Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Commodities

Preços do petróleo caem com respingos dos títulos públicos

26 fevereiro 2021 - 15h17Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo caíam na sexta-feira (26) em um cenário de volatilidade renovada nos ativos de risco em todo o mundo, que levou os touros a se conterem antes de uma reunião crucial dos principais produtores na próxima semana.

Por volta das 15h16 (horário de Brasília), os futuros do petróleo dos EUA caíam 2,46%, a US$ 61,97 o barril, enquanto o Brent, a referência internacional, caía 1,94%, para US$ 64,83 o barril.

Os contratos futuros da gasolina norte-americana caíam 1,01%, para US$ 1,9565 o galão.

Os três contratos estavam a caminho de um ganho semanal, apesar da forte venda de títulos dos EUA na quinta-feira, com temores de uma retomada da inflação. Isso elevou o dólar, amortecendo uma alta de preços que foi alimentada por expectativas de um longo período de política monetária norte-americana frouxa.

Esse cenário, juntamente com o fortalecimento das esperanças de uma ampla recuperação global da demanda neste ano, tornou os investidores nitidamente mais otimistas em relação aos preços do petróleo este ano.

Uma pesquisa da Reuters publicada na sexta-feira previa que o petróleo Brent teria uma média de US$ 59,07 por barril em 2021, acima da previsão de US$ 54,47 do mês passado. Esta é a maior revisão de alta mês a mês para a previsão anual nas pesquisas da Reuters desde pelo menos 2016 disse a agência.

O maior risco para esse cenário, no curto prazo, parece ser que os grandes produtores usem os preços mais altos para afrouxar o pacto de contenção da produção, que hoje mantém cerca de 7 milhões de barris por dia de petróleo fora dos mercados mundiais.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo deve se reunir com aliados liderados pela Rússia na próxima quinta-feira para definir cotas de produção para abril. A reunião anterior havia terminado em um compromisso que salvou as aparências, permitindo que a Rússia e o Cazaquistão aumentassem sua produção, enquanto a Arábia Saudita compensou o aumento líquido no fornecimento mundial com um corte temporário de 1 milhão de barris por dia.

“Para parar e potencialmente reverter ligeiramente o aumento meteórico do petróleo, eu esperaria que um aumento de vários milhões de barris possa ser necessário para empurrar o petróleo de volta para US$ 50”, disse o analista da GasBuddy, Patrick de Haan. “Com a recuperação da demanda, parece que um aumento de 2+ (milhões de bpd) seria bom para o mercado.”

“Qualquer coisa abaixo de 1 é muito baixa e corre riscos”, acrescentou.

A demanda também pode diminuir no curto prazo, já que as refinarias chinesas diminuíram suas compras devido aos preços spot mais altos e tanques de armazenamento cheios. As importações de petróleo do país estão em seu pico de mais de um ano, e muitas refinarias independentes estão programadas para fechar para manutenção.

No final do dia, a Baker Hughes publicará sua última contagem semanal de sondas, enquanto a Commodity Futures Trading Commission lançará sua última atualização do posicionamento especulativo líquido.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: