Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021
Blue3 - Cotações
Blue3 - Cotações Mobile
Metal amarelo

Preços do ouro fecham mistos, ajustando-se à incerteza pós-Fed

O ouro para entrega em abril fechou em alta de US$ 5,40, ou 0,4%, a US$ 1.732,50 a onça na Comex de Nova York

18 março 2021 - 18h46Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - Os preços do ouro fecharam mistos na quinta-feira (18), com os futuros do metal amarelo em alta enquanto o ouro à vista era negociado estável, à medida que os mercados tentavam se ajustar à incerteza representada pela postura dovish do Federal Reserve em relação ao aumento dos rendimentos dos títulos.

O ouro para entrega em abril fechou em alta de US$ 5,40, ou 0,4%, a US$ 1.732,50 a onça na Comex de Nova York, depois de cair mais de US$ 10 na baixa da sessão para abaixo de US$ 1.717.

Para a semana, o contrato de ouro futuro de referência subiu 0,7%.

Mas o preço à vista do ouro, em que os gerentes de fundos às vezes confiam para obter orientação mais do que nos futuros, operava estável, a US$ 1.736,72 às 18h (horário de Brasília). O metal atingiu uma mínima intradiária de US$ 1.721,74 mais cedo.

Os mercados experimentaram oscilações no dia, com o S&P 500 e o Nasdaq caindo e o Dow também fechando em baixa. O petróleo despencou 9% nas negociações pós-fechamento.

O rendimento da nota do Tesouro de 10 anos, por sua vez, atingiu uma máxima de 13 meses acima de 1,7%.

A incerteza dos investidores aumentou depois que o presidente do Fed, Jay Powell, em sua coletiva de imprensa mensal na quarta-feira, se recusou a dar qualquer indício de que o banco central está comprando mais títulos para conter os rendimentos, em alta desde o início do ano. O aumento dos rendimentos tem limitado a recuperação dos ativos de risco.

Powell disse que a taxa de desemprego dos EUA provavelmente continuará caindo dos 6,2 por cento de fevereiro, enquanto a inflação deve se expandir 2,4 por cento neste ano contra um crescimento esperado do PIB de 6,5 por cento, em uma economia que está se recuperando de uma pandemia de 2020. Mas isso ainda não foi suficiente para aumentar as taxas de juros, disse o presidente do Fed.

Os crescentes rendimentos dos títulos têm exercido pressão sobre o ouro, forçando o metal amarelo a perder 17% em relação às altas recorde de quase US$ 2.100 de agosto. Qualquer indicação do Fed de que intensificará a compra de títulos nos próximos meses pode ser a única coisa capaz de conter o aumento dos rendimentos e desencadear uma recuperação do ouro.

Por décadas, o ouro foi apontado como a melhor reserva de valor sempre que havia preocupações com a inflação. No entanto, nos últimos meses, ele foi deliberadamente impedido de ser o ativo preferido dos investidores, já que bancos de Wall Street, fundos de hedge e outros atores diminuíram suas posições no metal, impulsionando os rendimentos dos títulos dos EUA e o dólar no lugar.

Os rendimentos dos títulos aumentaram com o argumento de que a recuperação econômica nos próximos meses pode se estender além das expectativas do Fed, levando a uma espiral inflacionária, já que o banco central insiste em manter as taxas de juros próximas de zero.

O dólar, que normalmente cai em um ambiente de maiores temores de inflação, também se recuperou na mesma lógica de recuperação econômica descontrolada. O status do dólar como moeda de reserva reforçou sua posição como um porto seguro, levando a novas posições longas sendo construídas em dólar. Nos últimos dias, o Índice Dólar pairou próximo a 92, limitando ainda mais o ouro.

Tags: comex, EUA, FED, Ouro, Powell

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Baixe nosso app: