segunda, 06 de dezembro de 2021
Commodities

Petróleo sobe 4% após sauditas manterem cortes de produção; Rússia deve ter alta modesta

04 março 2021 - 18h16Por Investing.com

Por Barani Krishnan, da Investing.com - Os preços do petróleo saltaram 4% na quinta-feira (4), depois que a aliança de produtores Opep+ contrariou as expectativas de um aumento na produção a partir de abril, com a Arábia Saudita, líder do cartel, mantendo o corte de 1 milhão de barris por dia, enquanto Rússia e Cazaquistão optaram por aumentos modestos.

Antes da reunião, esperava-se que os sauditas, que chefiam a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, com 13 membros, junto com a Rússia, que leva outras 10 nações a formarem a chamada Opep+, concordassem com um aumento na produção total de até 1,5 milhão de bpd a partir de abril.

Os preços do petróleo caíram cerca de 5% entre sexta e terça-feira com esse tipo de especulação, antes de se recuperarem na quarta-feira com as especulações de que os sauditas poderiam manter os cortes de 1 milhão de bpd que haviam adotado desde fevereiro, permitindo aos russos e cazaques - os dois na coalizão de 23 de membros que mais queriam aumentar a produção - um aumento combinado de 500.000 bpd.

No final, nada disso se materializou. A Rússia concordou em adicionar apenas 130.000 bpd nos próximos meses, enquanto o Cazaquistão fixou um aumento de apenas 20.000 bpd, que totalizou 150.000 - 70% menos do que o mercado esperava.

A cereja do bolo, é claro, foi a recusa de Riade em adicionar até mesmo um único barril, enquanto que o ministro do petróleo saudita, príncipe Abdulziz bin Salman, saboreou mais uma vez seu papel de destruidor de mercado para os ursos de petróleo.

Abdulaziz e seu meio-irmão, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman - normalmente referido por suas iniciais MbS - foram os arquitetos da decisão do reino em janeiro de oferecer 1 milhão de barris por dia em cortes de produção saudita além dos compromissos de controle de produção existentes que Riade tinha feito com a Opep+ desde abril do ano passado para sustentar os preços do petróleo, em colapso na sequência do surto de Covid-19.

Os analistas estão debatendo por quanto tempo os sauditas poderiam continuar fazendo esses cortes e arriscar perder sua participação no mercado para exportadores americanos mais agressivos, que não fazem parte da Opep+. Os Estados Unidos eram o maior produtor de petróleo do mundo até o surto de Covid-19, atingindo um pico de 13,1 milhões de bpd. A produção de petróleo dos EUA caiu drasticamente para apenas cerca de 10 milhões de bpd desde então, mas o país pode retomar a produção e as exportações se os preços continuarem a subir, disseram analistas.

No geral, a Opep+ reteve pelo menos 7 milhões de barris por dia de petróleo do mercado nos últimos 10 meses, drenando significativamente um excesso nos estoques globais de petróleo bruto para níveis perto do normal de cinco anos. As ações da aliança tiveram sucesso em trazer o petróleo dos EUA de um preço negativo histórico de - US$ 40 por barril em abril de 2020 para a alta atual de 13 meses.

Nas negociações de quinta-feira, o West Texas Intermediate negociado em Nova York, referência para o petróleo dos EUA, fechou em alta de US$ 2,55, ou 4,2%, a US$ 61,28 por barril. O contrato atingiu uma máxima de US$ 64,86 durante a sessão, pico que remonta a janeiro de 2020.

O Brent negociado em Londres, a referência global para o petróleo, subiu US$ 2,67, ou também 4,2%, para fechar em US$ 66,74. O Brent disparou para US$ 67,72 no início do dia, também o maior valor desde janeiro de 2020.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content