quinta, 30 de junho de 2022
[OGF - VIP - SPACENOW DESKTOP - TESTE A/B - 22-6-2-22]
O que influencia o dia

Petróleo e gás em novas máximas, combustíveis no Brasil: confira as principais notícias de hoje (7)

Fique por dentro dos cinco principais assuntos que movimentarão as bolsas em todo o mundo nesta segunda-feira

07 março 2022 - 09h08Por Investing.com
IPE - NECTON - BILBOARD TOPO 2 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS E DEMAIS]

Por Geoffrey Smith e Ana Beatriz Bartolo, da Investing.com - Os preços do petróleo e do gás natural sobem para novos máximos, já que os EUA impõem uma proibição total às compras de energia russa.

O euro cai diante de um choque estagflacionário e da ameaça de instabilidade global impulsionada pelos altos preços dos alimentos, à medida que os preços do trigo atingem novos máximos históricos.

As ações americanas devem ter um início de semana complicado.

[NECTON IPE -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

No Brasil, a insenção de impostos sobre o combustível desagrada o Ministério da Economia

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 7 de março:

1. Petróleo sobe quando Blinken discute proibição de compra de energia russa

Os mercados de ações globais despencaram quando os preços do petróleo bruto saltaram novamente para o nível mais alto desde 2008, depois que o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que os EUA procuram ativamente fechar a brecha das sanções que permite que os compradores ocidentais continuem comprando petróleo e gás russos.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250 - TESTE A/B - 22-6-2022]

Às 08h48, os futuros do petróleo nos EUA disparavam 6,19%, a US$ 122,84, enquanto os de Brent avançavam 6,07%, a US$ 125,28 o barril.

Os comentários de Blinken representaram uma mudança na política dos EUA, após a hesitação inicial do presidente Joe Biden, que está relutante em aumentar os preços domésticos da gasolina.

Os preços das bombas estão agora acima de US$ 4 o galão em muitos estados, enquanto os futuros de atacado chegaram a US$ 3,70 o galão nas negociações durante a noite.

[OGF - VIP -  SQUARE DETALHE NOTÍCIA 300X 250]

Um aperto nas sanções oficiais reforçaria a “auto-sanção” já evidente nos mercados de petróleo, que viram uma licitação de exportação russa após a outra não encontrar compradores na semana passada.

A Shell (LON:RDSa), que comprou um carregamento de petróleo russo a US$ 28/barril abaixo dos preços de referência na sexta-feira, foi pressionada pela indignação pública a dizer no domingo que desviaria todos os lucros do comércio para uma instituição de caridade que ajuda as vítimas da guerra.

Buscando rentabilidade na Bolsa de valores? Saiba como aumentar seus retornos com um assessor da Ipê Investimentos via WhatsApp.

2. Novela dos combustíveis no Brasil

O governo avalia anunciar nesta semana um programa de subsídios aos combustíveis, com validade de três a seis meses, para compensar a alta do petróleo no mercado internacional. Fontes do Estadão, porém, afirmam que o Ministério da Economia se posiciona contrário a essa proposta. 

A ideia consiste em usar os dividendos pagos pela Petrobras (SA:PETR4) à União e o dinheiro da participação social para subsidiar a diferença entre o preço do petróleo e um valor fixo de referência para cotação do petróleo, que ainda será definido.

Um projeto similar também segue em discussão no Senado. 

A equipe do Ministério da Economia critica a medida trabalhada entre os senadores, pois as fontes de arrecadação já estariam comprometidas com outras partes do orçamento e o valor esbarraria no teto de gastos.

Para a pasta, o ideal seria continuar com os esforços em prol da redução do ICMS. 

Essas discussões acontecem enquanto a Petrobras deseja buscar esta semana a aprovação do governo para aumentar os preços dos combustíveis em suas refinarias no Brasil, segundo a Reuters. O aumento de preço proposto diminuiria a diferença em relação ao combustível importado, mas ficaria abaixo dos preços internacionais, disseram duas pessoas que pediram para não serem identificadas.

Enquanto isso, o governo brasileiro  indicou o ex-executivo da Petrobras, Rodolfo Landim, atual presidente do Flamengo, para presidir o conselho de administração da estatal, informou a empresa em um comunicado na noite de sábado.

Antes, o presidente do conselho da Petrobras, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira.

3. O euro despenca com o crescimento e os temores de inflação

O choque econômico da guerra e o último aumento nos preços da energia são assimétricos: atingirá a Europa com muito mais força do que os EUA, porque a Europa depende muito mais da energia russa.

A Alemanha resistiu à pressão por uma proibição total das importações de energia da Rússia, mas outras vozes na UE, principalmente no ex-bloco soviético, disseram acreditar que as preocupações com a segurança superam a dor econômica.

O euro caiu para US$ 1,0807, estendendo sua pior sequência de 3 dias desde 2020. Agora, perdeu quase 4% em relação ao dólar na semana passada, em meio à crescente crença de que o Banco Central Europeu colocará no gelo todos os planos que tinha para aperto da política monetária, apesar do elevado nível atual de inflação.

Enquanto isso, o Banco Nacional Suíço disse estar pronto para intervir para impedir que o franco suíço – uma das moedas de financiamento favoritas do mundo – se valorize ainda mais.

A mensagem foi suficiente para que o franco ficasse abaixo da paridade com o euro. O dollar index, que acompanha o dólar em relação a uma cesta de moedas de mercados desenvolvidos, atingiu uma nova alta de 22 meses.

Na Rússia, entretanto, a situação econômica continua a deteriorar-se acentuadamente. O dólar ganhou mais 12,8% em relação ao rublo em Moscou na segunda-feira, e a moeda russa agora perdeu metade de seu valor desde o início da invasão.

A primeira das muitas inadimplências da dívida internacional provavelmente será confirmada na segunda-feira, já que a petrolífera Rosneft e a gigante do gás Gazprom (MCX:GAZP) parecem provavelmente fazer uso de uma nova dispensa do banco central russo, permitindo-lhes pagar sua dívida em moeda estrangeira com pagamentos em rublos. Isso violará as cláusulas em seus respectivos prospectos de títulos. 

Gazprom, em particular, é um dos maiores emissores de dívida corporativa em dólares e euros, e qualquer inadimplência causará ondas de choque nos mercados de dívida emergentes.

4. Mercado de ações americanas 

As ações dos EUA devem abrir em queda acentuada, já que a perspectiva de preços mais altos do petróleo alimenta temores de um choque inflacionário e uma desaceleração do crescimento ao mesmo tempo.

Isso apesar do relatório mensal do mercado de trabalho na sexta-feira ter mostrado que a economia dos EUA está em péssima saúde e se aproximando rapidamente da substituição de todos os empregos perdidos no primeiro ano da pandemia.

Às 08h54, os futuros da Nasdaq 100 recuavam 1,55%, enquanto os da Dow Jones e da S&P 500 caíam 1,41% e 1,43%, respectivamente. 

Com a temporada de lucros terminando, o foco está mudando para notícias de fusões e aquisições.

As ações que provavelmente estarão em foco mais tarde incluem as perfuradoras de xisto de Dakota do Norte Oasis e Whiting, que o Wall Street Journal informou estar em negociações de fusão no domingo.

Também em foco estará a Bed Bath & Beyond (NASDAQ:BBBY) depois que o fundador da Chewy (NYSE:CHWY), Ryan Cohen, acumulou uma participação no varejista problemático (aparentemente transformando a GameStop (NYSE: GME) por aí não é um desafio suficiente).

5. Aproxima-se a crise mundial de grãos

Os futuros de trigo foram novamente suspensos, limitados a uma nova alta histórica de US$ 1.294,12, no CME, enquanto os combates na Ucrânia continuavam a interromper o fornecimento de dois países que fornecem quase 30% dos grãos mais importantes do mundo.

Os analistas estão cada vez mais preocupados com o impacto da guerra nos preços globais dos alimentos, dado o papel fundamental desempenhado pela Rússia e pela Ucrânia em outras commodities agrícolas, como milho e óleo de girassol e fertilizantes.

Os combates já estão acabando com a semeadura na maior parte da Ucrânia, resultando em colheitas reduzidas nas regiões afetadas. A menor disponibilidade de fertilizantes diminuirá ainda mais os rendimentos.

A alta dos preços dos alimentos foi um dos fatores que mais contribuíram para a Primavera Árabe em 2010/2011 e já preocupam o Egito, país de 105 milhões de habitantes que importa mais de 80% de seu trigo da Rússia e da Ucrânia e que subsidia o pão preços extravagantes.

Deixe seu Comentário

Dicas valiosas sobre investimentos e notícias atualizadas,
cadastre-se em nossa NEWSLETTER!

ou fale com a SpaceMoney: 

Rev Content