a não viajarem no feriado, mas dados ainda indicavam uma semana pesada para o tráfego.

A OPIS disse que a demanda por combustível para motor caiu mais de 19% em relação ao ano anterior durante a semana de feriado, enquanto as vendas de gasolina caíram 8,4% em relação à semana anterior. A empresa alertou que a demanda pode abrandar ainda mais antes do final do ano, em um cenário de restrições cada vez maiores aos negócios e à vida social. A Califórnia ordenou que a maioria de seus cidadãos ficasse em casa sempre que possível no fim de semana, já que a capacidade livre em suas unidades de terapia intensiva era escassa devido ao alto registro de admissões de pacientes com Covid-19.

"Estamos caminhando para um período de 90 dias em que a demanda por gasolina fica ainda mais comprimida pelo clima de inverno e pelo isolamento pós-feriado", disse a Reuters, citando Tom Kloza, diretor executivo da IHS Markit e analista veterano de tendências de combustível na América do Norte. “Em janeiro, poderemos ver regularmente números de demanda não testemunhados desde o século passado.”

O Dr. Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse à CNN na segunda-feira que o feriado de Natal pode ser um desafio ainda maior do que o Dia de Ação de Graças, dada a propagação contínua da doença.

O quadro internacional da demanda é, no entanto, um pouco melhor. Os dados da alfândega chinesa divulgados na segunda-feira mostraram um aumento nas importações de petróleo, já que as refinarias novamente aproveitaram a queda nos preços devido à fraca demanda ocidental. A China importou uma média de 11,3 milhões de barris por dia no mês, um aumento de 9% em relação ao ano anterior, mas ainda abaixo dos volumes vistos na primavera e no início do verão, quando os importadores se empanturraram com o excesso mundial.

Além das preocupações com a demanda, alguns também estão se concentrando no risco de que o Irã consiga aumentar as ofertas para o mundo no próximo ano se o presidente eleito suspender as sanções e retornar ao acordo patrocinado pela ONU que limita o programa nuclear iraniano. Alguns analistas argumentam que o Irã poderia aumentar as exportações em 1,2 milhão de barris por dia - um aumento que o acordo recentemente revisado da Opep+ sobre os níveis de produção não leva em consideração.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content