Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Petróleo

Preços do petróleo bruto lutam contra o nível de resistência de US$ 60

05 fevereiro 2021 - 14h52Por Investing.com

Por Geoffrey Smith, da Investing.com - Os preços do petróleo bruto chegaram a US$ 60 o barril pela primeira vez em quase um ano na sexta-feira (5), mas não conseguiram quebrar esse nível após uma alta que tem os preços parecendo sobrecomprados no curto prazo.

Às 14h50 (horário de Brasília), os futuros do Brent tinham alta de 0,69%, a US$ 59,41 o barril, tendo sido negociados anteriormente a US$ 59,78. Os futuros do petróleo dos EUA, que normalmente são negociados com um pequeno desconto em relação ao Brent, subiam 1,08%, a US$ 56,84 o barril.

Os futuros da gasolina RBOB, por sua vez, subiam 0,4%, para US$ 1,6584 o galão, o maior valor desde meados de fevereiro do ano passado, quando a demanda mundial de petróleo começou a entrar em colapso sob o peso da pandemia de Covid-19.

O mercado está animado esta semana com a forma como a reunião mensal da Opep sobre política de produção ocorreu, sem nenhuma produção extra acordada e muitas evidências de cotas de produção sendo observadas. A produção nigeriana, em particular, caiu agora para um nível que quase compensa inteiramente sua superprodução no verão passado, em parte devido a interrupções em algumas de suas unidades de exportação. Além disso, outra semana de fortes quedas nos estoques dos Estados Unidos e internacionais convenceu muitos de que o mercado deve se contrair significativamente à medida que a demanda aumenta no decorrer do ano, empurrando os contratos futuros fortemente para cima.

“O mercado está precificando cada vez mais, acreditando que a queda de preços do ano passado, juntamente com um maior foco do investidor em governança ambiental, social e corporativa (ESG), pode levar a um futuro déficit devido à falta de investimentos para a exploração”, disse o diretor de estratégia de commodities do Saxo Bank Ole Hansen em uma nota de manhã. “No entanto, antes de atingirmos esse estágio, a demanda global precisa se recuperar dos atuais 94 milhões de barris/dia e voltar aos 100 milhões vistos um ano atrás, enquanto a Opep+ lentamente retorna aos 7 milhões de barris/dia de produção.”

Outros também alertaram que o mercado pode ter ido longe demais, rápido demais.

“O armazenamento contínuo é o que os investidores otimistas adoram ver, depois de um ano de monstruosos aumentos de estoque, então, uma vez que a tendência é constante, o mercado vê poucos motivos para interromper a campanha de preços”, disse Bjornar Tonhaugen, chefe de pesquisa de mercados de petróleo da Rystad Energy, em comentários enviados por e-mail. “Muitos indicadores técnicos estão em alerta, portanto uma correção de preço em breve não seria surpreendente.”

Uma possível fonte de um choque de baixa é o Irã, que não é coberto pelo acordo da Opep sobre restrição de produção. Axios relatou na sexta-feira que o presidente Joe Biden tem pressa em retornar ao acordo patrocinado pela ONU, segundo o qual o Irã parou de enriquecer urânio em 2015.

Biden suspendeu o assessor da Arábia Saudita nesta semana com relação ao andamento de sua campanha contra os rebeldes Houthi apoiados pelo Irã no Iêmen.

No entanto, a medida dos EUA para apreender um petroleiro iraniano nesta semana por suspeita de quebra de sanções sugere que o novo governo não será muito rápido em aliviar a pressão sobre suas exportações de petróleo.

Empiricus: Analista Criminal revela como adquirir imóveis por uma fração do valor

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: